Homem morre após sofrer queimaduras, em Mendonça

INVESTIGAÇÃO

Homem morre após sofrer queimaduras, em Mendonça

O motorista Cristiano Fernando Barboza Martins, de 34 anos, ficou oito dias internados


Cristiano Martins, 34 anos, ficou internado por oito dias
Cristiano Martins, 34 anos, ficou internado por oito dias - Reprodução/internet

Uma mulher de 32 anos está sendo investigada pela delegacia de Mendonça, como suspeita de causar a morte do marido, por queimaduras, após uma briga do casal. O motorista Cristiano Fernando Barboza Martins, de 34 anos, ficou oito dias internados e morreu nesta segunda-feira, 14, no Hospital de Base de Rio Preto.

O caso foi registrado no plantão policial de José Bonifácio como lesão corporal culposa e incêndio culposo.

Segundo informações do boletim de ocorrência, no último dia 6 deste mês, a esposa da vítima estava em casa, na cidade de Mendonça, aplicando remédio em seu cachorro, quando o motorista chegou alcoolizado e alterado. A mulher pediu ajuda ao marido, que se negou e o casal começou a discutir.

Ela conta que estava com um vidro de álcool nas mãos, que tinha usado para esterilizar os materiais, quando o marido puxou seus cabelos. A mulher acabou derramando o álcool no homem, que estava com um cigarro nas mãos. O fogo então teria atingido o corpo da vítima.

A mulher afirma ainda que o marido imediatamente tirou a camiseta que vestia e saiu correndo para fora da casa. Ela tentou colocar uma toalha no corpo do homem, mas foi advertida pelos vizinhos a não fazer isso.

Cristiano foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado para o Hospital de Base de Rio Preto com 60% do corpo queimado.

Em depoimento à polícia, a mulher afirma que o incêndio foi acidental, e em nenhum momento tentou por fogo no marido de forma proposital.

O delegado Ericson Salles Abufares afirma que uma das peças fundamentais para o inquérito será o resultado do laudo do Instituto Médico Legal (IML) de Rio Preto. "O casal já tinha um boletim de ocorrência registrado na delegacia (de violência doméstica). Vamos em busca de pessoas que possam ter testemunhado o fato, para saber o que de fato ocorreu", diz o delegado.

O corpo foi sepultado na terça-feira, 15, no Cemitério Municipal de Potirendaba. A mulher vai responder ao inquérito em liberdade.