BC lançará cédula no valor de R$ 200

LOBO SERÁ O 'PERSONAGEM'

BC lançará cédula no valor de R$ 200


Lobo-guará vai parar na nova cédula de R$ 200, anunciada pelo BC
Lobo-guará vai parar na nova cédula de R$ 200, anunciada pelo BC - Divulgação/Pixabay

O Banco Central anunciou nesta quarta-feira, 29, por meio de nota à imprensa, que lançará cédulas de R$ 200 no Brasil. A nova cédula terá como personagem o lobo-guará. A previsão é de que a nota entre em circulação a partir do fim de agosto.

Conforme o BC, a nova cédula foi aprovada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), que conta com representantes da autarquia e do Ministério da Economia. Ainda nesta tarde, a diretora de Administração do BC, Carolina de Assis Barros, dará entrevista coletiva virtual a respeito da nota. A autarquia não divulgou imagem da nova cédula.

Na manhã desta quarta, o BC informou que de fevereiro - antes da pandemia - para junho o papel moeda em poder do público (PMPP) saltou 28,9%, de R$ 210,227 bilhões para R$ 270,899 bilhões. Esse é o maior valor da série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2001.

De acordo com o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, o aumento do papel moeda nas mãos do público nos últimos meses foi causado pela demanda da população com a liberação do auxílio emergencial mensal de R$ 600 pelo governo, durante a pandemia.

Em meio à busca por dinheiro em papel na crise, o Ministério da Economia havia confirmado em 22 de julho que o BC havia solicitado ao Conselho CMN um reforço de R$ 437,9 milhões para atendimento do meio circulante.

Vem aí o PIX

A prática de informar número da instituição, agência e conta para receber um pagamento começará a mudar em 5 de outubro, segundo informou o Banco central. A partir dessa data, os brasileiros poderão cadastrar o método de identificação de sua preferência para receber o Pix, o pagamento instantâneo brasileiro.

Hoje, uma transferência eletrônica de dinheiro demanda que o pagador passe várias informações para o recebedor. A partir de novembro, quando o Pix estará disponível em definitivo, bastará o recebedor dizer sua chave, que poderá ser: número do celular; CPF/CNPJ; e-mail; ou EVP (um número aleatório gerado pelo sistema, para quem não quiser fornecer dados pessoais).

Essas informações serão armazenadas em uma plataforma tecnológica desenvolvida e operada pelo Banco Central (BC), conhecida como Diretório Identificador de Contas Transacionais (DICT). O DICT, um dos componentes do Pix, será uma base de dados protegida pelo sigilo bancário e pela Lei Geral de Proteção de Dados.

Essa identificação do usuário, conhecida tecnicamente como chave de endereçamento, será sempre informada pelo recebedor ao pagador. Em seguida, o pagador utilizará o aplicativo da sua instituição financeira ou de pagamento para inserir a chave de preferência do recebedor.