ECONOMIZE

Preço da carne cai pelo quarto mês seguido, aponta IPCA

Valor teve quarta queda seguida, aponta índice que mede inflação; veja pesquisa em 12 açougues


Tendência é de que o preço da carne continue em queda
Tendência é de que o preço da carne continue em queda - Guilherme Baffi 6/12/2019

Os preços das carnes caíram pelo quarto mês consecutivo, indo na contramão de alimentos como cereais, grãos, leite e derivados além itens do hortifrúti, que agora estão mais caros e pesando mais no bolso do consumidor.

Segundo o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial no Brasil, em abril houve redução de 2,01% nos valores em geral. O destaque ficou para a alcatra (-5,29%), para o patinho (-3,70%) e para a carne de porco (-2,37%).

A boa notícia é de que a tendência é de que os preços continuem em queda, prevê o economista José Mauro da Silva. Ele explica que isso pode acontecer devido às restrições de exportação da carne com endurecimento nas regas de transporte aéreo e marítimo por exemplo. "A dificuldade em vender para o mercado externo vai fazer inflar o mercado interno", pontua.

Apenas o preço da ave não apresentou retração no período. De acordo com o índice, o frango inteiro teve um reajuste de 3,51% no estado de São Paulo. No País, o aumento foi de 1,62%.

"A tendência é de que a ave também comece a apresentar queda, pois, assim como a carne, no momento não há pressão nenhuma sobre o preço. Essa pressão pode ocorrer no fim do ano, caso tenha um reajuste no preço da ração", avalia Silva.

De acordo com o Cepea, as medidas de distanciamento social por conta da pandemia de coronavírus afetaram o funcionamento de diversos serviços de alimentação, como restaurantes e hotéis, diminuindo a demanda por carne de frango. A queda na procura foi agravada, principalmente, no segundo semestre de abril.

Para quem diz que ainda não conseguiu sentir a queda no valor, a orientação do especialista é pesquisar. "O consumidor deve sair um pouco mais do seu espaço para encontrar outros preços", conta.

O professor Marcos Sena frequenta o açougue semanalmente para aproveitar as promoções e sempre ter o alimento mais fresco. A preferência dele é pela carne vermelha, mesmo sendo um pouco mais cara em relação às outras. "Me preocupo com o preço, mas a qualidade
sempre prevalece".

A carne bovina não pode faltar na mesa da dona de casa Kelly Cristina. Para ela, a qualidade do alimento é mais importante. "Eu busco pelo preço, porém se a carne não estiver bonita não compro. Então
optamos por outra de melhor qualidade e preço mais alto", diz.

O motorista Vinícius Allexandre tenta variar, mas também tem predileção pela carne vermelha. "Eu prezo mais pelo preço. As vezes compramos uma um pouco mais inferior para fazer carne de panela, mas normalmente preferimos a qualidade".

Pesquisa

A pesquisa desta terça-feira, feita em 12 açougues e sete serv-festas, mostra que a variação das carnes chega a R$ 234,20. No caso das bebidas, a variação é de R$ 119,50.

Clique aquitabela de preços lista de carnes (em R$)