BEM-ESTAR

Como manter a saúde emocional em meio à pandemia

O neurocirurgião Eduardo Silva e a psicóloga Karina Younan participaram de uma live do Diário sobre saúde mental em tempos de pandemia


Especialistas ressaltam a importância de atividades simples, como meditação e respiração
Especialistas ressaltam a importância de atividades simples, como meditação e respiração - Freepik/Banco de imagens

O medo, a tensão, a raiva e o desespero são sentimentos que muitas pessoas estão tendo em meio a pandemia do coronavírus. Mas será que é possível pensar em bem-estar em um período como esse? Não é só possível, como essencial para manter a qualidade da saúde emocional das pessoas. Fazer com que esses sentimentos não dominem todos os pensamentos e ações é uma tarefa diária que requer disciplina e paciência. A frase 'se cada um fizer a sua parte, teremos um mundo melhor' nunca fez tanto sentindo quanto neste momento.

O neurocirurgião Eduardo Silva e a psicóloga Karina Younan participaram de uma live do Diário sobre saúde mental em tempos de pandemia e exemplificaram como é possível manter o equilíbrio das emoções e o quanto uma pessoa é importante para a outra. Segundo Eduardo, o importante é que as pessoas mantenham uma rotina. "A todos nós, inclusive profissionais da saúde, se a gente começar a pensar muito em negatividade, isso desencadeia um processo de nos levar a entrar num mundo de introspecção negativo. Na minha opinião, é manter a rotina, atividade física, alimentação, meditação todos os dias", afirma.

Karina recomenda que as pessoas não foquem em apenas coisas ruins. Os especialistas afirmam que o mundo passa por um período de conexão com o interior. Algumas pessoas conseguem filtrar as coisas ruins, outras não. "É preciso fazer uma autoavaliação. Existem as pessoas que estão com muita preocupação e a que está em pânico. Se eu tenho preocupação com a minha saúde, com meus familiares, como posso aproveitar esse tempo? (Fazendo) atividades físicas, boa alimentação, cursos pela internet. Usar esse tempo para calma e lazer", ressalta.

Karina também afirma que a saúde emocional também mexe com a imunidade. O neurocirurgião Eduardo Silva explica que a partir do momento que negligencia uma situação a pessoa está correndo risco. No caso de uma pandemia, corre o risco de ser contaminada. A partir do momento que a pessoa fica ansiosa, assustada, você acaba comprometendo o sistema imune.

"(Quando a pessoa) Metaboliza uma comida saudável, usufrui dos nutrientes. Quando metaboliza essas informações negativas, isso vai propiciar uma inundação no cérebro. A partir desse momento, o antídoto: todas vez que estiver em contato com informações que te deixam com ansiedade, tristeza, raiva, ódio, vergonha, muda o polo. Começa a agradecer, dizendo sinto muito, me perdoe, obrigado, eu te amo. Mentalmente ou verbalmente a sua substância filtra coisas pró-ativas. Isso é uma condição de podermos fazer."

Para conseguir manter o equilíbrio e bem-estar é essencial que as pessoas reflitam sobre o que é importante e o que deve cuidar. De acordo com a psicóloga, é preciso cuidar de si mesmo para ser um braço de auxílio para outras pessoas. "Levar máscara para um amigo que ainda está se recusando é melhor do que fazer um desabafo crítico no Facebook. Propor soluções, usar energia mental para fazer boas coisas. O que pode extrair de muito bom. Mantenham o bem-estar", finaliza.