SAÚDE

Número de consultas cai durante a pandemia em Rio Preto

O secretário de Saúde, Aldenis Borim, explica que o número reduziu porque muitos pacientes faltaram aos agendamentos


De acordo com o secretário, essa demanda de consultas vai acumular na pasta, mas a melhor opção para casos não graves é não comparecer às unidades
De acordo com o secretário, essa demanda de consultas vai acumular na pasta, mas a melhor opção para casos não graves é não comparecer às unidades - Fotos: Divulgação

O secretário de Saúde de Rio Preto, Aldenis Borim, divulgou, na manhã desta sexta-feira, 22, dados referentes ao número de consultas realizadas de janeiro a abril deste ano. Segundo o secretário, os atendimentos não pararam devido à pandemia do coronavírus (Covid-19), o que aconteceu é que as pessoas deixaram de ir às consultas.

Os atendimentos na Atenção Básica nas unidades não respiratórias tiveram uma queda de 25%. Em janeiro, o número de consultas agendadas era de 171.683, fevereiro 148.682, em março 140.526 e, em abril, 106.057. Já em relação à falta desses pacientes os números aumentaram. Em janeiro, a taxa era de 16%, em fevereiro, 15%, em março, 31% e, em abril, 47%.

Segundo o secretário, grande parte desses pacientes não foram desmarcados, eles não foram à consulta."(Eles) atenderam a recomendação da Secretaria de que só procurasse quem realmente estivesse precisando. Para que ficasse em casa aqueles que não estavam precisando imediatamente de consulta e também para que não houvesse superlotação nas salas de espera. Nós temos o distanciamento que determinamos para a sala de espera, estão sendo obedecendo esse distanciamento", afirma.

O atendimento no laboratório também registrou queda. Em janeiro, 132.983 atendimentos foram realizados, 115.303 em fevereiro, 97.007 em março e, em abril, 46.762. "Houve uma queda importante, mas uma coisa que chama a atenção. Quando olhamos nas porcentagens, que são faltosos. Não foram por que? Porque preferiram naquele momento", disse.

O atendimento na Atenção Especializada também houve redução. A Saúde comparou o primeiro quadrimestre de 2019, com o mesmo período deste ano. No ano passado, 80.962 consultas médicas especializadas estavam agendadas, contra 62.904 neste ano. A Saúde registrou 58% faltosos nos meses de março e abril de 2020.

A queda é ainda maior em exames de imagem e diagnóstico. No primeiro quadrimestre de 2019, 46.961 exames estavam agendados, contra 37.805 neste ano, 67% faltosos.

O secretário Borim ressaltou que os atendimentos serão reagendados depois que a crise terminar.