Assim como em outras culturas, especialistas e pesquisadores alertam sobre a importância do planejamento da lavoura de soja, como a escolha da cultivar e o manejo, de modo que atendam às necessidades do clima e do solo da região Noroeste paulista. O engenheiro agrônomo da Casa de Agricultura de Guapiaçu, Roberto Pires de Albuquerque, destaca estes aspectos, ao afirmar que "o produtor rural, ao fazer o plantio da soja, precisa escolher a cultivar, que não pode ser a mesma que se planta, por exemplo, no estado do Paraná".

A plantação de soja, segundo Albuquerque, exige equilíbrio de nutrientes. Segundo ele, tem se verificado na região de Rio Preto o interesse de produtores que buscam o plantio do grão como rotação de culturas, além de renovar os canaviais. "Na renovação, planta-se a soja e aproveita-se como a segunda safra, também com o milho ou com o sorgo", explicou o agrônomo ao lembrar que a cana-de-açúcar só vai retornar o ciclo após seis ou sete anos.

No manejo da leguminosa, conforme o engenheiro agrônomo, requer do produtor rural equipamentos para o monitoramento de pragas e doenças, já que a incidência de mariposas, lagartas ou percevejos atacam as lavouras. "Em nossa região, o produtor pode fazer o plantio da soja um pouco mais tardio, mas sempre atento às condições climáticas." (CC)