Covid já infectou 342 profissionais de saúde em Rio Preto

PANDEMIA

Covid já infectou 342 profissionais de saúde em Rio Preto

Atualmente, 72 profissionais estão afastados pela doença


Na linha de frente
Na linha de frente - Unsplash

Dentre os 1.881 pacientes que tiveram coronavírus confirmado em Rio Preto desde o início da pandemia, 342 (18,1%) são profissionais de saúde. São médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem que precisaram ser afastados porque ficaram doentes.

Jean Gorinchteyn, médico do Instituto de Infectologia Emílio Ribas que atua no combate ao coronavírus na capital paulista, diz que um dos momentos mais perigosos é o da desparamentação, quando o profissional retira todos os equipamentos de proteção individual (EPI) contaminados. "Também erramos em algumas situações. As pessoas acabam tirando máscara para tomar café, para respirar dois minutos, que são suficientes para contaminação", pontua.

As gotículas com vírus - exaladas por fala, tosse e espirros, por exemplo - podem ficar em suspensão no ar de 30 minutos a três horas, o que aumenta o risco do momento de retirar o EPI em um ambiente já bastante contaminado, como os hospitais. Em superfícies como mesas a sobrevida do vírus é ainda maior, de até dias.

O secretário de Saúde de Rio Preto, Aldenis Borim, diz que os profissionais contaminados na linha de frente são uma preocupação da pasta. "Se faltar mão de obra, nós estamos perdidos. Até o momento nós não precisamos fazer contratações, só reposições", afirma. Além dos 342 que tiveram coronavírus confirmado, outros profissionais precisaram ser afastados porque tiveram sintomas de contaminação pelo vírus, porém a doença foi descartada, e os sinais tratavam-se de outras doenças respiratórias. "Hoje a Saúde de Rio Preto está com 72 pessoas afastadas."

Cenário

Foram confirmados 22 casos de coronavírus em 22 horas, mas Andreia Negri Reis, gerente do Departamento de Vigilância Epidemiológica, alerta que a situação não está estável. Em 24 horas, foram notificadas mais 417 suspeitas. Do total, 1.090 pacientes (57,9%) estão curados.

Nesta segunda-feira, 22, havia 196 pacientes rio-pretenses hospitalizados em instituições da cidade com síndrome respiratória aguda grave (SRAG). Desses, 112 estavam em enfermaria e 84 em UTI. Do total, 93 já tinham Covid-19 confirmada (47% dos internados).

No Hospital de Base, a ocupação vem crescendo. Nesta terça-feira, havia 69 pessoas de Rio Preto e região com coronavírus confirmado, sendo 31 em enfermaria e 38 em UTI. Na Santa Casa, eram 17 em enfermaria e 18 em UTI. Ambos os hospitais estão com as cirurgias eletivas suspensas, atendendo somente urgência e emergência e pacientes de Covid-19. A decisão foi tomada porque o estoque de sedativos e relaxantes musculares, utilizados em cirurgias e em pacientes entubados, está baixo.

O interior paulista, novo epicentro da pandemia no Estado, registrou pela primeira vez número maior de novos casos da Covid-19 do que a Capital no fim de semana. Mesmo com aval para liberar o comércio segundo o plano de reabertura gradual da gestão João Doria (PSDB), Campinas e Sorocaba fecharam as lojas nesta segunda, 22, diante da alta de infectados. Já Marília e Registro, que receberam orientação do governo para retomar restrições a atividades econômicas, decidiram manter o comércio aberto. O Estado informou já ter notificado os dois municípios.

São Paulo chegou a 12.634 mortes. A previsão do governo era de passar de 16 mil no fim do mês, mas agora a gestão Doria disse que a alta diária de óbitos tem sido menor do que a projeção inicial.

"O interior (paulista) passou a capital em número de novos casos este fim de semana, com 14,5% a mais. Registra inversão na lógica de que a capital era o epicentro da crise", disse o secretário de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi. "É um momento de cooperação, tendo em vista que a ação de um prefeito afeta os municípios vizinhos." O plano estadual de flexibilização da quarentena tem cinco fases. Cada região é classificada em uma etapa, considerando o número de infectados, mortes e a ocupação das UTIs. Se há piora no quadro, a região pode regredir de fase.

A taxa de ocupação de leitos de UTI no Estado de São Paulo ontem era de 65%. O governo admite haver estoque baixo de anestésico para entubar pacientes, mas diz já ter pedido nova remessa à União.

(Agência Estado)

 

A prefeitura de Mendonça, em decreto assinado pelo prefeito Antonino Caetano de Souza (SD), determinou toque de recolher a partir desta quarta-feira, 24. O motivo é o aumento repentino de casos de Covid-19 na cidade, que tem 58 casos da doença - somente nesta terça-feira, 23, houve 13 novos registros e uma morte (leia mais abaixo).

O novo decreto estabelece toque de recolher no período entre 21h às 5h do dia seguinte. As medidas terão validade até que a curva de novos casos da doença pare de crescer. No último dia 19, a prefeitura de Mendonça ainda estabeleceu multa de R$ 49,91 para quem fosse flagrado sem máscaras nas ruas da cidade.

O horário de funcionamento do comércio em geral está restrito a apenas quatro horas diárias, das 11h às 15h de segunda a sexta-feira e das 8h às 12h aos sábados.

Urupês

Com o rápido aumento de casos na cidade, a prefeitura de Urupês, que tem 16 ocorrências de Covid-19, resolveu colocar barreiras sanitárias na entrada da cidade. Agentes de saúde estão aferindo a temperatura de quem entra - se a pessoa estiver com febre, é encaminhada a um serviço de saúde, onde os profissionais decidem por fazer o teste de coronavírus ou colocar o paciente em isolamento.

