Com estiagem prolongada, Semae planeja racionamento de água em Rio Preto

SEM DESPERDÍCIO

Com estiagem prolongada, Semae planeja racionamento de água em Rio Preto

A decisão oficial pelo racionamento com dias e horários deve sair nesta quarta-feira, 16, quando a equipe do Semae volta a se reunir


Moradora lava a calçada com mangueira de jardim: em tempos de estiagem, é recomendável evitar a ação
Moradora lava a calçada com mangueira de jardim: em tempos de estiagem, é recomendável evitar a ação - Guilherme Baffi 11/9/2020

Rio Preto vive iminente risco de racionamento de água, segundo o Serviço Municipal Autônomo de Água e Esgoto (Semae), com a possibilidade de interrupção de água imediato caso não chova até esta quinta-feira, 17. Nos últimos dias, o consumo diário por pessoa na cidade bateu a marca de 375 litros de água - 125 litros acima da média. No outro extremo, o nível da Represa Municipal, responsável por 25% do abastecimento da cidade, caiu 20 centímetros. Soma-se a isso, a redução de 20% da oferta de água pelo Aquífero Bauru, também usado como fonte de água do município.

A decisão oficial pelo racionamento com dias e horários deve sair nesta quarta-feira, 16, quando a equipe do Semae volta a se reunir. "Estamos com todos os números e voltaremos em reunião durante a manhã para decidir", afirmou a gerente de Operações de Água, Jaqueline Reis. Os cortes de água parciais devem atingir pelo menos 40% da população de Rio Preto.

Segundo Jaqueline esta é a única forma de evitar que as moradias que ficam nas partes altas dos reservatórios fiquem sem água o tempo todo. "Não é uma questão de fechar as torneiras. É só uma questão de dividir a água que tem. Se não tomar uma medida, só abastece uma parte dos bairros. O contingenciamento é para atender todo mundo de forma igualitária", afirmou.

A medida foi tomada pelo Semae em 2019, em meados de outubro. Neste ano, o mesmo racionamento entra em pauta um mês antes. Uma das explicações, segundo Jaqueline, são os 78 dias secos, sem chuvas que trouxessem um fôlego ao abastecimento. "No ano passado esse período de estiagem não ficou tão cumprido", afirmou a gerente.

Soma-se à estiagem o consumo de até 375 litros por habitante por dia - mais do que o dobro dos 110 litros preconizados pela Organização das Nações Unidas (ONU). "As medidas mostram um aumento a cada semana", disse a gerente. "A gente entende que tem relação com a situação de pandemia, com as crianças todas em casa, pessoas em casa consomem mais água, precisamos da água, mas esse gasto tem que ser direcionado", alerta.

O consumo elevado, segundo o Semae, está concentrado, principalmente, nas regiões Sul e Leste de Rio Preto, onde há mais condomínios e casas de alto padrão.

Outro fator determinante nesse momento é a questão da redução da produção dos 343 poços que retiram água do Aquífero Bauru - juntos produzem 27,4 milhões de metros cúbicos de água por ano (m3/ano). "Se pegar todo o Bauru, já tivemos redução na produção em 10% dos poços", informou Jaqueline. Nos poços em queda de produção, a captação diminuiu em até 20%.

Para compensar as perdas desses poços e superar também a redução de 150 litros de água por segundo produzidos pela Represa, o Semae aumentou a exploração de água nos oito poços perfurados na cidade no Aquífero Guarani. O problema é que, diferente do Bauru, os recursos hídricos do Guarani são esgotáveis, ou seja, uma hora acaba. "No caso do Guarani não tem recarga", afirmou a gerente.

Evite o desperdício

Nesse momento de limite da produção de água, a população pode ajudar ao reduzir o consumo e reutilizar água. "Não dá para lavar calçada, não dá para não reutilizar água da máquina (que pode gastar entre 80 e 200 litros de água por lavada). O chuveiro, a descarga, tudo precisa ser repensado", disse.

