AGRODIÁRIO

Além de belo, girassol é aliado no campo

Produção pode ser utilizada na rotação de cultura de grãos e é uma rica fonte de alimento para os animais nas propriedades rurais, na forma de silagem para o gado


Campo de girassóis na Fazenda São José, localizada na Vila Azul, em Rio Preto
Campo de girassóis na Fazenda São José, localizada na Vila Azul, em Rio Preto - Johnny Torres

A produção de girassol na região noroeste do Estado de São Paulo vem sendo considerada importante aliada para a rotação de cultura de grãos, além de rica fonte de alimento para os animais nas propriedades rurais. Em Rio Preto, o produtor rural Laércio Natal Sparapani, plantou 10 hectares de girassóis, que nos próximos dias serão revertidos, por meio da técnica de silagem, em alimento para o rebanho do gado em confinamento.

"Plantei, há mais de 60 dias o girassol, que já atinge dois metros de altura. Sempre cultivo cerca de 20 a 30 hectares, mas este ano plantei um pouco menos porque já tinha bastante milho, outro alimento que utilizo para complementar o alimento dos animais, com o objetivo de tornar mais proteica a silagem para o gado", disse o produtor rural.

Já tem duas décadas que Laércio Sparapani se dedica ao cultivo do girassol na Fazenda São José, localizada na Vila Azul, extremo sul de Rio Preto. Ele começou a plantar o girassol, a princípio, pela beleza da flor e explica que o nome científico da planta, é Helianthus, sendo originária da América do Norte. "O girassol traz beleza, alegria e prosperidade. Quem o cultiva sempre está muito feliz", faz questão de destacar o produtor.

Para o rebanho de 511 animais da raça nelore, o produtor se prepara para utilizar o girassol na silagem - forragem armazenada e utilizada na época da estiagem, uma suplementação alimentar para o gado - em substituição ao pasto. "Com cerca de 90 dias, vou cortar todo o girassol, triturar e misturar ao milho e à soja", diz Sparapani. O alimento é oferecido três vezes ao dia para o gado, o que garante um ganho de 1,5 kg de peso ao dia.

O milho - cerca de 30 hectares - também é plantado em sistema de rotação de cultura, com o girassol, na propriedade de Sparapani. "Agora é a época do plantio e da colheita do girassol, para depois ser utilizado na alimentação do gado, armazenado em um período de 20 a 30 dias".

A alimentação para o gado fica muito rica em proteína, segundo o produtor e ele lembra que o pé inteiro do girassol pode ser aproveitado para oferecer ao gado, depois de feita a silagem. A proporção do alimento em silagem é de 20 a 25 quilos de girassol, com o acréscimo do milho e da soja para cada animal.

 

No Brasil, conforme dados da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a área cultivada de girassol, na safra 2018-2019, foi de 65,8 mil hectares, sendo o estado do Mato Grosso o maior produtor da oleaginosa, com 62% da produção nacional. O levantamento aponta também que o girassol é a quarta oleaginosa mais plantada no mundo, o que representa 13% de todo óleo vegetal produzido.

O engenheiro agrônomo, Paulo Roberto Marson, explica que a cultura do girassol é considerada de inverno e também uma opção para ser intercalada com os plantios de safrinha, como o milho e outros grãos. No estado de São, segundo o agrônomo, o plantio ocorre de fevereiro a abril, com ciclo médio de 120 a 130 dias. "O girassol se adapta muito bem ao clima seco, e possui um sistema radicular mais profundo do que outras plantas", diz Marson.

Com o sistema radicular mais profundo - atinge até dois metros- o engenheiro agrônomo explica que a planta do girassol consegue explorar grande volume de água e de nutrientes. "É uma vantagem da cultura, sua condição hídrica é melhor do que a de outras plantas, absorvendo ainda nitrogênio e potássio, que são revertidos para o solo, preparando o cultivo para as próximas culturas que serão semeadas".

O custo benefício para o produtor também é outra vantagem da plantação de girassol, segundo Marson. "O produtor não precisa de muito investimento com insumos, como adubos e defensivos", lembrou ao dizer que o girassol tem menor incidência de pragas e doenças. A produtividade é outro aspecto importante do girassol, com rentabilidade de 1.200 a 1.300 quilos por hectare, nas plantações em que o agrônomo costuma visitar para dar assistência técnica aos agricultores.

O manejo do girassol, de acordo com o agrônomo, é uma alternativa para os produtores rurais do estado de São Paulo, que plantam no sistema de rotação de culturas da safrinha, "se sobressai por ser uma planta mais resistente e mais tolerante à seca". Os produtores também utilizam a plantação do girassol, conforme Marson, para enriquecer a alimentação do gado. "Além da boa rentabilidade do girassol, o pecuarista que investe na cultura com o objetivo de realizar a silagem, oferece um alimento que é muito rico em proteína", acrescentou. (CC)

Em José Bonifácio, o produtor rural Carlos Missiagia, plantou no ano passado 250 hectares de girassol, depois de conhecer a cultura através de um consultor técnico em agricultura. Este ano, ele disse que diminuiu um pouco a área plantada- plantou em março cerca de 150 hectares- do girassol, que entra como cultura de rotação com o milho. "O milho da safrinha estava com preço muito bom, investi então menos no girassol", diz Missiagia.

O produtor comercializa os grãos de girassol para uma empresa cerealista, sendo destinado, em sua maioria, para a ração de pássaros e de outros animais, e ainda para a fabricação de óleo vegetal. "Fui muito feliz em investir na plantação de girassol, que além de ser uma plantação rústica, sem muita exigência de trato cultural, proporcionou uma boa lucratividade".

Os investimentos com a plantação do girassol não são altos e, no ano passado, Missiagia obteve uma produtividade de aproximadamente mil quilos por hectare da planta. "É uma lavoura semelhante a da soja, não preciso investir muito, são as mesmas máquinas para o plantio e a colheita", afirmou.

Após conhecer a plantação de Carlos, em José Bonifácio, o casal de agricultores Francismeia Mocci Zequini e Silvio Zequini, plantou 12 hectares de girassol, em propriedade localizada no município de Potirendaba. No sistema de plantio irrigado, a agricultora conta que plantou recentemente o girassol e está da expectativa de uma boa lucratividade. "Nós já cultivamos o milho, resolvemos plantar o girassol para comercializar o grão que vai servir para ração de pássaros", disse Francismeia. (CC)