O PREÇO BAIXOU

Isolamento derruba o preço da gasolina em Rio Preto

Litro do combustível é encontrado por R$ 3,549 em Rio Preto, o valor mais barato desde o mês de agosto de 2017


Litro da gasolina é encontrado por R$ 3,549 
em postos de Rio Preto
Litro da gasolina é encontrado por R$ 3,549 em postos de Rio Preto - Johnny Torres 19/5/2020

O preço do litro da gasolina nos postos de combustíveis de Rio Preto atingiu o menor patamar desde agosto de 2017, segundo os dados divulgados pela Agência Nacional de Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Naquele mês, o valor mais barato do litro do combustível era R$ 3,659 nas revendedoras, enquanto o mais caro era R$ 3,899. A partir de então, o valor da gasolina passou a sofrer algumas variações até a atingir as marcas de R$ 4,399 (preço mínimo) e R$ 4,897 (preço máximo), em outubro de 2018.

Somente últimos quatro meses houve uma redução de mais de R$ 0,60 no valor mínimo do combustível na cidade. No mês de janeiro, o consumidor pagava R$ 4,099 pelo litro mais barato da gasolina, enquanto no mês de abril, o mesmo produto começou a ser encontrado por R$ 3,549.

Para professor de economia da USP de Ribeirão Preto, Luciano Nakabashi, a queda no valor do litro da gasolina é explicada por uma junção de fatores, mas que tem a pandemia do novo coronavírus como o principal motivo.

"Houve uma queda muito grande na demanda de combustível, provocado não só pela queda da atividade econômica, mas também por conta do isolamento social. Criou-se um excesso de oferta que agora está refletindo no preço", explica.

Ainda segundo Nakabashi, o preço do litro da gasolina no Brasil já tinha começado apresentar queda antes da chegada da Covid-19, devido a um desacordo comercial entre os Países Exportadores de Petróleo (Opep).

"Países como a Rússia e a Arábia Saudita tentaram diminuir a produção de petróleo para não criar esse excedente, mas eles não puderam interromper o processo já que estavam no meio da produção", pontua. "Diminuir a produção de petróleo é algo que deve ser feito de maneira coordenada com outros países, não é decidido de uma hora para outra. Por isso demora a começar de fato a surtir efeito", destaca o especialista.

preço mínimo da gasolina, em Rio Preto  (Foto: Reprodução)

Etanol

Em Rio Preto, o preço do etanol também apresentou queda em comparação ao início do ano. Baixar o preço foi uma das estratégias adotadas pelas usinas para conseguir vender o estoque do combustível. Mas, diferentemente do combustível derivado de petróleo, o biocombustível já havia apresentado quedas pontuais entre 2017 e 2020.

A expectativa é de que o preço do combustível volte a subir em todo o País. Na quinta-feira, 14, a Petrobras aumentou o preço do combustível nas refinarias em 10%.

O economista diz que ainda não é possível fazer uma previsão quando esse reajuste será repassado para o consumidor final e nem de quanto será este aumento. Os motivos são porque a demanda por combustível continua fraca e os potos de combustíveis, assim como as refinarias, continuam com estoque.

"De uma forma geral, quando se tem um reajuste da Petrobrás, o aumento de preço acaba sendo mais rápido, do que quando tem uma queda. Esse é um fenômeno que já foi documentado", avalia.

Apesar de os consumidores estarem comemorando a redução no valor do litro da gasolina, Nakabashi se mostra pessimista sobre quedas acentuadas nos valores dos combustíveis. Ele explica que existe um preço mínimo a ser mantido para que o mercado continue funcionando. Uma diminuição de oferta, pode provocar a fuga de investidores e causar uma quebra em empresas da cadeia do setor produtivo de etanol, por exemplo. "No segundo momento, isso pode ser ruim até para quem consome o combustível, já que com menos oferta, a tendência é de aumento no preço", finaliza.

A reportagem tentou entrar em contato com a Sincopetro, mas não obteve retorno até o fechamento desta edição.