Calçadão de Rio Preto tem movimento intenso após mini-lockdown

REABERTURA

Calçadão de Rio Preto tem movimento intenso após mini-lockdown

Nem a chegada da frente fria, com queda de temperatura e chuva fina, desanimou os consumidores


Lojas abriram às 10 horas nesta quarta-feira e fecharam às 16 horas - mesmo horário de funcionamento até sábado
Lojas abriram às 10 horas nesta quarta-feira e fecharam às 16 horas - mesmo horário de funcionamento até sábado - Marco Antonio dos Santos 1/7/2020

Filas por todos os lados, lojas cheias e trânsito congestionado. Esse era o visual do Calçadão de Rio Preto, nesta quarta-feira, 1º, na reabertura do comércio após três dias de mini-lockdown, decretado pela Prefeitura como forma de aumentar o isolamento social e barrar o avanço do coronavírus.

Nem a chegada da frente fria, com queda de temperatura e chuva fina, desanimou os consumidores, que não se incomodaram com o barro e as calçadas apertadas na rua General Glicério, causada pelas obras de reforma do Calçadão.

Gerente de uma loja de tênis, João Vieira Cândido Neto, 25 anos, mal teve tempo para dar entrevista, pela demanda de clientes que pediam atendimento.

"Este mini-lockdown é uma experiência nova. Estamos nesta quarta-feira com uma quantidade de clientes que costuma vir na segunda-feira, mas não puderam fazer isso", comenta o comerciante. Entre domingo e terça o comércio ficou fechado. Agora abre até sábado, das 10h às 16h.

Para o dono de uma loja de tecidos Leo Batista, 66 anos, o certo era permitir o funcionamento das lojas por seis horas, de segunda a sexta-feira. Ele acredita que reduzir o atendimento para apenas quatro dias pode não acabar com a aglomeração. "Compreendemos a necessidade de acabar com esta doença que está afetando todo mundo, mas é bom a Prefeitura entender que nós comerciantes temos de arcar com despesas diárias. Ficar três dias fechado complica mais ainda a nossa vida", critica o comerciante.

Por outro lado, os consumidores até aceitaram o mini-lockdown. Gislaine Freitas, 39 anos, estava animada, mesmo tendo que enfrentar a fila para entrar em uma loja. "Achei bom fechar para acabar com este vírus. Vamos ver se isso passa logo. Vim no Calçadão para comprar luvas de frio", diz.

Quem sentiu o impacto da reabertura das lojas foi o transporte público de Rio Preto. O Terminal Urbano estava visualmente com mais gente, em comparação com segunda e terça-feira, quando houve uma queda média de 10% na quantidade de passageiros em relação à semana anterior. Como medida de evitar lotações, a Secretaria de Trânsito e Transportes pediu que a Riopretrans colocasse ônibus extras nos dias de abertura do comércio, nas linhas com maior número de passageiros.

Nesta quinta-feira, a Prefeitura deve fazer uma análise sobre a eficácia da primeira semana do mini-lockdown, quando receber todos os dados de funcionamento do transporte de passageiros nos três dias de fechamento.

O isolamento social em Rio Preto não registrou alteração na comparação com a semana passada, segundo o Sistema de Monitoramento Inteligente (Simi) do governo de São Paulo. O índice ficou em 43% na segunda e na terça-feira, dias 29 e 30 de junho. Na semana anterior, o índice variou entre 42% e 43%. Na região, Catanduva e Barretos registram isolamento de 41% na terça, enquanto Votuporanga ficou em 47%. O ideal, segundo o governo, era acima de 50%.