Outra medida tomada pela Secretaria de Saúde é pedir que todos os viajantes da Capital e da região metropolitana que vão ficar na cidade - na casa de um parente, por exemplo - permaneçam em isolamento por 14 dias, o período de quarentena. A exceção é se a pessoa for voltar para sua cidade, não permanecendo em Urupês.

Os agentes de saúde estão nas ruas, orientando sobre a importância das máscaras e sobre o isolamento social, que alguns moradores não vinham cumprindo. A prefeitura já lacrou os bancos de concreto das Praças Padre Peretti e Chafik Saab, e os brinquedos, equipamentos e bancos do Parque Municipal Mário Covas (Parque dos Lagos).

Com o decreto, que prorroga a quarentena por tempo indeterminado, ficou proibida a realização de eventos particulares em propriedades urbanas e rurais. A fiscalização será realizada através dos fiscais da prefeitura e outros funcionários que poderão receber poder de fiscalização, em conjunto com a Polícia Militar, porém os próprios munícipes podem denunciar se constatarem pessoas desrespeitando as medidas de proteção e segurança. As denúncias podem ser feitas pelo telefone (17) 98133-8460, pela página da Ouvidoria da Prefeitura ou por meio de suas redes sociais.

(Lucas Israel e MG)

 

Com o avanço dos casos de coronavírus na cidade e na região, a prefeitura de Catanduva decidiu intensificar a fiscalização contra aglomerações. A cidade registra 423 casos e 21 óbitos pela doença, e os três hospitais - dois da Fundação Padre Albino e o Unimed São Domingos, além dos da região - enfrentam a falta de sedativos e relaxantes musculares, com o temor de que o sistema de saúde também enfrente o colapso pela falta de leitos.

Em reunião com a prefeitura, o Ministério Público da região pediu que fossem endurecidas as medidas de fiscalização. Decreto publicado nesta semana redirecionou profissionais de outros setores para a fiscalização para evitar aglomerações - atualmente, os servidores da Vigilância Sanitária e os guardas municipais não estão sendo suficientes para cobrir todo o território municipal, então a expectativa é que a partir de quinta-feira, 25, possam também fazer a fiscalização fiscais de trânsito, obras, postura, saneamento e meio ambiente. São cerca de 30 pessoas, além da Guarda Civil Municipal.

Segundo a assessoria de comunicação da prefeitura, são servidores que estão acostumados com esse tipo de trabalho. Como ainda não estão familiarizados com a legislação específica relacionada à Covid-19, passarão por um treinamento nesta quarta-feira, 24, ministrado pela Vigilância Sanitária, que vai coordenar as equipes, e estão aptos para o início do trabalho na quinta. (MG)

Seis cidades da região confirmaram mortes por coronavírus nesta terça-feira, 23. Com isso, são 223 óbitos pela doença na região, que já ultrapassou seis mil casos de Covid-19 - cerca de três mil pacientes já se recuperaram e são considerados curados. Cinquenta e uma cidades já registraram ao menos uma morte por coronavírus no Noroeste Paulista.

A prefeitura de Catanduva confirmou mais duas mortes e a cidade agora contabiliza 21 vítimas fatais da doença. Um homem de 74 anos, morador do Jardim Soto, estava internado no Hospital Emílio Carlos e morreu em 19 de junho. O segundo, de 46 anos, era morador da área rural e morreu nesta terça-feira. Ele também estava internado no Emílio Carlos.

A Secretaria de Saúde de Barretos também confirmou mais dois óbitos, de dois idosos, de 72 e 73 anos. A cidade registra 26 mortes por coronavírus. Já Ibirá confirmou a primeira morte por Covid-19, nesta terça-feira, 23. A paciente é uma mulher de 86 anos, que morava em Ibirá, mas estava internada no Hospital de Base de Rio Preto. Ela morreu na segunda-feira, 22.

Outra cidade que também registrou a primeira morte por Covid-19 foi Buritama. A vítima é um idoso de 80 anos. Em Mendonça, a segunda vítima de Covid-19 da cidade é uma mulher de 53 anos. Na cidade, a Coordenadoria Municipal de Saúde registrou só nesta terça-feira, 13 novos casos positivos da doença e chegou a 58 casos positivos.

Guapiaçu confirmou a sétima morte, mas o sexo e perfil da vítima não foi informado pela prefeitura.

(MG e Rone Carvalho)

 

RIO PRETO

  • 1.881 casos confirmados
  • 60 mortes
  • 196 internados (incluindo casos positivos e suspeitos)
  • 1.090 recuperados

Fonte: Secretaria Municipal de Saúde

REGIÃO

  • 6.280 casos confirmados
  • 223 mortes
  • 3.026 recuperados

Fonte: Secretarias de Saúde dos municípios

ESTADO

  • 229.475 casos confirmados
  • 13.068 mortes
  • 39.227 recuperados

Fonte: Governo do Estado

BRASIL

  • 1.145.906 casos confirmados
  • 52.645 mortes
  • 613.345 recuperados

MUNDO

  • 9.154.232 casos confirmados
  • 473.650 mortes
  • 4.585.022 recuperados

Casos confirmados e mortes

Estados Unidos: 2.373.274 e 122.654

Brasil: 1.145.906 e 52.645

Rússia: 599.705 e 8.359

Índia: 456.062 e 14.483

Reino Unido: 306.210 e 42.927

Peru: 257.447 e 8.223

Chile: 250.767 e 4.505

Espanha: 246.752 e 28.325

Itália: 238.833 e 34.675

Irã: 209.970 e 9.863