Rio Preto registra mais quatro mortes pela Covid-19

PANDEMIA

Rio Preto registra mais quatro mortes pela Covid-19

Cidade totaliza 244 mortes e 9.260 infectados por coronavírus


Coronavírus
Coronavírus - Pixabay/Divulgação

A Secretaria de Saúde de Rio Preto confirmou neste sábado, 1º de agosto, mais 239 casos de coronavírus e quatro mortes, totalizando, respectivamente, 9.260 contaminados e 244 óbitos.

Enquanto a pasta estrutura a abertura de mais leitos de enfermaria, lida também com a falta de medicamentos, inclusive relaxantes musculares e sedativos para intubação de pacientes graves de coronavírus, problema que também afeta os hospitais.

Neste sábado, a situação continuava crítica no Hospital de Base, que na sexta-feira, 31, acionou o Ministério Público (MP) para pedir ajuda para aquisição desses fármacos. Na lista enviada ao MP, constam 21 remédios que o HB não consegue encontrar no mercado.

A crise não afeta apenas o HB, mas também outros centros, como Santa Casa de Rio Preto e hospitais de Catanduva, Fernandópolis e Votuporanga, que suspenderam as cirurgias eletivas (sem urgência) para poupar os sedativos e relaxantes. Além dos pacientes de coronavírus, os pacientes de urgência e emergência - infartados e acidentados, por exemplo - podem ser gravemente prejudicados pela falta.

"Isso precisa ser resolvido, um hospital do porte do HB não pode ficar sem esses medicamentos. É quase como não ter os respiradores e os leitos de UTI. É uma tragédia, precisa resolver urgentemente essa situação", afirmou na sexta o promotor Sérgio Clementino.

Nesta sexta-feira, 112 dos 117 leitos do Hospital de Base tinham pacientes, uma taxa de ocupação de 95,7%. Na Santa Casa, em boletim deste sábado, havia 36 pacientes nos 38 leitos existentes na ala de Covid.

O Hospital de Base está preparando novos leitos de UTI. A reportagem apurou que a intenção era abrir mais 30, porém há receio de que não haja medicamentos suficientes para atender a todos - quando está em respirador, a pessoa precisa ficar sedada o tempo todo, e o tempo de internação da Covid é longo, de semanas na UTI. Outro apontamento feito por gestores é que é preciso conter o avanço da doença, uma vez que a capacidade de ampliação é limitada.

Na região, outras duas cidades divulgaram óbitos. Em Potirendaba, uma idosa de 72 morreu por Covid - são seis vítimas na cidade até agora. Em Votuporanga, o óbito foi de um idoso de 90 - o município totaliza 43 mortes.

Reprodução

A prefeitura de Santa Fé do Sul flexibilizou o decreto de combate ao coronavírus e passou a permitir o atendimento presencial em restaurantes, lanchonetes, açougues e salões de beleza. O decreto, assinado pelo prefeito Ademir Maschio (MDB), foi publicado no diário oficial do município na sexta-feira, 31, e já está em vigor. A Santa Casa da cidade tem onze pessoas internadas.

Segundo o próprio decreto, as medidas foram tomadas após reunião com vereadores, Associação Comercial e Empresarial de Santa Fé do Sul, empresários e a sub-comissão de Gerenciamento ao Combate da Covid-19 da cidade. A ata da reunião, feita no dia 30 de junho, foi entregue à Prefeitura, que acatou parte das sugestões.

Segundo o texto, os bares, restaurantes e lanchonetes poderão funcionar das 9h às 22h com presença de público. A capacidade dos estabelecimentos está limitada a 20% do total. O mesmo vale para os açougues. As padarias poderão abrir das 9h às 18h. Os salões de beleza e academias também estão com o funcionamento liberado sem restrição de horário.

O comércio tem o funcionamento liberado das 9h às 18h. Santa Fé do Sul pertence à Direção Regional de Saúde de Rio Preto, que está na fase laranja do Plano SP, que não permite a abertura do comércio por mais de quatro horas diárias e impede a abertura de bares e restaurantes para atendimento presencial.

A Santa Casa de Santa Fé do Sul conta com 15 leitos destinados ao atendimento de infectados com covid-19, sendo 10 de enfermaria e cinco de UTI, sendo que de acordo com o último boletim da Santa Casa, quatro estão ocupados.