SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUINTA-FEIRA, 27 DE JANEIRO DE 2022
ARTIGO

Recessão

Ary Ramos da Silva Júnior
Publicado em 30/11/2021 às 23:09Atualizado em 01/12/2021 às 10:20
Ary Ramos da Silva Júnior

Ary Ramos da Silva Júnior

Seção exclusiva para assinantes. Assine para ter acesso ilimitado.

Já sou cadastrado.

Quero ter acesso ilimitado.

ARTIGO

Recessão

Ary Ramos da Silva Júnior
Publicado em 30/11/2021 às 23:09Atualizado em 01/12/2021 às 10:20

Ary Ramos da Silva Júnior

A pandemia está reestruturando todos os setores econômicos e produtivos, criando novas oportunidades e, ao mesmo tempo, novos desafios, exigindo uma grande capacidade de construirmos um consenso político, novos projetos de crescimento econômico, destravando os investimentos produtivos, aumentando emprego e criando novas perspectivas positivas, fundamentais para a retomada da economia. A pandemia nos traz oportunidades e, infelizmente, não percebemos as oportunidades que estão aparecendo e estamos perpetuando mais mediocridade política e baixo crescimento econômico, que permeia a economia brasileira desde o começo dos anos 1980.

Neste momento, percebemos que a recuperação da economia está distante, os indicadores são ruins, a instabilidade política aumenta, os desajustes sociais crescem e, tudo isso contribui para gerar perspectivas negativas e o incremento da desesperança que domina a sociedade brasileira.

Os dados macroeconômicos estão preocupantes: as taxas de juros estão elevadas e tendem a aumentar mais, o câmbio desvalorizado pressiona os custos e aumenta os preços na estrutura produtiva, as incertezas fiscais persistem e as respostas do governo são frágeis e inconsistentes, o desemprego está elevado, a retração da renda é uma realidade cruel para grande parte da população, aumentando a degradação social e elevando a fome, que geram constrangimentos para as classes sociais mais fragilizadas, afetando mais de 20 milhões de brasileiros e deixam claro a ausência de um programa econômico consistente. Tudo isso contribui para que o clima de desconfiança aumente e postergue os investimentos produtivos, postergando a recuperação do emprego e vislumbrando ambiente mais favorável.

Ao mesmo tempo, a economia internacional vive momentos de grandes conflitos de hegemonias, antecipando confrontos geopolíticos entre os Estados Unidos e a China, visando o controle sobre a economia mundial pós-pandemia. Diante disso, percebemos que os governos atuam diretamente para proteger e fortalecer seus setores produtivos, despejando trilhões de dólares para estimular indústrias de semicondutores, inteligência artificial, 5G, biotecnologia, big datas, internet das coisas e impressão 3D, setores industriais que tendem a ser os grandes responsáveis para a economia do século 21.

Neste ambiente, a sociedade se encontra em grandes desafios para os próximos anos. Precisamos reencontrar o crescimento econômico e, ao mesmo tempo, repensar os instrumentos estratégicos mais consistentes para compreender os grandes desafios do século 21, criando espaços de atuação e de convivência política civilizada, retomar os princípios do planejamento do desenvolvimento econômico, retomando os investimentos públicos, retomando projetos e estimulando os investimentos da economia verde, utilizando as agências de fomentos nacional e internacional para dinamizar os investimentos que foram travados e fragilizando a recuperação dos setores produtivos, degradando os indicadores econômicos e conduzindo mais uma vez para um ano de recessão, mais desemprego, altos gastos necessários e queda na confiança dos setores produtivos que postergam os investimentos externos e internos.

Com o ambiente econômico que vislumbramos, a economia brasileira caminha para uma forte recessão nos próximos anos. Com taxas de juros em ascensão, o custo do crédito cresce de forma acelerada, elevando o endividamento das famílias e das empresas nacionais, aumentando as falências e a quebradeira dos setores produtivos, levando os grandes conglomerados econômicos internacionais a adquirirem grupos nacionais, elevando a desnacionalização da economia brasileira, fragilizando o centro de poder econômico nacional e transformando os grupos internacionais nos grandes responsáveis pelo crescimento econômico. Como estes não têm interesse em estimular o desenvolvimento econômico dos países, perpetuamos nossa dependência externa e postergamos nossa capacidade de construirmos nossa autonomia. Diante disso, percebemos, claramente, que o nosso subdesenvolvimento econômico não é destino, mas está diretamente ligado à nossa incompetência, nosso complexo de vira-latas, representado magistralmente pelo escritor Nelson Rodrigues.

Ary Ramos da Silva Júnior

Economista, Mestre, Doutor em Sociologia e professor universitário

 
Copyright © - 2021 - Grupo Diário da Região.É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Desenvolvido por
Distribuido por