Uma série para ser degustada em famíliaUma série para ser degustada em família

A psicóloga Vanilda L. Souza Tanios, que coordena o projeto "Incontros", que são rodas de conversas que reúnem psicologia, arte, cultura, ciência e filosofia para promover o bem-estar físico e mental, afirma que "Anne With an E" é muito atual em sua narrativa e aborda temas sociais importantes. Para ela, assistir séries como está é importante porque o contato com a arte e

leva as pessoas a conhecerem mais o humano. "E conhecendo mais o humano, nos autoconhecemos. Assim, percorremos esta série que tão intensamente nos remete ao olhar para a família, gênero, raça, classe, preconceito, bullying, adoção, resiliência, infância, enfim, a sociedade."

A psicóloga afirma que Anne, mesmo depois de ficar órfã aos três meses, passar por vários orfanatos, ser entregue a famílias ainda criança para a exploração do trabalho infantil, ser exposta a maus tratos e abusos físico e psíquico, apresenta a paixão pelos livros como uma sobrevivência e enriquecimento da criatividade e inteligência. A conquista de uma família tão desejada por Anne também merece destaque na trama, que emociona ao abordar questões como aconchego, proteção e aprendizado que envolve a família e transmissão de valores e princípios. "Hoje, vivendo as mudanças decorrentes da pandemia mundial, a família também precisou se rever e administrar novos ritmos. Aí nos deparamos com Anne, com sede de amor, de convívio, de proteção, de troca. Sim, de troca, pois ela tem muito a oferecer com a riqueza adquirida nos livros, somada à sua sensibilidade, inteligência e sinceridade. Uma série para ser degustada em família."

Anne também apresenta a dor do enfrentamento ao bullying e à rejeição, ao mesmo tempo em que ensina que toda criança tem direito e precisa de adultos presentes, amorosos e inclusivos para direcioná-las. "Na série, as mães progressistas apresentam claramente a incoerência ao que propunham quando inicialmente discriminaram Anne e sua mãe, tal como as crianças, suas filhas estavam repetindo. Que sociedade desejamos?", questiona Vanilda.