EMPREENDEDORISMO

Empresários de Rio Preto adotam as 'lives' para fortalecer conexão com seu público

Empresários e profissionais liberais adotam as lives - encontros online com seus clientes e parceiros - para fortalecer a conexão com seu público e manter a marca em evidência em plena pandemia


Shift pretende manter a realização de
encontros virtuais até o fim do ano
Shift pretende manter a realização de encontros virtuais até o fim do ano - Fotos: Divulgação

Pequenas, médias e grandes empresas e profissionais liberais estão usando a internet a favor do próprio negócio ou mesmo de seus clientes e parceiros. É que a impossibilidade de manter as portas abertas e o acesso fácil dos consumidores transformou as 'lives' - eventos disseminados principalmente pelos músicos sertanejos no Brasil - nas ferramentas para manter as marcas em evidência e, quem sabe, vender.

Se os artistas usam esse instrumento - normalmente patrocinado por outras marcas - para manter seu nome em destaque no mundo virtual, empresas e profissionais recorrem aos eventos ao vivo para discutir temas que tenham relação com seu público-alvo e, dessa forma, marquem presença no universo online e sejam lembrados quando o consumidor precisar de seu produto e ou serviço.

A live é um recurso indicado para gerar uma conexão direta e próxima com o público-alvo, uma vez que é fácil de ser acessada, permite interação com envio de perguntas e comentários e tem um clima de bastidor, o que gera identificação entre marca e quem está assistindo. "A mensagem a ser trabalhada em uma live deve atender a dois aspectos: intenção da empresa/empreendedor e o interesse do espectador", explica Ligya Aliberti, diretora da Multivias Comunicação, agência especializada em pequenas e médias empresas.

Segundo a especialista, de nada adianta quem está propondo a live ligar a câmera e começar a falar de um assunto que é importante para ele se do outro lado ninguém quiser assistir. Da mesma forma, é necessário que o tema escolhido seja estratégico para o negócio "podendo atingir objetivos como gerar engajamento do cliente ou mesmo vendas", afirma.

Em Rio Preto, a Rodobens tem apostado em lives como mais uma ferramenta para ajudar clientes e parceiros a atravessarem a crise gerada pelo novo coronavírus. Sempre discutindo a temática "Oportunidades em um cenário de pandemia e pós-pandemia", as lives têm contado com a participação de especialistas em gestão e vendas e já reuniu mais de 2,5 mil pessoas no Brasil inteiro.

Em abril, a Rodobens convidou o palestrante e antropologista Luiz Almeida Marins, especialista em motivação, para duas lives com clientes e parceiros. Na ocasião, Marins explicou como superar dificuldades e alcançar objetivos de forma dinâmica e com conceitos inovadores. "Estamos buscando oportunidades no ambiente virtual para capacitar, informar e engajar nossos clientes e parceiros para esta nova realidade", afirma Francisco Coutinho, superintendente de Marketing & Clientes da Rodobens.

A nutricionista Cinthia Pulicci já usa as redes sociais como ferramentas para divulgar seu trabalho há tempos, desde quando fazia vídeos pelo Snapchat. Ela conta que tem canal no Youtube e publica diariamente no Facebook e Instagram. Na semana passada, acabou de encerrar um ciclo de 20 lives que promoveu durante quatro semanas, voltadas a assuntos ligados a emagrecimento e saúde. "Sinto que aplicando meu conteúdo, ensinando a comer certo, a olhar para o comportamento alimentar, tenho ficado mais próxima do meu público", conta.

E o resultado é medido pelo feedback de mulheres que começaram a seguir suas orientações e perderam peso, além do aumento no número de seguidores e clientes, ainda mais com o atendimento online liberado. "Percebi que nas lives, ao colocar meu rosto, meu conhecimento, as pessoas começaram a se conectar. Tem sido uma experiência excelente", afirmou.

Para quem ainda não tem um público cativo - como os chamados influenciadores digitais, que apenas ligam a câmera e já despertam a atenção de seus seguidores - um tema chamativo e uma boa divulgação prévia são fundamentais para o sucesso de uma live.

Segundo Ligya Aliberti, definir o tema é muito importante e, se for para falar de algo que já vem sendo abordado, é preciso trazer um novo olhar sobre o assunto.

