Dengue mata mais duas pessoas em Rio Preto

AEDES AEGYPTI

Dengue mata mais duas pessoas em Rio Preto

Cidade registra quatro óbitos e 5.594 doentes por dengue desde janeiro deste ano


Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue
Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue - Pixabay/Banco de Imagens

A Secretaria de Saúde de Rio Preto contabilizou mais duas mortes por dengue e outros 966 casos positivos da doença transmitida pelo mosquito Aedes aegypti. Com o balanço desta sexta-feira, 31, a cidade registra quatro óbitos e 5.594 doentes por dengue desde janeiro deste ano.

A terceira morte por dengue é de um homem, de 32 anos, com comorbidades. O quarto óbito é de uma mulher, de 62 anos, também com comorbidades. Com isso, a mortalidade neste ano está em 0,07%. "Dentro do preconizado pelo Ministério da Saúde. Embora a dengue ainda seja uma doença endêmica no nosso município. As ações da Vigilância Ambiental ainda estão mantidas", disse a gerente da Vigilância Epidemiológica, Andreia Negri.

No mês a mês, a maior parte dos casos de dengue em Rio Preto neste ano foi registrada em fevereiro, 1.650 casos, e março, 1.401 confirmações. Em abril, a doença deu uma trégua em relação aos meses anteriores, com 867 casos. A partir de junho, os números reduziram significativamente com 92 casos em junho e 11 contaminados em julho - ainda há casos em investigação.

No mapeamento, o maior número de casos de dengue, 466 confirmações, está na região do Estoril. Em seguida, aparece o São Francisco como segunda região mais infectada neste ano com outros 422 casos. A região do São Deocleciano vem em terceiro lugar do mapa com mais casos, com 403 resultados positivos para a doença.

Das áreas de atenção, o Centro aparece com 377 confirmações. O Parque Industrial e o Solo Sagrado, com 342 casos cada um, aparecem na sequência como regiões com mais números confirmados de dengue. Na outra ponta, o Distrito de Talhado, com 23 casos, e o bairro Gonzaga de Campos surgem com 35 confirmações.

"É a questão de criadouros encontrados nesses locais", afirma Andreia. A gerente, no entanto, faz uma ressalva. "O Gonzaga, por exemplo, é uma área bem menor do que bairros como o Solo Sagrado", pontua.

Outras 1.159 suspeitas continuam em investigação. "Pessoas devem continuar atentas aos criadouros e aos sintomas, como febre, dor de cabeça, dor atrás dos olhos, manchas no corpo. Apesar das pessoas ficarem receosas, devem procurar atendimento médico porque não temos remédio contra o vírus, mas precisam ser hidratados".

Outras doenças

Desde janeiro, a Saúde investigou três suspeitas de zika vírus em Rio Preto, todas descartadas. Nesses sete meses houve um caso de chikungunya positivo. No período, a Secretaria também registrou nove casos de H1N1 e uma morte pelo vírus e cinco casos por influenza B. O boletim trouxe ainda dez casos de sarampo investigados e descartados.

Dengue em Rio Preto

Casos confirmados em 2020: 5.594

  • Janeiro: 851
  • Fevereiro: 1.650
  • Março: 1.401
  • Abril: 867
  • Maio: 722
  • Junho: 92
  • Julho: 11

Mortes em 2020: 4

  • Março: 2 - homem de 25 anos com comorbidades e um sem divulgação do perfil
  • Abril: 1 - homem de 32 anos com comorbidades
  • Maio: 1 - mulher de 62 anos com comorbidades.

Casos de dengue em investigação: 1.159

Zika

  • Em investigação: 3
  • Nenhum confirmado

Chikungunya

  • Confirmados: 1
  • Investigação: 1

H1N1

  • Confirmados: 14 (sendo 6 influeza A H1N1 pdm09, quatro H1N1 não subtipado e cinco de influenza B)
  • Mortes: 1

Sarampo

  • 10 casos descartados e nenhum confirmado