Rio Preto supera meta do Ideb no ensino médio

EDUCAÇÃO

Rio Preto supera meta do Ideb no ensino médio

Rio Preto supera a meta para o ensino médio no Ideb, mas fica abaixo no ensino fundamental; pela primeira vez na série histórica, anos iniciais da cidade têm queda na nota de uma avaliação para outra


Pela primeira vez na série histórica, anos iniciais da cidade têm queda na nota de uma avaliação para outra
Pela primeira vez na série histórica, anos iniciais da cidade têm queda na nota de uma avaliação para outra - Freepik/Banco de imagens

Historicamente considerada a fase escolar mais crítica por conta da evasão de estudantes e das dificuldades dos alunos, o ensino médio se destacou no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2019 em Rio Preto. A rede pública de ensino da cidade conseguiu superar a meta do indicador educacional. O município, porém, ficou abaixo da meta nos anos iniciais e finais do ensino fundamental. No País, apenas os anos iniciais do fundamental atingiram a meta.

O Ideb registrado em 2019, ou seja, antes da pandemia de coronavírus, é o principal medidor da qualidade da educação no Brasil e foi divulgado nesta terça-feira, dia 15, pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep).

Do 1° ao 5° ano, pela primeira vez na série histórica, Rio Preto teve queda do índice em relação à nota anterior. Em 2019, a cidade teve 6,7 de nota - abaixo dos 6,9 de 2017 e da meta, que era 6,8. Nos anos finais do fundamental, que vai do 6° ao 9° ano, a cidade ficou com 5,3 de nota. A meta era de nota 6.

No ensino médio, Rio Preto conseguiu ultrapassar a meta e teve 4,6 superando a nota de 4,3 proposta para 2019. Em 2017, a cidade teve nota 4,1.

O Ideb foi criado em 2007 para monitorar o desempenho da educação no Brasil. Ele vai de 0 a 10 e é divulgado a cada dois anos pelo Ministério da Educação servindo de ferramenta para acompanhamento das metas da educação. O Ideb reúne, em um só indicador, os resultados de duas dimensões de qualidade da educação: o fluxo escolar e as médias de desempenho nas avaliações.

O índice é calculado a partir dos dados sobre aprovação, obtidos no Censo Escolar, e do desempenho dos alunos em Matemática e Português no Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb), prova que é aplicada pelo MEC. Também é levado em consideração no Ideb os índices de aprovação e evasão.

Em Rio Preto, os anos iniciais do ensino fundamental ocorre apenas em escolas municipais. Já os anos finais são tanto em unidades mantidas pela Prefeitura quanto nas de responsabilidades do Estado. Para o subsecretario de articulação do Secretaria de Estado da Educação (Seduc), Henrique Pimentel, isso influencia. "Nos anos finais do fundamental, temos um desafio que é a mudança de rede. Muitas vezes o aluno está na rede municipal até o quinto ano e vai para uma de rede estadual no sexto ano. Isso muda muito na relação com o professor. A gente até brinca que era a 'tia' na rede municipal e passa a ter um modelo com vários professores por dia. Os anos finais do fundamental são um desafio por si só, mas estamos fazendo programa de reforço e recuperação visando esses estudantes", destacou.

No ensino médio, Pimentel afirmou que modelos de sucesso de escolas estaduais de Rio Preto devem inspirar outras. "Uma das melhores escolas no Ideb no Estado está em Rio Preto, que é a escola Professor Jamil Khauan. Temos que ver o que está dando certo nela e aplicar em outras", afirmou.

O Diário procurou a Secretaria Municipal de Educação que, por meio de nota, disse que está analisando as notas de todas as unidades escolares da cidade. "O Ideb é composto pela nota da Prova Brasil e no fluxo escolar (taxa de aprovação). Vamos aguardar a publicação das notas da prova e analisar os índices de evasão e reprovação verificados no ano de 2019", disse a nota.

