HIGIENIZAÇÃO REDOBRADA

Empresas aéreas reforçam cuidados para evitar contágio

Empresas aéreas estão reforçando os cuidados para evitar a disseminação do coronavírus, da obrigatoriedade de máscaras a distribuição de álcool em gel, passando por procedimentos de limpeza


Aeronave se prepara para decolar no aeroporto de Rio Preto: regras mais rígidas
Aeronave se prepara para decolar no aeroporto de Rio Preto: regras mais rígidas - Fotos: Johnny Torres 22/5/2020

Viajar de avião já é não é mais da mesma forma. Duas empresas aéreas estão retomando os voos em Rio Preto - interrompidos durante a pandemia do coronavírus - mas como uma série de novas regras para evitar que passageiros e tripulantes contraiam a Covid-19. Para entrar na aeronave, de passageiros ao piloto, todos são obrigados a usar máscaras de proteção.

A primeira empresa a voltar a aterrissar no Aeroporto Estadual Professor Eribelto Manoel Reino foi a Azul Linhas Aéreas, na semana passada, com a rota Rio Preto Campinas. A empresa já colocou a disposição de passageiros e tripulantes kits com luvas, álcool em gel e lenço umedecido. A empresa também investiu na limpeza dupla de assentos, mesinhas, bolsão, banheiros, encosto de cabeça, cinto de segurança, janela, paredes e compartimentos superiores.

A Latam, que vai reativar em junho as operações para Rio Preto, determinou o reforço nos procedimentos de limpeza e desinfecção da área de atendimento aos passageiros, incluindo os balcões e os totens de autoatendimento. Para evitar o contato humano, a empresa vai incentivar o check in via aplicativo de celular.

Para reduzir o risco de contaminação durante o voos, a Latam garante possuir um sistema de recirculação de ar, que é renovado a cada três minutos por filtros e que removem 99,97% das partículas, em toda frota de aeronaves.

Nenhuma das empresas aéreas quis reduzir a quantidade de passageiros para manter o distanciamento entre as pessoas, como recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), com a justificativa de que todas as medidas adotadas eliminam a possibilidade de contágio durante as viagens aéreas.

O engenheiro civil Plínio Campos veio de Curitiba com destino a Rio Preto depois de realizar uma escala em Campinas. Como ele está de mudança para cá e precisava resolver algumas documentações, não pode adiar a viagem.

Nas duas aeronaves em que embarcou, disse ter percebido poucas diferenças em relação ao tratamento dado aos passageiros na comparação ao período anterior à pandemia. "Senti como se fosse um dia normal, estavam todos misturados", conta Campos. "No aeroporto nós encontrávamos orientações sobre a necessidade de distanciamento, mas já no avião uma pessoa sentou ao meu lado durante toda a viagem. O engenheiro ainda disse a tripulação não ofereceu kits como lenços umedecidos ou álcool em gel durante o voo.

No entanto, a médica fisiatra Marcela Santa Rosa teve uma percepção diferente. Ela veio de Cuiabá para Rio Preto devido a uma emergência familiar. "Se não fosse por isso, com certeza, teria adiado a viagem", conta. Antes de desembarcar em Rio Preto, ela também fez uma escala na cidade de Campinas. Logo na entrada da aeronave ela notou a preocupação dos funcionários com o distanciamento entre os passageiros.

"Eles nos orientaram a entrarmos separados, respeitando uma distância segura e sempre em filas. No voo de Cuiabá para Campinas, os tripulantes deram algumas orientações sobre como se prevenir do vírus e informações sobre os sintomas", lembra a médica. "Como eu dormi boa parte da viagem para Rio Preto não sei se isso aconteceu, mas consegui notar que todos os funcionários usavam luvas". Diferente do último passageiro, ela disse ter viajado sem ninguém ao lado. "Percebi que isso aconteceu também com as pessoas que estavam próximas de mim. Não sei se foi coincidência, ou se foi uma regra", relata.

Após embarcar no Recife e pegar duas escalas, uma em Brasília e outra em Campinas, o caminhoneiro Pedro Lima desembarcou em Rio Preto, de onde seguiu de carro até Presidente Prudente. Nos três voos, ele conta ter notado diversas poltronas vazias, permitindo que os passageiros ficassem distantes uns dos outros. "Eles não chegaram a oferecer álcool em gel pra gente, mas deram bastante informações", conta Lima, que veio para a região a trabalho.

Apesar das orientações, ele disse ter notado que muitos passageiros desrespeitavam as regras de distanciamento. "Uma das pessoas começou a reclamar quando começaram a dar as orientações. Depois, na hora do desembarque eles diziam para irmos uma de cada vez, mas muitas dos passageiros não respeitavam e se aglomeravam", contou.

Viagem de avião em tempos de Covid-19

  • O uso de máscara obrigatório
  • Limpeza e desinfecção dos balcões de atendimento
  • Distância de 1,5 metro entre as pessoas nas filas de check in e embarque
  • Incentivo ao check in pelo celular
  • Kits com luvas, álcool em gel e lenço umedecido para passageiros e tripulantes
  • Limpeza dupla nos assentos, janela, paredes e compartimentos superiores
  • Ar-condicionado com renovação do ar a cada 3 minutos
  • Embarque que favorece o distanciamento social entre os passageiros, evitando aglomerações.

Situação em Rio Preto

  • Azul retomou os voos Rio Preto-Campinas e Campinas-Rio Preto (um voo diário para cada sentido).
  • Latam deve retomar os voos em junho.

Fonte: Companhias aéreas