Procura e consumo de banda larga crescem em Rio Preto

ISOLAMENTO

Procura e consumo de banda larga crescem em Rio Preto

Rio Preto teve 580 novos contratos após período de isolamento social


Roselaine Begueline 
com sua filha 
Lara Beatriz SIlva Begueline usando internet em 
sua chácara
Roselaine Begueline com sua filha Lara Beatriz SIlva Begueline usando internet em sua chácara - Johnny Torres 22/6/2020

O número de residências com acesso à internet banda larga em Rio Preto cresceu após o início das medidas de isolamento social provocadas pela pandemia da Covid-19. Os dados mais recentes da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), mostram que no mês de abril 128.454 domicílios possuíam ponto fixo de internet. Um aumento de 580 novos contratos de internet em relação ao mês de fevereiro, anterior ao início da pandemia, quando a cidade tinha 127.874 instalações. Os dados dos meses de maio e junho serão divulgados após passarem por auditoria.

A densidade de acessos por domicílio também registrou crescimento. Em abril, a cada 100 casas em Rio Preto, 81 possuíam internet fixa; em dezembro do ano passado, eram 78 a cada 100 casas.

Um desses novos contratos foi da comerciante Roselaine Begueline, que mora com a família em uma chácara no Distrito Industrial Carlos Arnaldo e Silva, área rural de Rio Preto. Ela conta que precisou contratar um serviço de internet via rádio depois que a filha de 8 anos passou a ter aulas remotas. Antes disso, a família tinha acesso à internet somente pelo smartphone. "O celular não estava sendo suficiente para ela acompanhar as aulas. Como as transmissões são ao vivo, o vídeo travava muito e consumia dos dados muito rápido. Foi então tivemos que providenciar um computador", conta.

Ela e mais cinco vizinhos se uniram e passaram a procurar alguma empresa que pudesse fornecer o serviço no local. Ter internet banda larga dentro de casa também ajudou Roselaine, que trabalha com horta, receber pedidos por um aplicativo de mensagens. "Antes, nós atendíamos algumas quintadas e restaurantes da cidade. Como os pedidos caíram, o jeito que nós encontramos foi oferecer para pequenos clientes e entregar delivery", afirma.

Segundo o proprietário da empresa N4 Telecom, provedora de internet banda larga em Rio Preto, a venda de novos contratos teve um aumento de 15% nas primeiras semanas de isolamento. "Tivemos uma grande procura justamente de novos clientes, que ainda não possuíam o serviço de internet fixa. Chegamos a contratar uma empresa terceirizada para realizar as instalações", conta André Luis de Andrade.

Mas não foi só a procura por novos contratos que aumentou. A quarentena mudou o comportamento em relação ao uso da internet. Provedores locais de internet registraram aumento de 30% a 40% no tráfego de dados da internet neste período.

As empresas também registraram um maior volume de pedidos de upgrade. Segundo a Anatel, quantidade de clientes com internet acima de 34 mega de velocidade aumentou no período. Em fevereiro de 2020 eram 78 mil clientes, já em abril esse número saltou para 82 mil. "Investimos em infraestrutura para podermos atender os clientes, já que recebemos muitos pedidos de upgrade na velocidade de internet", relata Andrade.

Reclamações

De acordo com a Anatel, no Brasil o número de reclamações contra os serviços de internet fixa aumentou em 32% durante a pandemia do coronavírus e a busca pelo serviço aumentou em 70%.

Na contramão do aumento das residências com ponto fixo de internet, os domicílios com telefone fixo diminuíram. De acordo com dados da Anatel, em abril de 2019 eram 167 mil linhas de telefonia fixa em Rio Preto. Em abril deste ano, apenas 148 mil das linhas permaneciam ativas - uma queda de 11%.

O que ocorre em Rio Preto é o recorte de uma tendência nacional. No Brasil, conforme a Anatel, em abril do ano passado, o País registrou um número de 36,38 milhões de linhas de telefone fixo em operação. Doze meses depois, o número de linhas registradas no país era 32,16 milhões. Isso significa uma perda superior a 3 milhões de usuários.

O desinteresse pelas linhas de telefonia fixa pode ser explicado pela adesão cada vez maior das pessoas às linhas móveis e smartphones.

No intervalo de um ano, a cidade ganhou quase 80 mil novas linhas de telefone móvel. Eram 1.013.346 em abril de 2019 e 1.093.437 neste ano - um aumento de 7,9 %.

Outro dado mostra que com a popularização dos serviços de streaming, o número de domicílios com TV por assinatura caiu 12% em Rio Preto no intervalo de um ano. Ainda segundo a Anatel, em abril de 2019 eram pouco mais de 74 mil residências com o serviço. Em abril deste ano, este número caiu para 64 mil usuários. (FN)

Banda Larga em Rio Preto

2020

  • abril 128.454
  • Março 128.497
  • Fevereiro 127.874
  • Janeiro 127.045

2019

  • Dezembro 127.088
  • Novembro 126.960
  • Outubro 126.483

Telefonia Fixa

2020

  • abril 148.844
  • Março 151.057
  • Fevereiro 152.604
  • Janeiro 153.921

2019

  • Dezembro 155.223
  • Novembro 158.708
  • Outubro 160.102
  • abril 167.370

Telefonia móvel

2020

  • abril 1.093.437
  • Março 1.106.357
  • Fevereiro 1.104.615
  • Janeiro 1.097.375

2019

  • Dezembro 1.079.173
  • Novembro 1.069.788
  • Outubro 1.064.618
  • abril 1.013.346

TV por assinatura

2020

  • abril 64.723
  • Março 65.296
  • Fevereiro 65.810
  • Janeiro 66.222

2019

  • Dezembro 66.921
  • Novembro 67.557
  • Outubro 68.364
  • abril 74.029

fonte: Anatel