Um exemplo de que é possível vem da estudante de enfermagem Yasmin Carolina Barbosa de Souza, 27 anos. Ela mora em um apartamento e faz questão de reservar a água que lava as roupas para economizar na hora de higienizar o apartamento. "Deixo separado para poder passar pano depois, lavar o que eu preciso lavar, e depois lavar os panos de chão. Eu gostaria de reutilizar muito mais, é o pouco que posso fazer", contou.

Rio Preto entrou nesta terça-feira, 15, para o alerta laranja do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) por conta da secura e da onda de calor. Segundo registros da estação meteorológica da Cetesb, no bairro Eldorado, a menor umidade ficou em 24%, entre 15h e 16h, e a temperatura máxima do dia chegou aos 34,9 graus.

Os índices ficaram mais amenos, comparados com dias anteriores. A explicação são as quedas de temperaturas registradas em outros pontos do Estado, como na Capital, São Paulo. Pelo aplicativo meteorológico Windy foi possível notar uma mudança na direção dos ventos. Nesta terça-feira, ventos do oceano Atlântico entravam pelo litoral de São Paulo e chegavam até o interior, diferentemente da segunda-feira, que essas rajadas eram desviadas para outras áreas.

A previsão é de chuvas para Rio Preto apenas na semana que vem. Segundo o Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (CPTEC) deve chover na cidade na quarta-feira, 24, com pancadas isoladas. Até lá a previsão do centro é para dias quentes, com os termômetros entre 19 e 38 graus. Pelo prognóstico do CPTEC, o céu de Rio Preto deve ficar nublado no próximo fim de semana e continuar com nebulosidade até a chuva chegar. (FP)

Veja a economia considerando uma casa com quatro pessoas

No banheiro

Banho - economia de 30 litros a cada banho

  • Um banho com o chuveiro aberto o tempo todo consome 45 litros de água. Fechando o registro para se ensaboar, o consumo cai para 15 litros
  • Em uma casa com quatro banhos diários, a economia seria de 3,6 mil litros de água por mês
  • Com essa redução, a economia em dinheiro seria de R$ 7,45* em um mês

Escovação - economia de 11 litros a cada escovação

  • Ao escovar os dentes com a torneira aberta, gasta-se 12 litros de água. Fechando e só abrindo para enxágue, o consumo não ultrapassa um litro
  • Em uma casa com 16 escovações diárias, a economia seria de 5,2 mil litros por mês
  • Com essa redução, a economia em dinheiro seria de R$ 10,70

Na cozinha

Louça - economia de 97 litros a cada lavagem

  • Ao lavar a louça por 15 minutos com a torneira aberta, gasta-se 117 litros de água. Limpando os restos dos pratos antes de lavar e fechando a torneira para ensaboar, dá para reduzir o consumo a 20 litros
  • Com duas lavagens diárias, a economia seria de 5,8 mil litros de água por mês
  • Com isso, a economia em dinheiro seria de R$ 12

Área de serviço

Roupa - economia de 675 litros por semana

  • Ao lavar a roupa na máquina, gasta-se em média 135 litros de água por lavagem. O ideal é deixar acumular uma boa quantidade de roupa para diminuir o número de lavagens. Em vez de usar a máquina por dez vezes na semana e consumir 1.350 litros, reduzir para cinco e gastar 675
  • Com cinco lavagens por semana, a economia 2,7 mil litros de água por mês
  • Com isso, a economia em dinheiro seria de R$ 5,50

No quintal

Lavagem do chão - economia de 560 litros por semana

  • Ao lavar o quintal ou a calçada por 15 minutos, consome-se 280 litros de água. O ideal é diminuir o número de lavagens por varrição. Em vez de lavar três vezes na semana e consumir 840 litros de água, usar a mangueira
    apenas uma vez.
  • Com uma lavagem por semana, a economia seria de 2,2 mil litros por mês
  • Com isso, a economia em dinheiro seria de R$ 4,55

Economia total de R$ 40,20

* Considerando a tarifa em R$ 2,07 por metro cúbico de água, segundo valor apontado para Rio Preto pelo Instituto Trata Brasil