SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | SEGUNDA-FEIRA, 29 DE NOVEMBRO DE 2021
ECONOMIZE

Confira pesquisa de preços com 102 produtos em 11 supermercados de Rio Preto

Veja dicas de especialista em economia e saiba como driblar a inflação nos supermercados

Da Redação
Publicado em 21/10/2021 às 22:59Atualizado em 22/10/2021 às 08:35
 (Belisário/Editoria de Arte)

(Belisário/Editoria de Arte)

Seção exclusiva para assinantes. Assine para ter acesso ilimitado.

Já sou cadastrado.

Quero ter acesso ilimitado.

ECONOMIZE

Confira pesquisa de preços com 102 produtos em 11 supermercados de Rio Preto

Veja dicas de especialista em economia e saiba como driblar a inflação nos supermercados

Da Redação
Publicado em 21/10/2021 às 22:59Atualizado em 22/10/2021 às 08:35

(Belisário/Editoria de Arte)

Os efeitos provocados pela pandemia de Covid-19 no Brasil influenciaram todo o setor econômico. A inflação acumulada, segundo o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) chegou à faixa dos 10,25% em outubro e o consumidor sentiu no bolso os efeitos nos supermercados.

Com tantos aumentos, pelo menos 85% dos brasileiros diminuíram o consumo de algum item durante a pandemia, segundo dados de uma pesquisa realizada pelo Datafolha. Assim, a palavra economia, que já fazia parte da rotina, ficou cada vez mais presente no dia a dia do consumidor.

O economista Hipólito Martins Filho explica que as pesquisas de preço são o principal ponto na hora de economizar. “Comparar preços em sites e em jornais pode promover uma economia de até 50%”.

Na pesquisa desta sexta-feira, 22, o Diário cotou o preço de 102 produtos em 11 mercados de Rio Preto. A variação total de preços foi de R$ 281,31.

O destaque ficou para o arroz branco tipo 1 que, após meses em alta, está com o preço em queda. Em comparação com a pesquisa publicada no dia 1º de outubro, o produto foi encontrado no maior valor por R$ 28,90 e no menor valor de R$ 23,90. Nesta semana, a mesma marca foi vendida por R$ 26,19 no maior valor e por R$ 23,28 no menor, representando uma diferença de R$ 2,71 e R$ 0,68, respectivamente.

Além das pesquisas, o Diário separou dicas que podem auxiliar o consumidor na hora de fazer as compras:

Procure os dias de feirinha: boa parte dos supermercados possui dias onde frutas, verduras e legumes entram em promoção. O mesmo vale para os dias de açougue, quando os valores das carnes ficam mais baratos. Aproveitar essas ofertas pode promover uma economia de 15% a 20% para o consumidor.

Opte por produtos de época: quando um produto tem uma boa safra, os preços costumam cair. Escolher os produtos da estação, além

de impactar positivamente a saúde física, também promove a saúde financeira.

Compre produtos de marca própria: hoje, as principais redes de supermercados investem em produtos próprios como forma de fidelizar o consumidor. A tática vem acompanhada de preços baixos, que podem representar uma diferença de até 25% nas compras se comparado ao valor das principais marcas do mercado.

Criar um cardápio semanal: ter uma noção dos produtos que vai precisar ao longo da semana é uma ótima forma de se planejar para economizar. Criar uma lista com os itens que precisa na hora de ir às compras é essencial e evita gastos desnecessários.

Faça o cálculo entre distância e preço: com os aumentos no valor dos combustíveis, nem sempre compensa ir em mais de um supermercado para comprar apenas um ou dois itens. Essa tática ainda é bem-vinda quando a economia for maior do que o gasto com a locomoção. Por isso, durante as pesquisas de preço busque ir aos supermercados com as melhores promoções, mas evite ir às unidades que ficam longe de casa.

Evite compras pela internet: com a pandemia, os mercados fecharam as portas diversas vezes e foi necessário fazer compras por delivery. Hoje, as principais redes ainda oferecem essa modalidade, mas nem sempre compensa para o consumidor optar por esse meio devido à taxa de entrega e da porcentagem cobrada pelos aplicativos. “O ideal é ir ao mercado presencialmente, pois assim o cliente pode encontrar produtos alternativos mais baratos, de outras marcas”, completa o economista Hipólito Martins Filho.

Fuja dos cartões de crédito das lojas: a opção de pagar a prazo é nociva e dá ao consumidor a impressão de tem condições financeiras para comprar mais do que pode, incluindo produtos que não precisa. Quando a conta chega no final do mês, o risco de entrar no crédito rotativo (pagando apenas uma parte da fatura) é alto e cria dívidas que podem se prolongar por anos.

Compre junto com familiares, vizinhos ou amigos: com a popularização dos atacarejos, é fácil encontrar promoções que dão bons descontos na compra de várias unidades de um mesmo produto. Comprar junto com pessoas próximas permite aproveitar melhor essas ofertas e assim, a economia na hora do pagamento é maior.

Clique aqui para ver tabela de preços de cesta básica

Clique aqui para ver tabela de preços de produtos de supermercados e atacarejos

(Colaborou Lucas Amancio)

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por