Aulas presenciais voltam dia 8 de setembro em SP

EDUCAÇÃO

Aulas presenciais voltam dia 8 de setembro em SP

Reabertura das escolas pode ser em 8 de setembro, desde que todo o Estado melhore a situação em relação à Covid e avancem para a fase amarela


Mapa com a classificação das regiões por cores: nenhuma está na fase amarela, exigida para o retorno das aulas
Mapa com a classificação das regiões por cores: nenhuma está na fase amarela, exigida para o retorno das aulas - Reprodução

O governador do Estado, João Doria, anunciou nesta quarta-feira, 24, a retomada gradual das aulas presenciais da educação infantil, básica e superior, a partir do dia 8 de setembro, desde que todas as regiões paulistas estejam na fase 3, a amarela, do plano São Paulo de reabertura econômica - Rio Preto atualmente está na fase 2, a laranja. As aulas estão suspensas desde 24 de março. Para o início da primeira etapa do Plano de Retorno da Educação, o Estado prevê o retorno de até 35% dos alunos. O plano vale para as redes pública e privada.

Cada escola poderá trabalhar com até 35% da capacidade total em sala de aula. Ou seja, em uma unidade escolar com mil estudantes, somente 350 poderão ter aulas presenciais a cada dia, enquanto que os demais continuarão a cumprir atividades remotas. Cada escola deverá definir o revezamento de alunos, e cada estudante deverá ter ao menos um dia de aula presencial por semana.

Atualmente não há nenhuma região do Estado na fase amarela. A maior parte está como Rio Preto, na fase laranja. Para que a volta gradual das aulas entre em vigor de acordo com o plano, em 4 de setembro todas as regiões paulistas deverão estar ao menos 28 dias na fase amarela. Para a classificação por fase das regiões são levadas em conta a ocupação de leitos de UTIs, o total de leitos por cem mil habitantes e novas internações, casos e mortes na semana em comparação à semana anterior.

Tanto as escolas quanto as universidades precisarão seguir uma série de normas, como distanciamento social de 1,5 metro entre um aluno e outro - com exceção de berçários e creches -, organização de horários de entrada e saída para evitar aglomerações e uso obrigatório de máscara dentro da escola. "Se não tiver de máscara não vai poder permanecer, nós vamos disponibilizar no Estado", afirmou o secretário estadual de Educação, Rossieli Soares.

Além da limpeza para esterilização dos prédios, salas de aulas, refeitórios e superfícies em todo início e final de aulas e recolha do lixo três vezes por dia, o plano também prevê a proibição do uso de bebedouros. "As escolas devem fornecer água potável", disse o secretário. Como reforço das medidas de segurança para funcionários, professores e alunos, Soares explicou que as instituições precisarão manter as salas ventiladas e com portas abertas. Alunos e educadores do grupo de riscos devem permanecer em casa.

A presença de pais e responsáveis dentro da escola também continua proibida. O plano prevê que as escolas façam um trabalho de comunicação com as famílias para evitar a entrada de alunos com sintomas. "Importante os pais aferirem a temperatura todos os dias. Se estiver acima de 37,5 graus, a recomendação é ficar em casa. A orientação é para que a escola também faça aferição na entrada", afirmou.

Outras etapas

A etapa 2 do plano de retorno prevê a volta de até 70% dos alunos, sob a condição de que 60% das regiões do Estado estejam na fase 4, a verde, do plano SP de retomada da economia, ao menos por 14 dias.

Na terceira e última etapa da retomada, fica liberada a volta total dos alunos. Para que isso aconteça, pelo menos 80% das regiões deverão estar na fase verde do plano estadual. "Se no meio das etapas alguma região regredir de fase, isso será reavaliado de forma regionalizada", explicou Soares.

O plano dividiu opiniões durante o anúncio ao vivo nas redes sociais do governo do Estado. Aline Luz Del'Arco, 40 anos, é mãe de um aluno de 7 anos, da rede particular de Rio Preto, e vê a retomada com receio. "Acho que está muito longe de estar seguro para voltar. Por outro lado entendo a necessidade das mães que precisam trabalhar. Mas imagina voltar e ficar doente?".

Impactos

O secretário de Educação anunciou também o quarto ano do colegial na rede estadual como opção para os alunos que queiram recuperar os prejuízos da paralisação. Segundo o secretário, os impactos da suspensão das aulas presenciais só serão recuperados em 2022. "Vamos trabalhar com ações de recuperação e aprofundamento da aprendizagem", finalizou.

A Secretaria de Educação de Rio Preto informou que a data de retorno às aulas presenciais "será definida pelo Executivo Municipal, respeitadas as disposições do Estado e as normativas pertinentes à prevenção do contágio".

Aulas presenciais

  • Retomada das aulas será gradual, a partir do dia 8 de setembro
  • Os alunos irão para escolas mediante um rodízio, alternando entre os que ficam em casa, com ensino EAD, e os que vão para as escolas.
  • A medida é válida para instituições públicas e privadas dos ensinos infantil, fundamental, médio e superior

Condições para a reabertura

Primeira etapa

  • Todas as regiões do Estado devem estar na fase amarela por pelo menos 28 dias - atualmente, nenhuma região está na fase amarela. Rio Preto está na laranja

Segunda etapa

  • 60% das regiões do Estado devem estar na fase verde por pelo menos 14 dias

Terceira etapa

  • 80% das regiões do Estado devem estar na fase verde por pelo menos 14 dias

Como vai ser a reabertura

  • Revezamento de alunos por dia

Primeira etapa

  • Limite de alunos por sala de aula deve ser de 35%

Segunda etapa

  • Limite de alunos por sala de aula deve ser de 70%

Terceira etapa

  • Todos os alunos podem frequentar a escola

Normas

  • Necessidade de distanciamento de 1,5 metro
  • Feiras, palestras, seminários, competições e campeonatos esportivos, comemorações, assembleias, etc. ficam proibidos
  • Os intervalos ou recreios devem ser feitos com revezamento de turmas em horários alternados
  • Necessidade de organizar a entrada e saída das turmas, evitando aglomerações - preferencialmente, devem ser fora do horário de pico do transporte público
  • Atividades de educação física, somente com distanciamento e preferencialmente ao ar livre
  • As instituições, tanto públicas quanto privadas, devem medir a temperatura dos estudantes antes de entrar
  • Recomendável adotar ensino remoto combinado com o retorno gradual das atividades presenciais

O Plano de Retorno da Educação para retomada gradual das aulas no Estado de São Paulo a partir de setembro frustrou a rede particular de ensino. A afirmação é da direção regional do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (SIEEESP), em Rio Preto. O setor afirma já estar preparado para a reabertura das escolas.

"As particulares já estão com todos os protocolos prontos e preparados para retomada antes de setembro. Era essa a expectativa", afirmou a diretora regional, Cenira Branco Fernandes. Segundo ela, as escolas já estão equipadas com tapetes sanitizantes, marcação para distanciamento social, equipamentos de proteção e outras ações. "Na rede particular, é mais fácil se organizar. Mas fomos incluídos no tempo das escolas públicas", criticou. Até o fechamento do texto, a direção estadual do SIEEESP não tinha se manifestado. (FP)