Número de furtos e roubos aumenta em Rio Preto

ESTATÍSTICAS

Número de furtos e roubos aumenta em Rio Preto

O número de homicídios também aumentou: enquanto abril não registrou nenhum assassinato, em maio foram quatro


Queda no isolamento provocou aumento também na criminalidade
Queda no isolamento provocou aumento também na criminalidade - Divulgação/Polícia Civil

O número de assaltos cresceu 45,7% e o de furtos 29,7% em Rio Preto, entre abril e maio deste ano. O aumento dos crimes contra o patrimônio nestes dois meses é resultado da queda da taxa de isolamento durante a quarentena, segundo o comando da Polícia Militar de Rio Preto.

Em comparação com o mesmo período no ano passado, a cidade teve queda no índice de crimes patrimoniais - foram 476 roubos nos primeiros cinco meses deste ano contra 621 no ano passado.

Uma das vítimas de furto em maio deste ano foi o aposentado Genessi Figueira, de 69 anos. O idoso foi acordado na madrugada no dia 11 de maio, com o barulho de um ladrão que invadiu seu quintal para furtar um botijão de gás.

"O pior de tudo foi ficar quase toda madrugada sentado no plantão policial, na espera para registrar boletim de ocorrência, e ficar sabendo que, pouco tempo depois, o ladrão foi solto", reclama o aposentado.

Para se prevenir contra novas invasões, o aposentado resolveu instalar na frente da casa um alarme com sirene, que dispara assim que é acionado por um sensor de presença. "Vai ser tanto barulho que o ladrão vai fugir com medo. Assim eu espero", diz o aposentado.

Comandante do patrulhamento de Rio Preto, o coronel Paulo Sérgio Martins aponta como causa do aumento de furtos e roubos o relaxamento do isolamento social durante a quarentena. "No mês de maio, com a gradual reabertura dos setores, muita gente saiu de casa para trabalhar. E como a ocasião faz o ladrão, infelizmente, os criminosos aproveitaram para voltar a cometer assaltos e invadir as residências" diz o oficial.

Para combater os crimes patrimoniais, Martins afirma que o patrulhamento tem sido reforçado, com base em um mapeamento diário de ocorrências. "Antes do início de cada turno, os policiais recebem por celular estes dados, com orientação de reforçar a segurança nestas áreas e evitar novos crimes", diz o coronel.

Outro dado preocupante foi o registro de quatro assassinatos em maio deste ano, enquanto no mês anterior, em abril, nenhum homicídio tinha sido registrado. Foram dois baleados e dois esfaqueados. O aumento dos assassinatos, de roubos e de furtos, de abril para maio, também ocorreu na região. Subiu de cinco para nove os homicídios, enquanto os crimes contra o patrimônio subiram de 61 para 80 (no caso de roubos) e de 763 a 824 (nos furtos). Subiu também a quantidade de estupros na região, passando de 35 para 45.