Camerata Villa-Lobos, de Votuporanga, grava com coral italiano

Conexões musicais

Camerata Villa-Lobos, de Votuporanga, grava com coral italiano

Produzindo vídeos desde o início da pandemia, Camerata Villa-Lobos, de Votuporanga, encontrou com o coral italiano Castel Penede graças aos recursos do ambiente online


Os integrantes da Camerata Villa-Lobos em apresentação feita em novembro de 2019
Os integrantes da Camerata Villa-Lobos em apresentação feita em novembro de 2019 - Fotos: Divulgação

Os recursos oferecidos pelo ambiente online - que se tornou o único palco possível em tempos de pandemia - representam uma série de desafios para artistas de diferentes linguagens. Por outro lado, possibilitam encontros que seriam difíceis de serem estabelecidos no antigo normal. E um desses inusitados encontros ocorreu em Votuporanga, a terra natal da Camerata Villa-Lobos, que reúne instrumentistas profissionais e recém-formados da Escola Municipal de Artes.

Desde o início do período de distanciamento social imposto pela Covid-19, a camerata, que é regida pelo maestro Mazinho Sartori, cumpre uma rigorosa agenda de encontros virtuais, resultando em vídeos que são compartilhados semanalmente no Youtube (Camerata Villa-Lobos Votuporanga), Facebook e Instagram (@villalobosacav).

E um desses encontros atravessou o Atlântico, unindo os instrumentistas da Villa-Lobos com as vozes do coral italiano Castel Penede. O vídeo da interpretação de uma canção popular italiana, que reuniu cerca de 50 instrumentistas e cantores, está em fase de edição e deverá ser compartilhado até o final deste mês.

"Estamos caminhando para a nossa 18ª semana de encontros virtuais, explorando um repertório mais eclético possível. Tem sido trabalhoso em inúmeros sentidos, pois cada instrumentista grava sua participação diretamente de casa, tendo como recurso apenas a câmera do celular. Por outro lado, o nível de satisfação é imenso, pois estamos contribuindo com a sociedade em um momento bastante delicado, sendo a música um consolo para as angústias geradas por essa pandemia", comenta Sartori.

A parceria entre a Villa-Lobos e o Castel Penede deu-se por meio do instrumentista e regente Carlo Giuliani, que é filho do fundador do coral italiano e é casado com uma votuporanguense, Adriana Ilho. Em uma de suas visitas anuais a Votuporanga, Giuliani teve a oportunidade de conhecer Sartori, tornando-se uma espécie de integrante honorário da camerata.

"Conheci Mazinho [Sartori] há dois anos, e ele me ajudou a voltar a tocar flauta. No período de três meses que fiquei em Votuporanga, ele foi generoso em me incluir na orquestra da Escola de Artes. Ainda tive a oportunidade de realizar algumas palestras na cidade", conta Giuliani, que já atuou como regente do Castel Penedo, posto que é ocupado hoje por seu irmão, Lucca Giuliani.

Em todos os vídeos compartilhados pela Villa-Lobos, Giuliani tem participado como flautista. "Mazinho tem muita vontade de ensinar. Vejo nele o meu pai, que foi maestro de banda, orquestra e coro, cultivando um grande amor pela música", reforça Giuliani, em entrevista concedida ao Diário da Região via WhatsApp.

Para Sartori, a experiência estabelecida no ambiente online terá reflexos positivos no trabalho da camerata após o fim da pandemia. "Os encontros servem para manter os integrantes da Villa-Lobos unidos, reforçando a sintonia e o espírito coletivo. Tenho certeza que isso vai se estabelecer de uma forma potente quando voltarmos aos palcos", reflete.

O maestro destaca que um dos objetivos da camerata, que foi criada no ano passado, é abrir mercado de trabalho para os instrumentistas de Votuporanga, e isso vinha sendo concretizado antes do início da pandemia. "Estávamos mantendo uma agenda pontual de apresentações em eventos de diferentes tipos, além do patrocínio que conseguimos da Unifev. Vamos restabelecer esse trabalho quando a pandemia passar."