Escolas se preparam para aulas presenciais em Rio Preto

NOVA REALIDADE

Escolas se preparam para aulas presenciais em Rio Preto

Ensino híbrido, uso de máscaras e distanciamento em sala serão necessários


Natali Rodrigues, professora escola Ateneu, mostra nova disposição 
de carteiras para retomada
Natali Rodrigues, professora escola Ateneu, mostra nova disposição de carteiras para retomada - Guilherme Baffi 19/6/2020

Nada de emprestar lápis nem mesmo de entrar na escola sem medir a temperatura. Quando forem retomadas as aulas presenciais, as salas de aula terão que ter menos estudantes e nada de trabalhos em grupo. Uso obrigatório de máscara, distanciamento de carteiras entre estudantes e cada aluno com sua garrafinha de água. São estas algumas das diretrizes elaboradas pelo Conselho Nacional de Secretárias de Educação (Consed) para retomada.

Embora ainda não exista uma data oficial do retorno dos alunos às escolas, gestores já estão 'quebrando' a cabeça para definir como será o processo. Em Rio Preto, alguns colégios particulares se mostram cautelosos e dizem aguardar a decisão do comitê de saúde da cidade. Além disso, todos os colégios já sabem que a retomada não será como antes da pandemia da Covid-19.

"Para o retorno imaginamos voltar de forma escalonada, com distanciamento de carteira. Lógico que estamos aguardando os decretos, para saber quando pode voltar, mas já temos procurado alternativas. O álcool em gel, por exemplo, para os alunos usarem já estávamos oferecendo antes da suspensão das aulas", disse o coordenador do Colégio Ateneu, Walter Poletti Neto.

Já a diretora pedagógica do Colégio Lamarck, Renata Lucas, destaca que continuam com o ensino de forma remota. "Nós estamos aguardando as autorizações dos órgãos competentes, assim que chegar, implementaremos. Na escola, estamos fazendo aulas ao vivo nos horários das aulas."

Para a especialista em educação e coordenadora da Associação Brasileira de Educação a Distância (Abed), Betina von Staa, o ensino hibrido deve ser uma opção no segundo semestre. "Já sabemos que não vai haver uma volta as aulas como eram. Teremos a questão das metodologias hibridas, parte dos alunos de forma remota e outra na sala de aula", disse.

Pesquisa

Pesquisa feita pela Abed com o Instituto Casagrande e o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp) sobre a educação básica nos colégios particulares mostrou que durante a pandemia o aumento da inadimplência ficou entre 25% e 50% a mais do que as escolas estão acostumadas. "Antes da pandemia 19% das escolas achava importante ensinar tecnologia para preparar os alunos. Ai vem a pandemia e todo mundo tem que se adaptar a tecnologia digital. Percebemos que essa importância de ensinar tecnologia para os alunos aumentou em relação ao consenso dos estudantes", disse Betina, coordenadora da pesquisa.

Entrada

  • Medição de temperatura dos estudantes e servidores
  • Disponibilidade de máscaras para quem não tiver
  • Estações de higiene, como pias para lavagem das mãos
  • Tapetes com solução higienizadora para limpeza dos calçados
  • Higienização das mochilas e materiais

Salas de aula

  • Carteiras com distanciamento de 1,5 metro entre alunos
  • Cancelamento de atividades em grupos de alunos na sala de aula
  • Materiais e brinquedos individuais
  • Sinalização de rotas dentro das escolas para que alunos mantenham distância
  • Uso obrigatório de máscara por parte de alunos e servidores
  • Janelas sempre abertas
  • Reservatório de álcool em gel na sala de aula

Escola

  • Lixeira com tampa aberta em sistema de pedal
  • Desativação de bebedouros com disparo para boca e incentivo à utilização de garrafinhas individuais
  • Rotina constante de higienização da escola

Transporte escolar e alimentação

  • Redução do número de estudantes por veículo
  • Marcação dos lugares nos refeitórios
  • Cuidados na distribuição dos alimentos

Medidas pedagógicas

  • Possível ampliação da jornada diária
  • Reposição de aulas aos sábados ou em turnos alternativos, como o noturno
  • Adequação curricular e ensino híbrido
  • Avaliação diagnóstica com todos os alunos na volta às aulas
  • Rodízio de estudantes e novas turmas, enquanto um grupo de alunos vai em um dia, o outro vai no dia seguinte
  • Apoio psicossocial a alunos e servidores

Fonte: Conselho Nacional de Secretárias de Educação (Consed)

Independente do término da quarentena, as aulas presenciais nos campus da Unesp, USP e Unicamp devem voltar apenas no ano que vem. De acordo a assessoria de imprensa da Unesp, o retorno do ensino 100% presencial para todos os estudantes é pouco provável neste ano. Segundo a instituição, o plano de retomada, que ocorrerá de forma gradual, deverá passar por um amplo debate interno.

No primeiro passo, a Unesp priorizará o retorno das aulas presenciais dos estudantes que se formam em 2020. "Na etapa seguinte, dos calouros, ingressantes de 2020, que tiveram pouco tempo para vivenciar o ambiente universitário", destaca a nota.

A Unicamp informou que as aulas remotas serão a prioridade no segundo semestre letivo, previsto para iniciar em setembro. A universidade esclarece que o retorno às aulas presenciais ocorrerá somente quando houver condições favoráveis, e "se dará de maneira gradativa, num processo que priorizará a saúde da comunidade acadêmica, e levará em conta a situação dos estudantes, professores e a heterogeneidade dos cursos e disciplinas".

A USP também informou que deverá retomar as aulas presenciais em suas unidades de ensino apenas em 2021. De acordo com um planejamento elaborado a partir da sistematização das propostas enviadas pelas unidades de ensino e pesquisa, as aulas de graduação e pós-graduação deverão continuar sendo ministradas de forma remota a partir de agosto, quando está previsto o início do segundo semestre letivo.