Ela acrescenta que ninguém vai assistir a uma live que descaradamente quer vender um produto. Porém, esse pode ser o resultado final de lives de sucesso, com a diferença que, antes, elas entregam um conteúdo de valor para o espectador. "Você pode, por exemplo, contar a história da criação da sua empresa ou produto, o que pode ser de grande interesse para quem valoriza a sua marca, como seus clientes, que irão se sentir inspirados e mais conectados com você. A compra, então, será consequência".

Apesar do recurso interessante, muita gente ainda tem "medo" de fazer uma live por vergonha ou medo do que os outros vão pensar. Como é impossível saber, é melhor arriscar, afinal, apenas nos propondo desafios é que saberemos o resultado (bom ou ruim) que podemos ter. Além desse pensamento, uma preparação adequada para o desafio é fundamental para ampliar a autoconfiança, ou seja, escolher bem o tema, investir na divulgação, criar um roteiro de fala. E, na hora da live, a dica é imaginar aquela situação como um bate-papo mesmo, e não como um discurso no palco do Oscar, por exemplo", afirma.

Outro medo comum é o de não haver público. A dica que eu dou é, principalmente no começo, contar com aquela ajuda sempre indispensável de amigos, colaboradores e clientes mais fiéis. Se alguns deles se comprometerem a participar, você já se sentirá mais confiante. "Caso apenas eles apareçam, faça a live mesmo assim e utilize a gravação para divulgação posterior em seus canais de comunicação", reforça. (LM)

Tema chamativo

  • Sobre o que no seu meio ninguém ainda falou e pode ser de interesse das pessoas que você busca atingir?
  • Se você quer falar sobre um tema que já vem sendo muito discutido (ex. "saúde mental em tempos de pandemia"), de que maneira você pode trazer um novo olhar, um novo ingrediente a essa reflexão?
  • Está com dúvida entre alguns temas possíveis? Use os stories do Instagram para fazer uma enquete e obter a opinião do seu público
  • Pense bem no título. Um título como "As cinco práticas para ter saúde mental na pandemia. Será que são as suas?" - que traz uma pergunta - é muito mais eficaz do que apenas "Saúde mental em tempos de pandemia"

Divulgação prévia

  • Antes de ligar a câmera, é preciso fazer a lição de casa. Prepare uma arte de divulgação e divulgue a live em todos os canais que chegam no seu público-alvo, como suas próprias redes sociais, lista de e-mails e lista de transmissão no Whatsapp
  • Na arte, indique o horário de início e término da live, de forma que as pessoas possam se programar. Indique também em qual rede social ela ocorrerá e em qual página (sua ou da sua empresa)
  • Nos stories do Instagram, ao divulgar a live, insira o recuso de "contagem regressiva", de forma que seus seguidores possam ativar essa espécie de despertador para serem avisados sobre o início da sua live
  • Comunicação é reforço. Por isso, vale fazer a divulgação em duas etapas: primeiro, entre 4 e 5 dias antes; depois, na véspera

Dicas práticas

  • Seja pontual: começar e terminar a live nos horários previamente combinados trará credibilidade e vontade de os espectadores continuarem participando das suas lives
  • Preocupe-se com a qualidade de imagem e áudio: utilize um celular ou notebook com boa câmera e atente-se para deixar a entrada de áudio livre. Além disso, escolha um local sem eco ou ruídos
  • Cuide da sua imagem: mesmo em tempos de pandemia, o autocuidado é fundamental. Cabelo arrumado, barba feita para os homens e maquiagem leve para as mulheres são itens que elevarão sua autoconfiança e transmitirão uma imagem de credibilidade. Além disso, use uma roupa que lhe deixe confortável e que esteja alinhada ao seu trabalho no dia a dia
  • Escolha a cena: lembre-se que tudo comunica. Se atrás de você houver uma estante de livros toda bagunçada, por exemplo, passará uma imagem de desorganização. Porém, se estiver arrumadinha, as pessoas enxergarão a estante como sinônimo de conhecimento
  • Olhe para a câmera: ao fazer isso, seu espectador sentirá você olhando para ele
  • Fique à vontade: é importante que a live não pareça uma atuação mecânica. Ela deve soar como um bate-papo. Assim, embora seja fundamental contar com um roteiro da sua fala, você pode consultar esse material durante a live
  • Use os recursos de interação: deixe fixo na tela o tema da live, para informar os que entrarem no meio, e permita que as pessoas façam comentários, que você pode responder na hora ou posteriormente

Fonte - Ligya Aliberti, diretora da Multivias Comunicação