LITERATURA

A poesia de Fel Noites ganha seu segundo livro

'Carentena', que está em pré-venda no site da Lenice Garcia Editora, fala de carência e, claro, de amor


O poeta Fel Noites com o seu primeiro livro, 'Desculpe o Drama'
O poeta Fel Noites com o seu primeiro livro, 'Desculpe o Drama' - Camila Beatriz/Divulgação

Antes de ocorrer a pandemia do novo coronavírus (Covid-19), o poeta rio-pretense Fel Noites, de 20 anos, vinha preparando seu segundo livro, com versos que exploram sentimentos como carência, dependência e insuficiência. Eis que o distanciamento social deixou esses sentimentos aflorados, fazendo surgiu novos poemas. E esse momento delicado da humanidade acabou influenciando o título da obra, "Carentena", que está em pré-venda no site da Lenice Garcia Editora, responsável pela publicação.

O período de pré-venda segue até esta quinta-feira, 21. "Preciso vender antecipadamente 18 exemplares para poder custear a impressão do livro", explica ele, que se descobriu poeta durante as aulas de Literatura do ensino médio. "Na sala de aula, tivemos que fazer um trabalho com poesia. Acabei me identificando e não parei mais", conta o jovem poeta, que já conta com uma obra publicada, "Desculpe o Drama", e tem material para lançar mais seis livros. 

Segundo Fel Noites, "Carentena" reúne 100 poemas de sua autoria. E claro que eles também falam de amor, esse sentimento tão necessário em momentos como esse, que convida as pessoas para o exercício da solidariedade. "Boa parte dos poemas já estava pronta antes da quarentena. Mas acabei produzindo coisas novas durante esse período de distanciamento social."

Para ele, o momento não está sendo produtivo em termos criativos. "Não curto o confinamento, e gosto de escrever em um ambiente de paz. Estou aproveitando esse período para revisar os livros que pretendo lançar", conta.

Na pré-venda, o exemplar de "Carentena" pode ser adquirido por R$ 33,50. Depois disso, ele também estará disponível nos sites das principais redes de livrarias do País.

 

 

Reprodução

na televisão eu vejo um aviso

sobre o iminente perigo

de um coração exposto

à sentimentalização excessiva

incrédulo, eu me permito ceder

e aos poucos me deixo te conhecer

em uma semana a tua ausência já me faz falta

em um mês, a tua ausência me acaba

em três meses, a gente se casa… calma!

doutor, eu preciso URGENTEMENTE de um atestado

porque eu tenho todos os sintomas de um…

aiai, apaixonado

(quando a quarentena

finalmente acabar

o seu abraço é

o único lugar

no qual eu quero

me isolar)