SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SÁBADO, 22 DE JANEIRO DE 2022
COLUNA DO DIÁRIO

Com a escolha de Doria nas prévias, Rodrigo Garcia assume o governo em abril

Para ser candidato a presidente, Doria terá de se desincompatibilizar do mandato de governador em abril de 2022

Vinícius Marques
Publicado em 30/11/2021 às 00:50Atualizado em 30/11/2021 às 08:51
Rodrigo Garcia (à esq.) com João Doria em reunião nesta segunda-feira, 29; governador terá de abrir mão do mandato para ser candidato à Presidência da República em 2022 (Divulgação/Governo de São Paulo)

Rodrigo Garcia (à esq.) com João Doria em reunião nesta segunda-feira, 29; governador terá de abrir mão do mandato para ser candidato à Presidência da República em 2022 (Divulgação/Governo de São Paulo)

Seção exclusiva para assinantes. Assine para ter acesso ilimitado.

Já sou cadastrado.

Quero ter acesso ilimitado.

COLUNA DO DIÁRIO

Com a escolha de Doria nas prévias, Rodrigo Garcia assume o governo em abril

Para ser candidato a presidente, Doria terá de se desincompatibilizar do mandato de governador em abril de 2022

Vinícius Marques
Publicado em 30/11/2021 às 00:50Atualizado em 30/11/2021 às 08:51

Rodrigo Garcia (à esq.) com João Doria em reunião nesta segunda-feira, 29; governador terá de abrir mão do mandato para ser candidato à Presidência da República em 2022 (Divulgação/Governo de São Paulo)

Depois da primeira tentativa frustrada no último dia 21, a direção nacional do PSDB finalmente concluiu as prévias do partido para a pré-candidatura à Presidência da República e o governador de São Paulo, João Doria, levou a disputa interna.

Ao superar o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio, o governador paulista mexe o xadrez eleitoral – e não apenas em nível nacional.

Para ser candidato a presidente, Doria terá de se desincompatibilizar do mandato de governador em abril de 2022. Com isso, o vice Rodrigo Garcia, que será candidato ao governo do Estado de São Paulo pelo PSDB, irá assumir o comando do Palácio dos Bandeirantes. Aliás, Rodrigo vai fazer um “aquecimento” já nesta terça-feira, 30, com a viagem de Doria para os Estados Unidos, onde irá inaugurar um escritório da InvestSP, agência estadual de desenvolvimento. Para 2022, o PSDB tem o desafio de costurar alianças e, por ora, conta com o apoio apenas do MDB. Já a adesão do PL à candidatura de Rodrigo ruiu após o anúncio da filiação do presidente Jair Bolsonaro. Sem contar outros adversários no Estado, como Fernando Haddad (PT) e Guilherme Boulos (Psol), que aparecem em melhor colocação nas pesquisas de intenção de voto.

NOTAS

Caminha

Quase sempre casmurro sobre o seu futuro político, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin, ainda filiado ao PSDB, afirmou nesta segunda, 29, que “caminha” a hipótese de ser vice de Lula (PT) em 2022. Ao dizer apenas uma palavra sobre a aliança, Alckmin deixa claro duas coisas: que não deve ser candidato ao governo de São Paulo e que pode se filiar ao PSB, mais alinhado às ideias do petista.

Rápido

Com o resultado das prévias do PSDB, o governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, já recebeu convite para deixar o partido. A iniciativa surgiu de uma parcela de deputados federais do futuro União Brasil, que será criado com a fusão entre PSL e DEM. A tendência, ao menos por ora, é que Leite permaneça no ninho tucano. Há ainda uma linha dentro do União Brasil que defende que a nova sigla apoie a candidatura do ex-juiz Sergio Moro, que filiou-se ao Podemos e promete entrar na corrida pela Presidência da República.

Estampido

A conquista da Taça Libertadores neste sábado, 27, pelo Palmeiras resultou em “inúmeras fugas de animais em razão dos fogos de artifícios utilizados na comemoração do título”. É o que afirma a vereadora Cláudia de Giuli (MDB), autora da lei que proíbe fogos de artifício e artefatos pirotécnicos que causem estouro e estampidos em Rio Preto. Claudia protocolou pedido de esclarecimentos ao município sobre a fiscalização da norma e ainda reforçou que existe lei estadual proibindo fogos de artifício com estampido.

Hospital

O secretário de Saúde de Rio Preto, Aldenis Borim, vai comparecer à sessão da Câmara que será realizada no dia 14 de dezembro. O secretário foi convidado pelo presidente do Legislativo, Pedro Roberto Gomes (Patriota), para falar sobre como será feita a gestão do hospital municipal da região norte. A obra está praticamente concluída e a Prefeitura irá passar a administração para uma organização social. Os vereadores querem mais detalhes sobre isso.

Resiste

Além de evidentes questões políticas, o projeto que revoga a honraria concedida pela Câmara de Rio Preto ao governador João Doria (PSDB) começou a receber questionamentos jurídicos. Dentro da Casa, tem sido levantada a tese de que a homenagem, o título de “Cidadão Honorário Rio-pretense”, só poderia ser revogada por iniciativa do autor da proposta, ou seja, Paulo Pauléra (PP). A proposta de cancelar a honraria, algo jamais visto na história recente da Casa, partiu do vereador João Paulo Rillo (Psol), que contesta ações do governador, em especial o programa de concessões de rodovias que prevê sete praças de pedágio na região de Rio Preto. A decisão será tomada em votação secreta.

CURTAS

Contra - A iniciativa do vereador rio-pretense Julio Donizete (PSD) de instituir gratuidade no transporte coletivo para pacientes transplantados e seus familiares teve um revés na Câmara. Parecer da Diretoria Jurídica do Legislativo afirma que o projeto é inconstitucional e que poderia

resultar em reajuste na tarifa de ônibus.

 Sanciona - O governo estadual sancionou lei que prevê o aumento de repasses para as santas casas paulistas. A norma, aprovada na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), prevê um incremento de 25% para os hospitais, o que representa um recurso extra total de R$ 1,2 bilhão.

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por