SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | DOMINGO, 14 DE AGOSTO DE 2022
ARTIGO

O verdadeiro pote de ouro do arco-íris

Nossa expectativa é que tudo isso acelere mais essa mudança. Afinal, somos quase 8 bilhões de pessoas no mundo. 8 bilhões de orientações sexuais, de identidades e expressões de gênero

Diego Queiroz Machado
Publicado em 28/06/2022 às 01:26Atualizado em 28/06/2022 às 01:54
Diego Queiroz Machado (Reprodução)

Diego Queiroz Machado (Reprodução)

Seção exclusiva para assinantes. Assine para ter acesso ilimitado.

Já sou cadastrado.

Quero ter acesso ilimitado.

ARTIGO

O verdadeiro pote de ouro do arco-íris

Nossa expectativa é que tudo isso acelere mais essa mudança. Afinal, somos quase 8 bilhões de pessoas no mundo. 8 bilhões de orientações sexuais, de identidades e expressões de gênero

Diego Queiroz Machado
Publicado em 28/06/2022 às 01:26Atualizado em 28/06/2022 às 01:54

Diego Queiroz Machado (Reprodução)

A história de que havia um pote de ouro no final do arco-íris nunca me chamou a atenção. Mas, eu ficava alucinado com o fenômeno “Como era possível aquele arco enfeitar o céu?” Já adulto, o arco-íris ficou ainda mais fantástico quando passei a entender que sua “magia” era apenas ciência - refração e reflexão da luz do sol nas gotas de chuva.

A curiosidade me levou ao mundo da inovação. Decidi que a inovação seria a base não apenas da minha especialização, mas também o alicerce da minha carreira. Foi a inovação que me conduziu ao mundo da tecnologia e, hoje, à frente da gerência da Apeti (Associação dos Profissionais e Empresas de Tecnologia da Informação), tenho a chance de ver como a tecnologia está transformando o mercado, nossas relações e impactando o modo como vemos o mundo.

Por outro lado, assim como um arco-íris que surge quase transparente depois de uma garoa e vai aos poucos ganhando cor, algumas mudanças e inovações acontecem mais lentamente. É o que acontece, por exemplo, com o universo LGBTQIA+ no ambiente da tecnologia. Calma! Você não precisa saber de cor todas as letras dessa sigla. Mas entenda, o mercado está mudando. Respeitar, ser empático e entender todos os desafios que as pessoas dessa comunidade enfrentam no mercado de trabalho é urgente, essencial e necessário.

Segundo um estudo do Center for Talent Innovation, no Brasil, 61% dos profissionais LGBTQIA+ não revelam sua orientação sexual no trabalho e 49% não falam abertamente sobre o assunto. Outros dados dizem que 33% das empresas brasileiras não contratariam pessoas LGBTQIA+ para cargos de chefia e que, 41% das pessoas da comunidade já sofreram algum tipo de discriminação no local de trabalho relacionada à sua identidade de gênero.

Felizmente, as marcas que já decidiram mudar entenderam que esta atitude reflete diretamente nos resultados. E por sorte, quem ainda não encontrou o melhor caminho para inovar neste sentido pode contar com ajuda especializada. É o caso do projeto Todas as Letras, uma organização social que tem como objetivo incluir pessoas LGBTQIA+ especificamente no mercado de tecnologia e de empresas como a PipeFy que desenvolveu o programa de trainee para pessoas trans.

Além dessa, existem outras alternativas para todas as marcas que precisam de ajuda, como a Camaleao.co, uma plataforma digital que conecta profissionais LGBTQIA+ com negócios que valorizam a diversidade e a inclusão; a IT Consulting, consultoria de TI que concilia tecnologia e inclusão; e a TransEmpregos, projeto mais antigo de empregabilidade para pessoas trans.

O resultado dessas ações de diversidade são para oferecer uma melhor experiência para os usuários a quem construímos produtos, pois eles são diversos. Nossa expectativa é que tudo isso acelere mais essa mudança. Afinal, somos quase 8 bilhões de pessoas no mundo. 8 bilhões de orientações sexuais, de identidades e expressões de gênero.

Isso me faz lembrar que apesar de enxergarmos o arco-íris em formato de arco, se você estiver em um avião, verá que na verdade ele é um círculo completo. Sendo assim, os gestores, CEOs, diretores e empreendedores possuem uma responsabilidade que atinge a sociedade como um todo e principalmente os seus funcionários, a de proporcionar um local de trabalho onde todos não se sintam julgados, apontados ou vítimas de discriminação. Isso é um dever ético, que fortalece e acolhe todos aqueles que ainda se sentem distantes desse círculo.

Essa é a grande sacada da inovação, o verdadeiro pote de ouro da diversidade: cada um com seu jeito, sua forma, respeitando todas as nossas cores.

Diego Machado, Gerente Executivo e de Projetos da Apeti (Associação dos Profissionais e Empresas de Tecnologia da Informação)

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por