Vacina russa induziu boa resposta

Avaliação de revista científica

Vacina russa induziu boa resposta


A vacina Sputnik V, desenvolvida pela Rússia para combater o novo coronavírus, tem um bom perfil de segurança e induziu resposta imune forte em voluntários, afirma estudo publicado nesta sexta-feira na revista científica The Lancet. A publicação, contudo, destaca que mais investigações são necessárias para comprovar a eficácia do imunizante na prevenção à Covid-19.

"A vacina é altamente imunogênica e induziu fortes respostas em 100% dos voluntários adultos saudáveis, com títulos de anticorpos em participantes vacinados mais elevados do que no plasma convalescente", ressalta a revista. Entende-se por plasma convalescente o sangue de indivíduos infectados pelo vírus que produziram anticorpos para a doença.

A Lancet ainda informa que não foram registrados efeitos colaterais graves em participantes do estudo. "As reações mais comuns foram dor no local da injeção, hipertermia, dor de cabeça, astenia e dores musculares e articulares, típicas em vacinas baseadas em vetores virais recombinantes. Nenhum evento adverso sério foi relatado durante o estudo", ressalta a publicação.

A Rússia foi o primeiro país a registrar uma vacina contra a covid-19, o que aconteceu em agosto. A notícia, no entanto, foi recebida com desconfiança pela comunidade internacional, considerando a celeridade da produção do imunizante e a falta de estudos sobre ele até então.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) disse, nesta sexta-feira, 4, que não espera uma ampla vacinação contra o novo coronavírus antes de meados de 2021. "Um número considerável de candidatos já entrou na fase 3 dos testes. Sabemos de pelo menos seis a nove que já percorreram um longo caminho em termos de pesquisa", disse a porta-voz da OMS, Margaret Harris, em coletiva de imprensa, em Genebra.