Tatuador de Rio Preto se redescobre por meio da pintura de telas

ARTES VISUAIS

Tatuador de Rio Preto se redescobre por meio da pintura de telas

Júnior Sanchez Silva Mota em levado cada vez mais os seus traços e suas cores da pele para a tela, pintando principalmente na madeira


Sanchez Júnior Silva Mota 
com algumas de suas telas
Sanchez Júnior Silva Mota com algumas de suas telas - Divulgação

Atuando como tatuador profissional em Rio Preto há seis anos, Júnior Sanchez Silva Mota tem levado cada vez mais os seus traços e suas cores da pele para a tela. Desde 2018, ele passou a se dedicar à pintura, arte que acabou se potencializando com o distanciamento social imposto pela pandemia da Covid-19. Para divulgar sua produção artística, criou um perfil no Instagram (@sanchezjunior7) em que assina como Art Sancho, nome que representa a sua faceta de pintor.

"Essa incursão na pintura foi meio por acaso. Minha namorada [Gabriela Lombardi] queria um quadro com a figura de Dom Quixote. E decidi pintar para ela, assim, sem pretensão nenhuma. A partir disso, os amigos começaram a pedir telas, quando vi já estava envolvido com a pintura", conta Mota, que atualmente tem se dedicado mais a pintar na madeira e em suportes alternativos, como shape de skate.

Em suas criações, o tatuador e artista visual gosta de experimentar com diferentes materiais de pintura. Já criou com tinta a óleo, guache e caneta Posca. "Também recorro ao verniz, principalmente quando pinto com guache, pois a pintura tende a ficar craquelada com o tempo. O aspecto envernizado dá um visual legal para a tela", diz.

Sobre a possibilidade de realização de uma exposição após a pandemia, Mota declara que ainda está se encontrando na pintura. "Uma exposição pode ser uma consequência bacana desse meu trabalho. Mas o que quero agora é criar, sem limitações ou grandes pretensões. Como estou fazendo muita coisa para amigos, posso ousar mais na criação. Estou muito contente com o resultado."