Aumenta o número de animais pequenos que ficam órfãos nas queimadas em Rio Preto

DO ABANDONO AOS CUIDADOS

Aumenta o número de animais pequenos que ficam órfãos nas queimadas em Rio Preto

Zoológico de Rio Preto recebeu neste ano 132 filhotes de animais silvestres "abandonados". Queimadas e avanço das plantações provocam a separação entre os bichos e os pais


Filhote de onça-parda sendo amamentado: animal foi encontrado em canavial de 
Novo Horizonte
Filhote de onça-parda sendo amamentado: animal foi encontrado em canavial de Novo Horizonte - Fotos: Guilherme Baffi 23/7/2020

O casal de filhotes de onça-parda resgatado em uma fazenda de Novo Horizonte estão em "tratamento VIP" pelos médicos veterinários e biólogos do Zoológico de Rio Preto. Os pequenos órfãos chegaram na cidade no domingo, 19, depois de serem capturados pela Polícia Ambiental. Por serem filhotes carnívoros, eles devem viver o resto da vida em cativeiro para não morrerem de fome na natureza. Como o casal, outros 132 filhotes foram acolhidos pela equipe neste ano, quase o mesmo tanto de bebês acolhidos em 2018 inteiro.

O diretor do zoológico e veterinário, Ciro Alexandre Teixeira Cruvinel, conta que os animais sem a mãe chegaram assustados e um pouco desidratados. "Nessa primeira semana é mais difícil porque elas não estão acostumadas com a mamadeira, com o leite que é diferente do da mãe, então é uma fase de adaptação", explica.

Nesses primeiros dias, elas permanecem em monitoramento o tempo todo e com mamadas regulares. "Estão sendo acompanhadas para não ficar com hipoglicemia (baixo teor de açúcar no sangue), sempre colhendo sangue para hemograma, para acompanhar a função hepática e renal", afirma o diretor.

Em ambiente hospitalar o tempo todo, os filhotes, com cerca de 50 dias de vida, se alimentam de leites em mamadas regulares, "depois começam com alimentos sólidos, como carne vermelha ou de frango", afirma. O casal de irmãos foi encontrado pelo dono da fazenda que, segundo os policiais, acionou a polícia depois de dois dias de observação para ver se a mãe voltava e buscava os bebês.

A mãe não voltou e eles vieram para Rio Preto imediatamente. A expectativa é de que os animais cresçam e vivam no Zoológico. "A gente fica triste quando recebe filhotes órfãos. Esses animais, como todos os animais carnívoros, são difíceis de voltar a natureza porque quem ensina a caçar e a comer é a mãe. Se soltarmos, elas podem morrer de fome."

Acolhimento

Como esse casal de filhotes, o Zoológico de Rio Preto recebeu neste ano outros 132. A maioria deles, 71, foram filhotes de aves. Do restante, 38 de répteis e 25 filhotes de mamíferos. Os números já são quase igual aos 136 filhotes recebidos em 2018 e, nesta tendência, até o final deste ano, podem ultrapassar os 253 acolhidos em 2019.

São filhos e filhas de animais silvestres que chegam para os veterinários e biólogos depois de serem atropelados, queimados, vítimas de maus-tratos ou cativeiros clandestinos. "Os números aumentaram porque a gente imagina que está havendo uma sensibilização maior da sociedade. Não sei dizer sobre impacto, pode ser", afirma o diretor.

No caso específico dos filhotes de onça, Ciro orienta as pessoas a tomar cuidado para evitar a retirada dos animais e condená-los ao cativeiro para o resto da vida. "A mãe não abandona os filhotes facilmente. No caso da cana-de-açúcar, vem o equipamento, assusta a mãe e ela separa. Ela só vai voltar quando não tiver mais ninguém", explica.

Essa volta precisa ser respeitada. "Se você tira na hora e leva para a casa, você tira a chance deles voltarem com a mãe e ainda corre o risco desses filhotes se contaminarem com doenças de cães e gatos em casa", afirma. Em casos em que a mãe não volta, a Polícia deve ser acionada imediatamente. "Porque sem a mãe, eles podem desidratar, ficar hipoglicêmicos e com hipotermia, o que leva rapidamente à morte", finalizou.

Acolhimento

2018

  • 84 aves
  • 14 répteis
  • 38 mamíferos

2019

  • 162 aves
  • 7 répteis
  • 84 mamíferos

2020 (até 22 de julho)

  • 71 aves
  • 38 répteis
  • 25 mamíferos

Fonte: Zoológico Municipal de Rio Preto