Setor de serviços é o mais afetado pela crise em Rio PretoSetor de serviços é o mais afetado pela crise em Rio Preto

ECONOMIA

Setor de serviços é o mais afetado pela crise em Rio Preto

Em maio, o setor de serviços registrou 1.778 demissões e 880 admissões, o que representa um saldo de 898 empregos perdidos


O setor de serviços registrou 1.778 demissões e 880 admissões, saldo de queda de 898
O setor de serviços registrou 1.778 demissões e 880 admissões, saldo de queda de 898 - Freepik/Banco de imagens

O setor de serviços foi o mais afetado pela pandemia do coronavírus no mês de maio em Rio Preto. Segundo dados divulgados, nesta segunda-feira, 29, pelo Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), em maio, o setor registrou 1.778 demissões e 880 admissões, o que representa um saldo negativo de 898 empregos.

No ranking dos setores que mais perderam postos de trabalho na cidade, a indústria aparece em segundo lugar, com 636 demissões, 203 admissões, um saldo de 433 empregos perdidos. Em terceiro lugar está o comércio, com 1.021 demissões e 701 admissões, saldo de 320 postos de trabalho encerrados. Em seguida vem o setor da construção civil, que registrou 337 desligamentos e 272 admissões, saldo de 65 empregos perdidos. No total, somando todos os setores, Rio Preto registrou 3.786 desligamentos, 2.061 admissões e saldo negativo de 1.725.

Em Rio Preto, o setor da agropecuária foi o que menos registrou demissões no mês de maio deste ano. De acordo com os dados do Caged, o setor teve 14 demissões e cinco contratações, o que representou um saldo de negativo de 9 empregos.

Em fevereiro, antes da pandemia chegar a Rio Preto, o setor de serviços foi o que mais gerou empregos: foram 413 novos postos de trabalho naquele mês. A indústria vinha em segundo lugar, com 202 novos empregos, seguida pelo comércio, com 76. Em fevereiro, a agricultura teve saldo negativo de um emprego, enquanto a construção civil fechou 28 postos de trabalho.