PANDEMIA

Covid atinge todas as regiões de Rio Preto

A área do São Francisco, com 58 casos, é a que mais registra a doença


Andre Baitello, assessor especial da Saúde em Rio Preto
Johnny Torres 26/9/2018

O coronavírus já chegou em todas as regiões de Rio Preto. Após sessenta dias do primeiro caso de Covid-19 confirmado, a cidade chegou nesta quarta-feira, 13, a 352. A região do São Francisco continua sendo a que tem mais casos confirmados da doença, ao todo são 58; enquanto isso, o distrito de Talhado tem o menor índice.

Dez pacientes morreram em Rio Preto e 74 estão recuperadas, segundo a Secretaria de Saúde. Do universo de rio-pretenses contaminados, 91 são profissionais da saúde e outros 57 apresentaram síndrome respiratória aguda grave (SRAG), ou seja, precisaram de internação ou apresentaram algum sinal de gravidade.

Na entrevista coletiva da tarde desta quarta-feira, 13, o assessor especial da Secretaria da Saúde de Rio Preto, André Baitello, disse que o número é preocupante e mostra o avanço dos casos pelo interior. Ele ressaltou a importância do isolamento social. "A doença está nos quatro cantos da cidade, em todas as regiões e bairros têm casos positivos da doença", pontuou.

Questionado pela reportagem sobre a taxa de ocupação de leitos, Baitello disse que Rio Preto está num momento de ascendência da curva de casos. "Mais um sinal que a doença está avançando", disse.

A região do São Francisco continua liderando o percentual de casos confirmados, com 16,5%, o equivalente a 58 casos. É naquele bairro que fica a Casa de Cirineu, que acolhe moradores de rua e teve um surto de casos: 31 moradores do abrigo testaram positivo para Covid-19. Mesmo tirando os casos do abrigo, a região seria a líder do ranking, com 27 ocorrências. A área é a terceira mais populosa de Rio Preto e reúne condomínios de luxo.

A segunda região com mais casos é a Central, com 7,2%, seguida por Jardim Americano com 6,7%, Estoril com 6,3% e, empatados com 5,93%, aparecem Santo Antônio e São Deocleciano (confira no mapa o número de casos por região).

Em relação à faixa etária, pessoas entre 30 e 39 anos e 40 e 49 anos apresentam os maiores percentuais, com 22,44% e 23,86% dos positivos, respectivamente. "A prevalência da doença é na população jovem, são os que mais adquirem a doença. As pessoas se aglomerando em festas, ou atividades, são estas pessoas que estão adquirindo e transmitindo a doença", afirmou Baitello.

Isolamento

Na coletiva, Baitello voltou a reforçar a importância do isolamento social para evitar a disseminação do coronavírus. Segundo o Sistema de Monitoramento Inteligente (Simi), do governo estadual, a cidade atingiu 38% nesta terça-feira, 12. É o pior do Estado de São Paulo para o dia, empatado com Catanduva e Limeira.

"À medida que diminuímos o isolamento, nós aumentamos a velocidade da doença, ou seja, vamos ter um maior número de casos em um menor espaço de tempo", destacou.

A Prefeitura de Rio Preto já sinalizou que áreas públicas de caminhada como as da Represa Municipal, do Quinta do Golfe, além de quadras esportivas, poderão ser interditados nos próximos dias. Segundo a Prefeitura, neste momento, ainda ocorre a orientação por parte das autoridades municipais para que não exista aglomerações, no entanto, poderão ser aplicadas medidas restritivas e com caráter de penalização, caso o índice de isolamento na cidade não volte a crescer.

Um balanço da Secretaria da Saúde de Rio Preto apontou que a taxa de ocupação de leitos na cidade é de 32%, incluindo os destinados a pacientes com Covid-19 e a outras síndromes respiratórias. O número equivale a leitos de enfermaria e Unidades de Terapia Intensiva (UTI). Há duas semanas, o índice de ocupação de leitos era em torno de 12%.

De acordo com a pasta, até a última atualização, 82 pacientes permaneciam internados em Rio Preto - entre os que tem a Covid-19 confirmada ou em investigação. Desse total, 60 em enfermaria e 22 na UTI. São 20 pacientes com Covid internados, sendo dez em enfermaria e dez na UTI. "Neste período do ano essas doenças respiratórias aumentam de maneira geral," alertou André Baitello, assessor da Saúde. "Isso vai elevar o número de casos de internações nas próximas semanas," disse.

A preocupação das autoridades de saúde é que, com o aumento de internações nessa época do ano junto a pandemia do coronavírus, o sistema de saúde entre em colapso. (RC)