Estado libera parques temáticos a partir do dia 23 de setembro

RETOMADA

Estado libera parques temáticos a partir do dia 23 de setembro

Com a autorização, parques de Olímpia estarão autorizados a reabrir, mas devem aguardar publicação de decreto municipal


Parque aquático de Olímpia
Parque aquático de Olímpia - Divulgação/ Thermas dos Laranjais

Os parques temáticos poderão reabrir ao público a partir do dia 23 de setembro. A autorização vale para parques instalados em cidades que estão na fase amarela do Plano São Paulo por pelo menos 28 dias consecutivos. O anúncio foi feito nesta quarta-feira, 16, pelo governador João Doria, em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

Com a autorização, os parques temáticos de Olímpia, que se destaca pelas atrações aquáticas, poderão reabrir. No entanto, essa decisão cabe aos parques, que ainda não confirmam a reabertura. Na próxima semana, o prefeito Fernando Augusto Cunha se reunirá com o Comitê de Crise Municipal do Covid e com representantes do setor de turismo para debater o assunto.

Também terão aval para retomar as atividades parques que são âncoras do turismo nas cidades de Vinhedo e Itupeva, onde ficam o Hopi Hari e o Wet´n Wild.

"São Paulo concentra, de longe, a maior quantidade de parques e atrações temáticas do país. Também é a maior concentração da América Latina", disse Doria. Segundo o Estado, a autorização libera a retomada de mais de cem operações, que geram 26 mil empregos diretos e indiretos.

Os parques poderão operar ao longo de oito horas diárias com 40% da capacidade de público. Os protocolos gerais e específicos continuam valendo: uso obrigatório de máscaras, medição de temperatura, ingressos vendidos antecipadamente e controle de acesso. A fiscalização fica a cargo das prefeituras.

"Os protocolos foram acordados com o próprio setor e seguem os mesmos adotados internacionalmente. A retomada segura substitui viagens ao exterior e internas até que as coisas se normalizam no mundo", disse o Secretário do Turismo, Vinicius Lummertz. Ele ressaltou a importância do setor como propulsor do turismo, que havia, em 2019, sido o maior gerador de empregos em São Paulo. "Foram mais de 50 mil empregos, segundo o Caged [Cadastro Geral de Empregados e Desempregados]."

(Com informações de Governo do Estado de SP)