QUEM RECEBEU IRREGULARMENTE

Auxílio de R$ 600 deverá ser devolvido


O ministro Bruno Dantas, do Tribunal de Contas de União (TCU), determinou nesta quarta-feira, 13, que os militares acusados de receber irregularmente o auxílio emergencial de R$ 600 devolvam os valores aos cofres públicos. Pela decisão, novos pagamentos ao grupo também devem ser suspensos imediatamente.

As irregularidades foram detectadas após o ministérios da Defesa e da Cidadania realizarem um cruzamento de dados e identificarem que 73,2 mil militares ativos, inativos, temporários, pensionistas e anistiados receberam a ajuda do governo. Dantas também determinou que o ressarcimento seja feito de forma urgente. A decisão foi motivada por um pedido de providências feito por uma secretaria interna do TCU.

"Ademais, em que pese o ânimo do Ministério da Defesa em apurar individualmente cada caso e a declarada intenção de restituir os montantes recebidos indevidamente, é imprescindível que haja urgência nesse ressarcimento, inclusive com adoção de providências necessárias pelo Ministério, como a glosa na folha de pagamento."

Em nota divulgada na terça, 12, o Ministério da Defesa informou que investiga a irregularidade e que os valores recebidos indevidamente serão restituídos.

'Serviço obrigatório'

Também nesta quarta, 13, o presidente Jair Bolsonaro afirmou que os militares que receberam o auxílio emergencial de R$ 600 são "jovens que prestam o serviço militar obrigatório". Segundo o presidente, quem recebeu o benefício de forma indevida será punido.

Ao comentar o caso, Bolsonaro explicou que se tratam de militares oriundos de famílias mais pobres, que em 2019 não tinham renda. "Não fala militares, não. É o praça prestador do serviço militar inicial. Mais ou menos 3% da garotada que presta o serviço militar obrigatório, e são pessoas oriundas das classes mais humildes da população, são os mais pobres. Estão servindo o Exército no corrente ano, Marinha e Aeronáutica, e alguns se inscreveram", disse.

Bolsonaro afirmou ainda que, no meio militar, quem "fez besteira, paga". Ele disse que os militares deverão devolver o dinheiro do auxílio e que serão punidos.