NAS REFINARIAS, A PARTIR DESTA QUINTA

Confirmado aumento de 10% da gasolina


A Petrobras informou nesta quarta-feira, 13, às distribuidoras que vai aumentar a gasolina nas suas refinarias em 10% a partir da quinta-feira, 14, após notícias sobre o fortalecimento do petróleo no mercado internacional, que operava em alta de 1,37% o tipo Brent nesta terça-feira, cotado a US$ 30,39 o barril. O diesel permaneceu com o preço inalterado.

De acordo com a Associação Brasileira dos Importadores de Combustíveis (Abicom), o aumento será de R$ 0,1024 por litro.

O Brent, usado como parâmetro pela Petrobras, ganhou força após a divulgação do relatório dos estoques nos Estados Unidos, que recuaram ante uma expectativa de alta pelo mercado.

O repasse de ajustes em valores da gasolina cobrados nas refinarias aos consumidores finais, nos postos, não é imediato. Depende de uma série de questões, como margem da distribuição e revenda, impostos e adição obrigatória de etanol anidro.

Na semana passada, quando o preço do combustível nas refinarias já havia sido reajustado em 12%, os valores dos combustíveis nos postos recuaram, de acordo com dados que foram divulgados pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

De acordo com o levantamento realizado pela ANP, o valor médio do litro da gasolina para o consumidor recuou ao todo 2,7%, a R$ 3,823. O preço do litro do diesel caiu 3,9% no período, para R$ 3,077.

Crise no setor

A suspensão da produção em plataformas marítimas e em campos terrestres de petróleo pode levar a demissões em massa. O alerta é da Federação Única dos Petroleiros (FUP). A entidade sindical cita estimativa do Instituto de Estudos Estratégicos em Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Ineep), apontando que a interrupção das atividades pode extinguir mais de 5 mil empregos apenas na Bahia.

Em abril, a Petrobras anunciou a hibernação de 62 plataformas em campos de águas rasas das bacias de Campos, Sergipe, Potiguar e Ceará, por causa da baixa no preço internacional do petróleo.

A ANP confirmou que, até o momento, 36 campos tiveram a hibernação formalmente comunicada. Desse total, 33 são operados pela Petrobras e 15 deles são terrestres. Os três campos no Recôncavo Baiano são os únicos da lista da ANP que não são operados pela Petrobras.

Segundo a FUP, a partir de abril a empresa descontratou 20 sondas de perfuração, o que levou à demissão de 350 trabalhadores do campo terrestre de Dom João, em São Francisco do Conde, no Recôncavo, funcionários da empresa que prestava o serviço à Petrobras. A federação afirma que este campo iniciou o processo de hibernação.

A estatal por sua vez, não confirma as demissões: "a Petrobras não confirma a estimativa de demissões mencionada e ressalta que a gestão do efetivo de trabalhadores cabe às empresas contratadas".