Abrigo

Casa de Cirineu reabre com novas regras após limpeza

Instituição passou por desinfecção após a contaminação de 31 abrigados


Casa de Cirineu reabriu nesta quinta-feira após ficar fechada por dez dias
Casa de Cirineu reabriu nesta quinta-feira após ficar fechada por dez dias - Guilherme Baffi 21/5/2020

Abrigo para moradores de rua, a Casa de Cirineu reabriu as portas nesta quinta-feira, 21, no Jardim São Francisco, em Rio Preto. O imóvel ficou fechado por dez dias, depois que 31 pessoas atendidas no local testaram positivo para a doença e o frei Bruno, de 36 anos, que trabalhava na entidade, morreu de coronavírus.

Para evitar novas contaminações de moradores de rua e religiosos, o abrigo mantido pela Associação e Fraternidade São Francisco de Assis na Providência de Deus, de Jaci, só vai receber novos moradores de rua depois que eles forem submetidos a testes de Covid-19 disponibilizados pela Prefeitura.

Outra novidade que está em andamento é a criação de um espaço com 20 vagas, dentro da Casa de Cirineu, para receber mulheres em situação de rua. A medida é para que elas sejam abrigadas separadas dos homens, e para restringir contatos físicos que possam resultar em novas contaminações.

Segundo a direção da Associação, o novo espaço está em preparação e deve ser aberto em duas semanas, mas ainda não há data exata para entrar em funcionamento.

Antes da reabertura nesta quinta, a Casa de Cirineu passou por higienização de todos os cômodos para eliminar os riscos da presença do vírus.

Pelo novo acordo, primeiro a Prefeitura tem de submeter os moradores de rua ao teste de coronavírus. Quem for diagnosticado como contaminado, será enviado aos cuidados dos freis, em Jaci. Quem estiver sem o vírus poderá ser abrigado na entidade em Rio Preto.

Com a reabertura, a Casa de Cireneu recebeu já nesta quinta-feira 59 moradores de rua que estavam em Jaci e mais dez enviados pelo Centro POP, órgão da Prefeitura - eles já passaram por teste e não têm a doença.

Os 31 moradores de rua diagnosticados há duas semanas com Covid-19 vão também retornar nos próximos dias ao abrigo, porque já cumpriram a quarentena preventiva e não têm nenhum sintoma da doença.

A ordem religiosa também reforçou os protocolos de segurança sobre uso de máscara, luvas e álcool em gel e a higienização de todos as pessoas que lidam diretamente com os moradores de rua.

Morte

O frei Bruno, cujo nome era Paulo Fernando de Campos Meneses, trabalhava no acolhimento dos moradores de rua na Casa de Cirineu. O religioso veio de Aracaju (SE), era formado em história e estava desde janeiro de 2008 na ordem franciscana.

De acordo com a entidade, o frei começou a sentir os primeiros sintomas no dia 23 de abril e morreu no Hospital de Base de Rio Preto no dia 9 de maio.

Marco Antonio dos Santos 20/5/2020

Moradores de rua montaram três barracas sob o viaduto Jordão Reis, próximo de uma das entradas da sede do clube Palestra, no Centro de Rio Preto. As barracas foram montadas há duas semanas e os moradores também aproveitaram o espaço para acumular sacos com material de reciclagem.

Questionada sobre a situação, a Secretaria Municipal de Assistência Social informou que a ocupação daquele espaço é irregular e serão enviados funcionários para abordar as pessoas que moram naquele local.

"Os usuários que estão naquele espaço são abordados sistematicamente com oferta dos serviços da assistência bem como encaminhamento para rede de serviços. Os educadores sociais do Centro POP estão atentos", informou a Prefeitura. (MAS)