Ideb

  • É o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, do governo federal, criado em 2007 para medir a qualidade da educação pública
  • A cada dois anos, o Ministério da Educação estipula uma meta para cada escola e cada município - as metas são diferentes umas das outras
  • O índice mede a educação nos anos iniciais (5º ano) e finais (9º ano) do ensino fundamental e no ensino médio
  • Para ser calculado, leva-se em conta o desempenho dos alunos no Saeb (Sistema de Avaliação do Ensino Básico) em português e matemática e a taxa de aprovação e abandono escolar

Rio Preto

Anos iniciais (1º ao 5º ano do ensino fundamental)

  • Meta: 6,8
  • Nota: 6,7

Evolução

  • 2005: 5,1
  • 2007: 5,4
  • 2009: 5,9
  • 2011: 6,1
  • 2013: 6,3
  • 2015: 6,7
  • 2017: 6,9
  • 2019: 6,7

Notas em 2019 (0 a 500)

  • Matemática: 244,96
  • Língua Portuguesa: 230,15

Anos finais (6º ao 9º ano do ensino fundamental)

  • Meta: 6
  • Nota: 5,3

Evolução

  • 2005: 4,3
  • 2007: 4,4
  • 2009: 4,7
  • 2011: 4,8
  • 2013: 4,8
  • 2015: 5,1
  • 2017: 5,2
  • 2019: 5,3

Notas em 2019 (0 a 500)

  • Matemática: 264,89
  • Língua Portuguesa: 263,02

Ensino médio

  • Meta: 4,3
  • Nota: 4,6

Evolução

  • 2017: 4,1
  • 2019: 4,6

Notas em 2019 (0 a 500)

  • Matemática: 286,73
  • Língua Portuguesa: 288,89

Estado

Anos iniciais (1º ao 5º ano do ensino fundamental)

  • Meta: 6,5
  • Nota: 6,7

Anos finais (6º ao 9º ano do ensino fundamental)

  • Meta: 5,9
  • Nota: 5,5

Ensino Médio

  • Meta: 5,2
  • Nota: 4,6

País

Anos iniciais (1º ao 5º ano do ensino fundamental)

  • Meta: 5,7
  • Nota: 5,9

Anos finais (6º ao 9º ano do ensino fundamental)

  • Meta: 5,2
  • Nota: 4,9

Ensino Médio

  • Meta: 5
  • Nota: 4,2

Para a professora e pesquisadora do departamento de educação do Ibilce Ana Maria Klein, os dados precisam ser analisados por escola para que melhorias sejam implantadas de acordo com o cenário de cada instituição do município.

"Normalmente, os cálculos do Ideb possuem uma lógica que o indicador cresce com os melhores resultados de aprendizado e cai de acordo com as taxas de aprovação. Então se a aprovação dos alunos diminui, consequentemente a nota cai. E ao mesmo tempo se o resultado do aprendizado cresce, a nota sobe", explicou Ana.

A professora também ressaltou mudanças no Ideb de 2019, que podem ter influenciado nas notas do indicador educacional. "O Saeb 2019 [antes conhecido como Prova Brasil] passou por mudanças. O 9° ano [etapa final do ensino fundamental] que antes era avaliado somente em português e matemática, passou a ser avaliado também em ciências da natureza e humanas", destacou.

Sobre o ensino médio, a professora ressalta que o fator socieconômico dos estudantes precisa ser analisado. Segundo Ana, mesmo que os índices tenham melhorado, muitos estudantes sofrem para conciliar os estudos quando começam a trabalhar ainda no ensino médio. "Diferentemente dos anos iniciais do ensino fundamental, onde os pais têm um papel muito importante. Quando pensamos no ensino médico, temos que pensar também em aspectos socieconômicos. Isso porque muitas vezes o jovem do ensino médio entra no mercado de trabalho e o rendimento dele na escola pode piorar."

Já o doutorando em políticas educacionais do Ibilce Nathanael da Cruz e Silva Neto, ressalta a diferença ainda existente, principalmente, entre a rede pública e privada no ensino médio como fator que também deve ser analisado. "O abismo entre escolas públicas e privadas continua grande e isso precisa ser analisado", falou Neto.

Henrique Pimentel, da Secretaria Estadual da Educação, diz que os dados serão analisados por cada escola para implementação de políticas públicas de melhoria. "Isso tudo será analisado pela Secretaria da Educação que implantará políticas públicas visando o que acontece em cada escola, inclusive com programas educacionais que já implementamos no ano passado", finalizou. (RC)