SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | DOMINGO, 22 DE MAIO DE 2022
ARTIGO

Enxaqueca e alimentação

Eduardo Silva
Publicado em 12/01/2022 às 16:56Atualizado em 19/01/2022 às 15:29
Eduardo Silva

Eduardo Silva

Seção exclusiva para assinantes. Assine para ter acesso ilimitado.

Já sou cadastrado.

Quero ter acesso ilimitado.

ARTIGO

Enxaqueca e alimentação

Eduardo Silva
Publicado em 12/01/2022 às 16:56Atualizado em 19/01/2022 às 15:29

Eduardo Silva

A enxaqueca ou cefaleia migrânea é uma síndrome multifatorial de disfunção neurológica (dor de cabeça unilateral, pulsátil, recorrente, com ou sem aura, fotofobia, fonofobia, náusea, vômitos). Os fatores associados ao desencadeamento da enxaqueca podem ser decorrentes de um ou mais gatilhos: genéticos, alimentos, distúrbios do sono, emocionais (estresse, ansiedade), sedentarismo, odores, luz e telas de aparelhos eletrônicos, sons, poluentes, fadiga, bebidas alcoólicas, ciclo menstrual, calor/frio/clima, drogas/medicamentos, inflamações/infecções.

De acordo com a Associação Britânica de Cefaleia, um alimento pode ser um fator facilitador de enxaqueca nas seguintes condições: o início ocorre até 6 hs após a ingestão, toda vez que for introduzido o alimento ocorre a crise e a retirada do alimento melhora ou desaparece a dor. Os fatores relacionadas aos alimentos como possíveis gatilhos para o desencadeamento de enxaquecas (pró-inflamatórios ou o efeito de dilatar ou contrair os vasos da circulação cerebral), são: jejum, desidratação, hipoglicemia, álcool (vinho tinto, cerveja, uísque), chocolate e cacau, leite, iogurte, queijos maturados, glúten (farinha de trigo, centeio, cevada), cafeína (café, chás verde, preto, mate, refrigerantes, energéticos), carnes processadas e embutidos (salsicha, salame, mortadela, presunto), peixes em conserva (sardinha), frutas secas (figos, uva passa, tâmaras), carboidratos (açúcar, amido), frutos do mar, hortaliças (repolho fermentado, vagem, ervilha, cebola, alho, cogumelos), frutas cítricas, papaia, ameixas vermelhas, bananas maduras, sorvete e bebidas geladas, aditivos e molhos prontos (mostarda, ketchup, de soja), glutamato monossódico (enlatados, conservas, macarrão instantâneo), adoçantes aspartame e sucralose, corantes, conservantes, edulcorantes, alimentos armazenados em temperatura inadequada e por tempo prolongado.

Os alimentos que podem auxiliar na melhora da enxaqueca são: os que contém ômega 3, (peixes gordos de águas frias, profundas e frescos), sementes de chia, linhaça, abóbora e gergelim, frutas frescas (banana, mamão, pera, maçã, abacate, kiwis, manga), cereais integrais (arroz, quinoa, aveia), carnes magras, vegetais frescos (alface, tomate, chuchu, alcachofra, espinafre, abóbora, quiabo), leguminosas (feijão, lentilha e grão de bico), oleaginosas (castanhas, amêndoas, amendoim), tubérculos (batata, batata-doce, inhame), gengibre, couve, canela, orégano, cravo, chás (lavanda, maracujá, erva-cidreira); e os suplementos de ômega 3, coenzima Q 10, ácido alfa lipóico, magnésio, curcumina, riboflavina, fosfato piridoxal. Deve-se atuar para evitar, prevenir, remediar, cuidar e mudar os hábitos para o controle e erradicação da enxaqueca, através de melhores estratégias, entre elas a nutricional.

Eduardo Silva, Neurocirurgião e Coach

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por