Assembleia de credores é suspensa e será retomada hoje

A assembleia de credores da Recuperação Judicial do grupo Moreno, realizada na segunda-feira, 28, foi suspensa por 48 horas e será retomada nesta quarta-feira, 30. A razão é que, mais uma vez, não houve consenso sobre o plano apresentado para quitar com as dívidas estimadas em R$ 2 bilhões. O principal entrave é em relação à dívida bancária.

O grupo Moreno é composto por três usinas, uma em Luiz Antonio, uma em Monte Aprazível e outra em Planalto. As três, que estão em operação, têm capacidade para moer 13 milhões de toneladas de cana por ano, produzindo açúcar e etanol. O grupo emprega 5 mil pessoas e tem influência na economia de 52 municípios. O pedido de RJ foi feito em setembro do ano passado.

Segundo a advogada Fabiana Solano, sócia nas áreas de recuperação Judicial, Insolvência e Reestruturação do Felsberg Advogados, que representa o grupo, trata-se de uma recuperação judicial complexa em função do grande número de credores - são cerca de 7 mil - e dos interesses diversos em jogo, além do forte pool de bancos. "Os bancos têm feito pressão para venda das unidades, mas existe a preocupação da empresa com relação à manutenção das suas atividades".

Originalmente, o plano prevê parte da venda dos ativos, que seriam as usinas de Luiz Antonio e Monte Aprazível e a obtenção de novos empréstimos. A nova assembleia marcada para esta quarta-feira ainda não deve aprovar o plano, mas discutir mudanças e inclusões.