SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEGUNDA-FEIRA, 16 DE MAIO DE 2022
COLUNA DO DIÁRIO

Presidente de associação de oficiais diz que PSDB 'roeu a corda' com o coronel Fábio

Muitos avaliavam ainda que ele se sentia “acolhido dentro do ninho tucano”

Maria Elena Covre e Vinícius Marques
Publicado em 29/04/2022 às 00:19Atualizado em 29/04/2022 às 09:53
Coronel Fábio Rogério Candido, da Polícia Militar (Marco Antônio dos Santos 8/2/2020)

Coronel Fábio Rogério Candido, da Polícia Militar (Marco Antônio dos Santos 8/2/2020)

Seção exclusiva para assinantes. Assine para ter acesso ilimitado.

Já sou cadastrado.

Quero ter acesso ilimitado.

COLUNA DO DIÁRIO

Presidente de associação de oficiais diz que PSDB 'roeu a corda' com o coronel Fábio

Muitos avaliavam ainda que ele se sentia “acolhido dentro do ninho tucano”

Maria Elena Covre e Vinícius Marques
Publicado em 29/04/2022 às 00:19Atualizado em 29/04/2022 às 09:53

Coronel Fábio Rogério Candido, da Polícia Militar (Marco Antônio dos Santos 8/2/2020)

Não era novidade entre oficiais da Polícia Militar de São Paulo que o coronel Fábio Rogério Candido tinha gosto e jeito para a política. E que levaria o projeto de uma candidatura a cabo quando fosse para a reserva, daqui dois anos.

Muitos avaliavam ainda que ele se sentia “acolhido dentro do ninho tucano”, ou seja, que tentaria se viabilizar pelo PSDB. Tinha, por exemplo, profícua relação com o deputado estadual Carlão Pignatari e já serviu na Assembleia Legislativa o ex-deputado estadual Vaz de Lima, dois próceres do partido na região.

O divórcio litigioso com o tucanato, após ser defenestrado do comando regional da Polícia Militar, o atirou nos braços de Tarcísio de Freitas (Republicanos). Para regozijo de boa parte das lideranças que integram o Defenda PM, associação de oficiais da Polícia Militar de São Paulo, cujo presidente, o coronel da reserva Luiz Gustavo Pistori, é ferrenho entusiasta da causa bolsonarista.

Pistori advoga para que o coronel Fábio antecipe sua entrada na política como candidato a deputado estadual neste ano, especialmente por vê-lo, agora, do mesmo lado da “força” que defende. “Era ovacionado pelos tucanos, mas o PSDB roeu a corda com ele (coronel Fábio). Ficou claro que a pauta dele e os projetos que defende são mais viáveis com Tarcísio”, concluiu o veterano da PM, que é de Jaú, em entrevista à Coluna.

NOTAS

Fazendo figa

O Republicanos da Coronel Helena, pré-candidata a deputada estadual, já avaliava internamente que Fábio Rogério acabaria nas urnas mais cedo ou mais tarde. Mas compartilhava da avaliação geral de que ele era mais propenso a se instalar no ninho tucano. O fato é que uma candidatura do coronel da ativa neste ano, também no palanque de Tarcísio, é tudo que não interessa à oficial da reserva.

Cara de paisagem

Com a cúpula nacional do PL mobilizada para receber Coronel Fábio, o deputado federal Luiz Carlos Motta (PL) não quis opinar sobre a barulhenta destituição do ex-comandante do CPI-5. “Uma avaliação de ordem administrativa que não cabe a mim opinar”, afirmou. Ele também não passou recibo ao ser questionado sobre o possível ingresso do militar na legenda, numa articulação de cima para baixo: “Se ele se filiar ao PL, será muito bem-vindo, uma pessoa preparada.”

Mais um

E o assunto Fábio Rogério segue rendendo. O vereador Jean Charles (MDB), coronel da reserva da PM, protocolou moção de aplausos ao ex-comandante do CPI-5. O parlamentar rio-pretense listou ações do ex-chefe da Polícia Militar na região, como a implantação da escola Cívico-Militar, que, vale lembrar, é uma instituição privada.

Pressão ecológica

A Câmara de Rio Preto aprovou nesta semana, por unanimidade, projeto do vereador João Paulo Rillo (Psol) assegurando que o ICMS Ecológico que a cidade recebe por ter a Estação Ecológica do Noroeste Paulista seja integralmente investido na própria estação. O parlamentar já começou a mobilização por meio das redes sociais para que o prefeito Edinho Araújo (MDB) sancione a iniciativa.

Braço forte

Tarso Baglione, braço direito do vice-prefeito Orlando Bolçone (União Brasil), abraçou com visível vigor a campanha à reeleição do deputado federal Geninho Zuliani (União Brasil) em Rio Preto e entorno.

Apertadinho 1

Com PT, PC do B e PV unidos oficialmente em uma federação, novidade nas eleições proporcionais deste ano, as três legendas funcionam como se fossem uma só na hora de montar as chapas que vão concorrer a deputado estadual e deputado federal. Ou seja, vão dividir as 71 vagas para candidatos à Câmara dos Deputados e 95 à Assembleia Legislativa. A “cota” de cada partido é proporcional ao desempenho de 2018.

Apertadinho 2

Com isso, cada legenda criou uma estratégia para atender aos respectivos filiados que ambicionam ir às urnas em outubro. O PV, com 17 vagas a estadual e 11 a federal, decidiu que todas as suas candidaturas serão “coletivas”. Segundo o presidente local do partido, Sérgio Parada, dois nomes da cidade vão se inscrever. Já o PC do B irá centrar fogo apenas na reeleição do deputado federal Orlando Silva e da deputada estadual Leci Brandão. As demais vagas vão para o PT, que tem em Rio Preto Celi Regina e João Alfredo como pré-candidatos a federal e a estadual, respectivamente.

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por