Moradores reclamam de pombas em marquise da UPA Jaguaré, em Rio Preto

RECLAMAÇÃO

Moradores reclamam de pombas em marquise da UPA Jaguaré, em Rio Preto

A maior preocupação é com o risco de transmissão de doenças respiratórias e alergias transmitidas pelas aves


Teto na entrada da UPA está com presença de pombas: local recebe as ambulâncias
Teto na entrada da UPA está com presença de pombas: local recebe as ambulâncias - Marco Antonio dos Santos 6/10/2020

Usuários da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Jaguaré reclamam da infestação de pombos na marquise de parada de ambulâncias. A maior preocupação é com o risco de transmissão de doenças respiratórias e alergias transmitidas pelas aves, principalmente porque a unidade está recebendo pacientes com suspeita ou confirmação de coronavírus.

As pombas fizeram ninhos na marquise da parada das ambulâncias. Além de penas espalhadas, elas chegam a defecar na estrutura e a sujeira atinge o piso.

O Diário flagrou três aves na manhã desta terça-feira, 6, enquanto funcionários da ambulância faziam a higienização dos equipamentos do veículos.

Um dos moradores que denunciaram a sujeira afirma que ficou assustado com a quantidade de pombas e a sujeira deixada pelas aves.

"Trouxe meu pai com 90 anos aqui com sintomas de Covid e fiquei assustado com o que vi. Isso é um risco para a saúde dos pacientes", diz o morador.

Por meio de nota, a Secretaria de Saúde informou que possui um serviço para controle e manejo de pombos nas unidades de saúde, realizado por meio de empresa terceirizada. Nele, são realizadas limpeza de calhas e ações para desalojamento de aves. Na UPA Jaguaré, segundo a nota, está em trâmite a execução de telamento das marquises das paradas de ambulância.

"Esclarecemos ainda que a empresa contratada é orientada pela Secretaria e segue a legislação vigente, considerando que é crime matar os pombos", conforme preconiza a lei de crimes ambientais.