Aplicativo é opção para compra e venda de gado

AgroDiário

Aplicativo é opção para compra e venda de gado

Aplicativo de compra e venda de gado criado por rio-pretense não conhece crise: já negociou mais de R$ 100 milhões por mês, durante a vigência da pandemia imposta pelo novo coronavírus


O aplicativo facilitou o negócio da pecuária
O aplicativo facilitou o negócio da pecuária - Divulgação

Com a pandemia do coronavírus, que impôs medidas restritivas como o distanciamento social, pecuaristas tiveram que buscar formas diferentes de negócios. É neste novo cenário de desafios também no campo que foi criado um aplicativo digital para compra e venda de animais, um grande aliado para agropecuaristas da região de Rio Preto.

"A compra e venda realizada por celular, através do aplicativo, é muito simples e percebemos um crescimento muito grande de interessados, com mais de 20 mil downloads", disse o empresário e idealizador do aplicativo, Ciro Thiago Neto. Os negócios, segundo Ciro, são mais direcionados para a pecuária de corte e movimentam por mês, cerca de R$100 milhões. "Muitos pecuaristas têm a oportunidade de negociar animais em diversas fases, como bezerros, novilhas, até o boi gordo."

Com a suspensão temporária dos leilões de gado presenciais, determinada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento para evitar a aglomeração de pessoas neste tipo de evento em decorrência da Covid-19, Ciro diz que muitos produtores que ainda não conheciam a plataforma digital da CompreGados estão realizando negócios com a nova tecnologia. "O pecuarista, para participar de um leilão, precisa viajar muitas vezes 200 quilômetros ou mais. Além disso, há um desgaste também para o animal, que chega a perder peso e se estressa bastante com o transporte", diz Ciro.

Em pouco mais de seis meses, desde seu lançamento, o App já registra mais de R$ 500 milhões em anúncios dentro da plataforma e mais de R$ 122 milhões em negócios realizados por meio da compra e venda de 62 mil animais. "Hoje estamos atuando, além de São Paulo, nos estados de Goiás, Mato Grosso do Sul e Minas Gerais. E a nossa intenção é ampliarmos para outros países, como Paraguai e Uruguai", conta.

Para desenvolver o aplicativo, o empresário levou cerca de dois anos até ajustar o programa. Aos 25 anos e criado em fazenda, Ciro conta que participou de muitos leilões de gado junto com o pai, que atuava no ramo da pecuária. "Eu cresci vendo o meu pai realizar negócios, como os de compra e venda de animais. Sempre pensei em apostar em uma tecnologia que facilitasse a vida do pecuarista", afirma, ao acrescentar que tanto aplicativos, como o da sua criação, como os leilões virtuais vão ser a nova realidade após a pandemia.

Antes mesmo da pandemia, a partir de janeiro deste ano, o pecuarista rio-pretense Pedro Pinatto se tornou adepto do App, criado pelo empresário Ciro Thiago Neto. Ele conta que realizou negócios da ordem de R$ 500 mil, depois de ver os anúncios de lotes de animais pelo aplicativo. "É uma comodidade a negociação, não tenho gasto com o transporte dos animais e também não tenho que pagar 2% de comissão que cobram nos leilões, já que o aplicativo não tem custo algum para a gente", explica.

Pecuária de precisão

Os drones são equipamentos que também têm ganhado espaço na agricultura e na pecuária, ao facilitar e aprimorar o trabalho dos produtores rurais. Esse tipo de tecnologia pode contribuir desde a demarcação de plantios, na busca de animais perdidos até o monitoramento da boiada. Em Rio Preto, o engenheiro agrônomo e empresário Flávio Junqueira Cimino tem autorização da Agência Nacional da Aviação Civil (Anac) para operar o drone Vant.

"Hoje o Vant (Veículo Aéreo Não Tripulado) é o mais avançado que existe no mundo em termos de tecnologia embarcada, e vem sendo muito utilizado na agricultura, por possuir alta precisão", afirma Flávio. Na região de Rio Preto, o drone está sendo muito utilizado, de acordo com Flávio, nas propriedades com canaviais.

A câmera que é instalada no drone consegue captar imagens milimétricas e, com isso, o agricultor consegue maior eficácia desde o plantio da cana-de-açúcar, como destaca Flávio, até a colheita. "É o primeiro drone autorizado pela Anac para voos além do alcance visual, no país. Além disso, a nossa empresa de tecnologia - a Net-Fit - obteve o Certificado de Registro Aeronáutico (Caer), que permite a operação BVLOS (além do alcance visual do piloto) de sua aeronave SenseFly eBee Plus", explica Flávio.

O mercado externo aquecido e a oferta restrita de animais prontos para o abate neste período de entressafra nacional sustentaram os preços da arroba do boi gordo em praticamente todo o mês de maio. O levantamento é do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea- Esalq-Usp), que demonstrou ainda que a atual crise por causa da pandemia de coronavírus reduziu o poder de compra de parte da população.

O consultor do Sebrae de Rio Preto, Guilherme Nunes Tresso, analisou que os preços do boi gordo têm subido nos últimos dias, na grande maioria das regiões produtoras, aquecidos principalmente pelo aumento das exportações do produto para China. "Brasil e China firmaram acordo comercial que resultou no aumento significativo das exportações brasileiras, tornando o mercado chinês nosso maior parceiro comercial para carne", comentou o consultor.

Quanto ao mercado interno, Guilherme disse que a demanda de carne por parte da população diminuiu com o início da pandemia, "mas espera-se um aumento do consumo com a flexibilização da abertura do comércio na maioria dos estados". O consultor acredita também que o produtor deve estar atento à gestão do seu negócio para otimizar seus resultados e aproveitar melhor as oportunidades do setor.

Para o pecuarista Eloy Gonçalves Júnior, que possui propriedade rural em Rio Preto, o setor agropecuário se mantém firme, mesmo com a pandemia do novo Coronavírus. "A exportação está funcionando bem, com a China comprando bastante carne bovina do Brasil e os frigoríficos da nossa região, mesmo que diminuam as negociações internas, também conseguem atender tanto os pecuaristas quanto o consumidor", diz.

Eloy disse ainda que a arroba do boi gordo cotada a R$215, em negócios realizados recentemente, remunera bem o pecuarista. "Também estamos na expectativa de iniciar a exportação de bezerros vivos, o que vai gerar mais negócios para a pecuária brasileira", diz.

Na avaliação do pecuarista Augusto Cavalin, a cotação do boi gordo, que segue em alta, impulsionou o mercado externo, mas há uma dificuldade na compra do bezerro, ou do boi magro que ainda vai para o confinamento. "Os negócios na pecuária não registraram nenhuma baixa com a pandemia, mas temos uma dificuldade na reposição do gado", explicou Augusto. (CC)

Quantidade de anúncios publicados: 2.798 anúncios

Valor estimado (em R$) em anúncios publicados: R$ 585,5 milhões

Quantidade de negócios realizados: 1084 lotes vendidos pelo app

Valor (em R$) em negócios realizados: R$ 163.684.000,00 milhões

Quantidade total de animais anunciados: mais de 247.000

Quantidade de animais comprados e vendidos: 83.980

Valuation da empresa em equity: R$ 26 milhões (consultoria NexB)

Quantidade de downloads do app: mais de 20 mil

Maior negociação única realizada pelo aplicativo: R$ 812.000,00

Quantidade de usuários/mês: 4.200