Sesc Catanduva dá espaço para a nova geração da dança

DANÇA

Sesc Catanduva dá espaço para a nova geração da dança

Realizado pelo Sesc desde o ano passado, projeto 'Corporifique' fomenta a dança catanduvense dando espaço para artistas da nova geração criarem solos


Igor Moura em 'Espectro', um dos frutos do projeto 'Corporifique', do 
Sesc Catanduva
Igor Moura em 'Espectro', um dos frutos do projeto 'Corporifique', do Sesc Catanduva - Divulgação

Aos 21 anos, dos quais seis são dedicados à dança, o jovem Igor Moura, de Catanduva, viveu sua primeira experiência como dançarino profissional por meio do Sesc de sua cidade. Ele protagoniza o solo "Espectro", cujo vídeo da coreografia está disponível no Facebook desde a semana passada. O solo é fruto de um trabalho de orientação feito por Eduardo Menezes, diretor do coletivo Le Cousa Contemporânea, de Barueri. "Foi o primeiro contrato profissional que assinei", comemora ele, que é um dos artistas da nova geração da dança catanduvense a participar do projeto "Corporifique", que vem sendo realizado pelo Sesc desde o ano passado.

"O projeto foi concebido para contribuir com bailarinos e bailarinas de Catanduva em início de carreira. Artistas de diferentes estilos foram convidados para criar solos a partir da orientação feita por um profissional da dança de sua escolha. Esses orientadores vieram até o Sesc Catanduva, e, além da orientações para os solos, também realizaram oficinas para o público em geral", explica Larissa Corá, coordenadora de programação do Sesc Catanduva.

Segundo ela, além do trabalho de orientação, o Sesc proporcionou aos artistas participantes do "Corporifique" as mesmas condições de trabalho dadas aos profissionais da dança que são contratados pela unidade. "Nosso objetivo foi dar a mesma estrutura que damos a todo artista profissional contratado. Ou seja, os participantes do projeto também puderam se inteirar desse ambiente profissional, entendendo como se faz um projeto, como funciona os tramites legais de contratação, entre outros aspectos ", pontua.

O "Corporifique" contou com a participação de oito artistas da dança de Catanduva, que vêm apresentando seus solos desde o ano passado. Infelizmente a pandemia da Covid-19 impediu que Moura apresentasse "Espectro" de forma física, como vinha sendo feito anteriormente pelo projeto. O distanciamento social também exigiu adaptações para o ambiente virtual no solo de João Victor Angelo, intitulado "Opus", que fechará a programação de apresentações do "Corporifique" neste mês.

Para Moura, o formato em vídeo enriqueceu a encenação de "Espectro". "Há detalhes que puderam ser mais valorizados no vídeo. Consegui inserir coisas que não dariam para ser feitas no formato físico", conta. "Eu nunca tinha vivido uma experiência de videodança. Não tinha a menor ideia de como essa transição para o vídeo seria feita. Confesso que deu um nó na cabeça [risos]", acrescenta.

Em "Espectro", Moura traz para a cena o enfrentamento de transtornos mentais como a depressão, tendo sua vivência pessoal como matéria-prima de criação. "É um assunto que as pessoas não gostam de falar e que é ainda é alvo de preconceito nas redes sociais. A depressão é algo tratável, mas não curável. Como todos os solos nasceram das vivências pessoais de cada participante do projeto, quis colocar o assunto em pauta", comenta.

A coordenadora de programação do Sesc Catanduva diz que existe a intenção de dar continuidade ao "Corporifique". Uma das propostas seria o encontro desses oito artistas em uma obra coletiva, mas isso ainda depende dos desdobramentos da pandemia. "Nossa intenção também é que esses artistas vivenciem todos os processos relacionados à construção de um espetáculo de dança. Queremos realizar oficinas específicas voltadas para aspectos como iluminação, cenografia e maquiagem. No entanto, não sabemos ainda se isso será possível ainda em 2020", explica Larissa.

Me Ajude com o Nome?

  • Com André Perosa. Orientado por Henrique Rodovalho (Quasar Cia. de Dança)

Abomalê

  • Com Diego Neves. Orientado por Zebrinha (Balé Folclórico da Bahia)

Assinado Eu?

  • Com Guilherme Brito. Orientado por Andreia Pivatto (Divida Dança)

Sagrado Feminino SacréFéminin

  • Com Malu Oliveira. Orientada por Luiz Fernando Bongiovanni (Núcleo de Pesquisa Mercearia de Ideias)

Luz e Sombra

  • Com Maju Pereira. Orientada por Fran Manson (Sigma Cia. de Dança)

EVA

  • Com Letícia Barbosa. Orientada por Ricardo Scheir (Pavilhão D. Centro de Artes)

Espectro

  • Com Igor Moura. Orientado por Eduardo Menezes (Le Cousa Contemporânea)

Opus

  • Com João Victor Angelo. Orientado por Regina Sauer (Centro de Artes Nós da Dança)