Jane Ferrari exercita a liberdade em mostra no Riopreto Shopping

ARTES VISUAIS

Jane Ferrari exercita a liberdade em mostra no Riopreto Shopping

Em 'Liberdade', artista plástica de Rio Preto apresenta suas criações em torno do action painting e da cultura japonesa


Jane Ferrari diz se sentir livre na criação com o action painting
Jane Ferrari diz se sentir livre na criação com o action painting - Ricardo Boni/Divulgação

Conhecida por sua pesquisa em torno da aquarela, técnica da pintura que tem a casualidade e a fluidez como principais características, Jane Ferrari, de Rio Preto, potencializa a naturalidade que marca sua identidade artística por meio do action painting, também conhecido como gestualismo. Nessa técnica, que surgiu nos Estados Unidos nos anos 1940, a pintura não apresenta esquemas prévios, nascendo a partir do gesto pictórico do artista. "A base dessa técnica é a liberdade que o artista possui para liberar emoções enquanto executa a obra de arte", diz ela, que apresenta obras criadas a partir dessa casualidade criativa na exposição "Liberdade", em cartaz no Riopreto Shopping Center.

Em sua incursão nesse universo das artes visuais, Jane se deparou com o uso feito do action painting por artistas japoneses, que fazem sucesso na internet com vídeos em que uma obra nasce de forma fluída a partir dos gestos do executor com a tinta sobre o papel. "Gosto do trabalho oriental, do modo como os japoneses pintam. Na cultura japonesa, a própria caligrafia é uma pintura. As crianças aprendem desenhar as letras com pinceis. Essa coisa do movimento, que tem muita relação com a dança, com a música, é algo que me encanta muito", comenta.

Em sua experiência criativa, Jane recorre ao papel digital e a tinta usada em impressora, utilizando um pedaço de cartão de crédito, bico de pena ou uma pequena espátula para dar vazão para suas emoções. "O papel digital não absorve a água tão rápido, o que me permite deslizar a tinta sobre ele. E não há esboço nenhum, cada criação nasce naquele momento. Para isso, crio o ambiente ideal, com uma música, um clima para poder deixar as emoções fluírem naturalmente", conta.

O equilíbrio entre as cores é outro aspecto marcante na obra de Jane, que tem apenas quatro cores como opção, já que usa a tinta de impressora: magenta, cian, amarelo e preto. "Faço a diluição dessas tintas para obter outras cores. Por isso, não posso usar mais de duas cores além do preto em cada obra, pois ao deslizar, essas cores podem se misturar, ficando apenas um marrom ou um preto", explica.

"Liberdade" é a terceira das sete exposições preparadas pelo Núcleo de Economia Criativa da Acirp (Nec) e fica em cartaz no Riopreto Shopping até o dia 28 deste mês, respeitando os protocolos de segurança sanitária para evitar a covid-19.