SÃO JOSÉ DO RIO PRETO | QUINTA-FEIRA, 11 DE AGOSTO DE 2022
Política

Pré-candidatos do Novo são alvo de protesto na Unicamp e palestra é cancelada

Estadão Conteúdo
Publicado em 30/06/2022 às 15:00Atualizado em 30/06/2022 às 15:09

O vereador e pré-candidato a deputado federal Fernando Holiday e os pré-candidatos a deputado estadual Leonardo Siqueira e Lucas Pavanato, do partido Novo, foram alvo de protesto na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) nesta quarta-feira, 29.

Eles fariam uma palestra sobre cotas raciais e financiamento nas universidades públicas, mas um grupo de manifestantes ocupou o espaço. O evento era organizado pela União Juventude e Liberdade (UJL), que se define como "movimento estudantil liberal". Em coro, estudantes gritavam "recua, fascista, recua, a Unicamp nunca vai ser sua". O Diretório Central dos Estudantes da universidade afirmou, em nota, que o discurso de Holiday é "reacionário" e que o vereador defende uma "universidade para poucos".

"No ano em que a lei de cotas será revisada e de vários ataques é preciso que façamos da universidade um território de organização para a derrota da extrema-direita", afirma a nota. Fernando Holiday (Novo), que é negro, é contrário às políticas afirmativas raciais no ensino superior porque, segundo ele, "menosprezam os afrodescendentes".

Ao comentar o episódio nesta quinta-feira, 30, no Twitter, o vereador disse que manifestantes estariam "dando tapas e tentando roubar seu celular". Nas imagens, é possível ver um pequeno grupo com bandeiras vermelhas e uma tentativa de encobrir o vídeo que era gravado pelo parlamentar. A UJL afirmou que houve tentativa de agressão física e que foi necessário "fazer uma barreira" para defender os convidados do evento.

O pré-candidato do Novo à Presidência, Luiz Felipe d'Avila, também se manifestou na rede social e associou os manifestantes ao ditador italiano Benito Mussolini. Muitas das respostas questionaram os termos usados pelos integrantes do Novo para se referir a manifestações de esquerda.

Procurada pela reportagem, a Unicamp afirmou, em nota, que é "historicamente um espaço dedicado ao debate de ideias, onde divergências sempre estiveram subordinadas ao respeito às diferenças, inclusive no campo ideológico". "Nesse contexto, a Universidade condena quaisquer atos que, em detrimento do debate democrático, resultem em manifestações de violência."

 
Grupo Diário da Região.© Copyright 2022É proibida a reprodução do conteúdo em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização.
Distribuído por
Publicado no
Desenvolvido por