Rio Preto chega a 642 mortes pela Covid

PANDEMIA

Rio Preto chega a 642 mortes pela Covid

Outros seis municípios da região confirmaram óbitos pela doença


Coronavírus
Coronavírus - unsplash

A Secretaria de Saúde de Rio Preto confirmou nesta sexta-feira, 9, mais quatro mortes por Covid-19 e 164 casos da doença, sendo a maioria por teste PCR (o exame do cotonete, que aponta que a infecção está em sua fase aguda). A taxa de mortalidade está em 2,7%.

A positividade dos casos leves está aumentando, o que aponta que o vírus está circulando com mais intensidade. Na última semana, a cada cem exames, 28,2% tiveram resultado positivo para coronavírus; nesta semana, o índice subiu para 36%.

"Se as regras não forem obedecidas, vai aumentar novamente, isso é que nem um mais um é igual a dois, disse o secretário de Saúde, Aldenis Borim, durante live.

Ele voltou a pontuar que o aumento de casos leves de Covid-19 vai impactar na quantidade de casos graves, as chamadas síndromes respiratórias agudas graves (SRAG), que já acometeram 2.520 (10,5%) do total de 23.786 contaminados, e também no número de mortes.

A média móvel (soma da quantidade de casos notificados confirmados nos últimos sete dias, dividida por sete) no dia 1º de outubro estava em 185, uma leve elevação em relação a dias anteriores. No dia 9 de outubro, ainda antes do fim da semana epidemiológica, a média móvel era de 116 casos por dia, em média, porém mais notificações ainda poderiam ser inclusas. Borim comentou que o Comitê Gestor de Enfrentamento ao Coronavírus não acha que a situação está confortável. "Não continuou subindo, entrou em um platô, mas um platô de 116 casos por dia é alto", considerou.

O médico exibiu durante a live dados que mostram o crescimento do número de mortes, entre todos os tipos de causas em Rio Preto. A média de mortes registrada de 2017 a 2019 foi de 303 mortes de rio-pretenses em julho; 295 em agosto e 289 em setembro. Esses números saltaram para 486, 468 e 365, aumentos de 61%, 58% e 26%, respectivamente.

Borim lembrou que o único diferencial de 2020 foi a pandemia. "Você teve menos acidentes que levam à morte, menos movimentação, menos carro e pessoas na rua, a Covid é a grande responsável por esse aumento de mortes na cidade", afirmou.

Além de Rio Preto, seis cidades da região confirmaram mortes por coronavírus: Fernandópolis (três), Novo Horizonte (três), Jales (duas), Votuporanga, Pindorama e Catanduva (uma cada).

(Colaborou Ingrid Bicker)

A Saúde anunciou durante live nesta sexta-feira, 9, mudança no protocolo de velórios e enterros de pessoas que tiveram óbito confirmado ou suspeito para Covid-19, mas que estejam fora do período de infectividade/transmissibilidade. De acordo com o secretário, Aldenis Borim, a pasta entende a dor dos familiares, que não podem olhar uma última vez para se despedir de quem se foi.

A partir de agora, a pessoa que vier a óbito e tiver apresentado os primeiros sintomas há pelo menos dez dias e que o exame PCR (que rastreia o vírus) der negativo ou aquele que teve os sintomas há mais de 20 dias e já está fora do isolamento, mesmo que internado, poderá ser avaliado pelo médico se está fora do período de infectividade.

Se o profissional decidir que não há mais risco de transmissão, será dispensada a exigência de colocar o corpo em saco plástico e caixão fechado, e o velório poderá transcorrer normalmente. A responsabilidade por declarar que não há mais riscos será do serviço de saúde.

A Saúde também anunciou que as unidades básicas de saúde Vetorazzo e Vila Mayor vão voltar à sua rotina, deixando de atender os pacientes com sintomas respiratórios - esse tipo de atendimento permanece sendo feito nas unidades Anchieta, Estoril, Caic/Cristo Rei, Lealdade/amizade, Santo Antônio e Solo Sagrado. Outros agravos, que não respiratórios, não serão atendidos.

As Unidades de Pronto Atendimento (UPA) Jaguaré e Santo Antônio continuam servindo para internação dos pacientes moderados e graves de Covid-19 - casos leves e moderados também ficam hospitalizados na UBSF Anchieta.

A UPA Vila Toninho atende pacientes com sintomas respiratórios e outros agravos, pois é mista e tem duas alas diferentes. As UPA Norte e Tangará não atendem pacientes com sintomas respiratórios. (MG)

Departamento Regional de Saúde (DRS) de Rio Preto até 8/10/2020 (inclui 102 cidades)

Ocupação de leitos na DRS

  • Enfermaria: 51,5%
  • UTI: 59,8%
  • 120 novas internações

no dia 8/10 Ocupação de leitos no Estado

  • Enfermaria: 33,5%
  • UTI: 43,4%

Internações de pacientes de Rio Preto em 8/10

  • 356 pacientes
  • Enfermaria: 219
  • UTI: 137

Hospitais de Rio Preto

Hospital de Base (inclui pacientes da região)

  • Enfermaria (195 vagas): 124 pacientes (63,5% de ocupação)
  • UTI (145 vagas): 103 pacientes (71,0% da ocupação)

Hospital da Criança

  • Enfermaria (30 vagas): 0 paciente
  • UTI (14 vagas): 2

Santa Casa

  • Enfermaria (59 vagas): 38 pacientes (64,4%)
  • UTI (51 vagas): 44 pacientes (86,2%)

Hospital de Jaci

  • UTI (dez vagas): 5 pacientes
  • Enfermaria (22 vagas): 8 pacientes

UPA Jaguaré

  • UTI (30 vagas): 18 pacientes
  • Enfermaria (15 vagas): 15 pacientes

UPA Santo Antônio

  • UTI (8 vagas): 2 pacientes

UBS Anchieta

  • Enfermaria (20 vagas): 14 pacientes