Moeda americana bate mais um recorde
Moeda americana bate mais um recorde - Johnny Torres 18/5/2017

O dólar teve mais um dia de escalada nesta terça-feira, 12, impactado pelo conturbado cenário político nacional entre Jair Bolsonaro e Sérgio Moro e pelos resultados negativos vindos do exterior. Como resultado, a moeda fechou com novo recorde nominal, quando não é considerada a inflação, a R$ 5,86, uma alta de 0,82%. A Bolsa de Valores de São Paulo, a B3, também foi pressionada e fechou na mínima do dia, com queda de 1,51%, aos 77.871,95 pontos.

A moeda americana começou o dia com queda de 0,36%, a R$ 5,80 - valor não muito diferente do dia anterior, quando fechou cotado a R$ 5,82. Ainda pela manhã, impactado pela desvalorização das Bolsas do exterior, o dólar tornou a cair e chegou a ser cotado a R$ 5,74, na mínima do dia.

Foi no final da tarde que a moeda tornou a subir e viveu uma nova escalada. Às 15h36, o dólar era negociado a R$ 5,88, uma alta de 1,06%. O valor não apenas foi a máxima do dia, como também marca um novo recorde nominal para uma cotação. Nesse cenário de valorização, o dólar já tem uma apreciação de 45% em 2020 e de 7,4% em abril, frente ao real. Nas casas de câmbio, de acordo com levantamento do Estadão/Broadcast, os valores do dólar turismo variam entre R$ 5,91 e R$ 6,03.

Já a B3 começou o dia com alta de 0,82%, aos 79.767,02 pontos - no fechamento anterior, a queda foi de 1,49%, aos 79.064,60 pontos. Ao longo da manhã, acompanhando um breve momento da alta das Bolsas de Nova York, o Ibovespa, principal índice de ações do mercado brasileiro subiu 1,51%, aos 80.261,46 pontos.

No entanto, o movimento de alta não durou muito tempo e com os resultados negativos do exterior, a Bolsa brasileira tornou a cair. No final da tarde, às 15h, o índice recuava 0,33%, aos 78.803,87 pontos. Com os números negativos das ultimas sessões, a B3 já acumula perda de 1,79% no mês e de 31,63% no ano.