Unesp implanta sistema 'de Harvard' na biblioteca em Rio Preto

EDUCAÇÃO

Unesp implanta sistema 'de Harvard' na biblioteca em Rio Preto

Objetivo é melhorar o gerenciamento dos serviços em servidor online


Unesp inicia o uso da plataforma Alma, que gerencia os serviços das bibliotecas
Unesp inicia o uso da plataforma Alma, que gerencia os serviços das bibliotecas - Divulgação/Unesp Ibilce

A Universidade Estadual Paulista (Unesp) iniciou nesta quarta-feira, 5, a utilização de uma plataforma para gerenciar os serviços das bibliotecas de todas as unidades - incluindo a do campus rio-pretense, o Ibilce. O sistema, chamado Alma, é o mesmo utilizado em Harvard, uma das universidades mais renomadas dos Estados Unidos e do mundo.

O objetivo da iniciativa é melhorar o gerenciamento dos serviços das bibliotecas, permitindo o armazenamento em nuvem, ou seja, os arquivos ficarão salvos em um servidor online que concede acesso tanto ao acervo bibliográfico, impresso e eletrônico, quanto ao digital. Com a plataforma, os processos de aquisição, catalogação e circulação dos livros físicos, digitais e outros tipos de conteúdo ficam mais fáceis de serem controlados.

Segundo a bibliotecária da Unesp de Rio Preto, Luciane Antônia Passoni, isso também simplifica o fluxo de trabalho dos bibliotecários e assistentes de bibliotecas. Além disso, ela afirma que o sistema é multiplataforma e atende a alta demanda pelos e-books: os livros digitais. "O nosso trabalho vai mudar bastante agora. A plataforma Alma facilita ainda mais a organização de todos os processos que acontecem nas bibliotecas."

O sistema é constituído de uma nova geração de sistemas para bibliotecas conhecida por Library Service Plataform (LSP), desenvolvida para trabalhar com os conteúdos digitais, como e-books e videoaulas.

O sistema anterior, Aleph, estava em uso na Unesp desde 1997. A universidade é a primeira do Brasil a utilizar a plataforma Alma. "A rede anterior também era ótima, tanto que a biblioteca da universidade já estava preparada para continuar fornecendo os conteúdos digitais durante a pandemia, visto que a procura aumentou. Mas com o surgimento das novas tecnologias, é preciso sempre buscar melhorar se possível", menciona Luciane.

A bibliotecária acompanhou todo o processo de implantação da plataforma, que durou seis meses, desde o início do ano. Ainda segundo ela, a Alma facilita também o acesso dos usuários, que são os professores e os alunos.

A rede de bibliotecas da Unesp oferece acesso a um acervo com cerca de 2,9 milhões de conteúdos acadêmico-científicos. O sistema permite a inserção das bibliografias básicas de cada curso e, assim, os estudantes podem buscar o conteúdo que desejam através do nome da disciplina ou do professor. Para isso, o professor só precisa enviar o arquivo atualizado para a biblioteca.

"As tecnologias adquiridas são consideradas disruptivas. O docente, por exemplo, poderá incluir em suas bibliografias vídeos, áudios, imagens ou outros materiais que desejarem vincular ao sistema da biblioteca. A implantação deste novo sistema contribuirá para otimizar e agilizar ainda mais os serviços prestados pela biblioteca", afirma o vice-reitor da Unesp, professor Sergio Nobre.

"O sistema anterior, com o surgimento de muitos conteúdos digitais, dependia constantemente de atualizações e, em muitos casos, trabalhávamos com sistemas externos, como planilhas eletrônicas, para controlar assinaturas das bases de dados de e-books e periódicos em formato eletrônico. O (sistema) Alma permitirá fazer o gerenciamento dentro dele e, como simplifica o fluxo de trabalho, possibilitará que os bibliotecários se voltem para outros serviços, apoiando as novas demandas de ensino e de pesquisa", diz Flávia Bastos, coordenadora da Coordenadoria Geral de Bibliotecas da Unesp.

(Colaborou Ingrid Bicker)