X
X

Diário da Região

28/12/2016 - 20h37min

Relacionamento

Mãe do marido

Relacionamento

Stock Images/Divulgação NULL
NULL

Paulo e Claudia moram juntos há 1 ano. Nesse período, ele sequer pisou na cozinha. Não sabe onde fica nada. Quando acorda, mesmo que ela já tenha saído para trabalhar, ele já encontra o café pronto. No final do dia, ao entrar em casa, o jantar também já está pronto. Assim como na casa de seus pais, Paulo nunca lavou uma roupa ou se deu ao trabalho de pendurar a toalha molhada. Ele jura que até tenta, mas quando lembra Claudia já fez todo o serviço.

Mesmo se dizendo cansada e desabafando para as amigas que Paulo não ajuda, Claudia acredita que agir assim é um ato de amor. Será? Os especialistas garantem que não. "A maioria dos homens não gosta de ser tratado como filho. Quando a mulher tem essa atitude, acaba tomando a frente da vida do parceiro, como se ele não fosse capaz de cuidar de si e de suas questões pessoais e até profissionais. Dentro de uma relação não é saudável um cônjuge se sobressair ao outro, principalmente quando se tem filhos, esse equilíbrio é mais do que necessário.

A relação conjugal deve estar ancorada na igualdade de posições e não numa hierarquia, onde um manda e o outro obedece", diz a psicóloga Priscilla Marçola, de Rio Preto. Para a sexóloga Carla Cacerello, do site de relacionamento c-date, agir como mãe do namorado ou marido é um grande erro. "Não é saudável. Os papéis ficam misturados. A mulher que se comporta como mãe do parceiro perde as características de mulher amante, o que faz com que ela não se torne mais desejável para o homem. O homem deseja uma mulher sedutora, erótica, que se comporte de forma livre e solta na cama, então não é uma atitude saudável. A mulher pode até cuidar, mas tudo dentro de um limite", alerta. 

Armadilhas do amor

A sexóloga Priscila Junqueira diz que tanto homens como mulheres precisam de mimos e atenção, mas não ao ponto de deixar o outro regredido emocionalmente. "Esse tipo de comportamento é muito prejudicial, gera regressão emocional, autoestima baixa, insegurança, ciúme para a relação e perda da libido. Você não vai querer transar com alguém que seja seu filho. E nem ele com a mãe", frisa. 

Segundo a psicóloga Priscilla Marçola, a mulher que toma decisões pelo parceiro ou superprotege, no fundo, tem medo de lidar com as escolhas dele. "A intimidade com uma pessoa madura pode evidenciar suas inseguranças e vulnerabilidades e, por isso, preferem ter ao lado um namorado ou marido que dependa delas", diz a especialista. "Homens dependentes tendem a ter seu desenvolvimento comprometido. Uma relação saudável traz a possibilidade de crescimento das duas partes.

Se tivermos sempre alguém que nos socorre ou resolve tudo por nós, dificilmente iremos desenvolver nossas habilidades para lidar com momentos conflituosos ou frustrantes, e isso pode causar ainda mais sofrimento no futuro", garante. A sexóloga Carla Cacerello diz que muito controle e superproteção podem até parecer bonito e romântico no início da relação, mas com o tempo torna-se extremamente prejudicial. "No começo, parece tudo muito bonitinho, até mesmo para o homem, que acha que é um cuidado.

Com o passar do tempo, ela própria vai perdendo o interesse por ele na medida em que vê que ele não faz do jeito que ela quer. Enquanto isso, ele vai se sentindo bastante controlado e vendo que essa mulher já não é mais tão desejada sexualmente, porque ela mais cuida do que seduz. Então é uma relação que tende a acabar, justamente porque não há uma relação de erotização entre eles, então um ou outro vai buscar fora essa completude para a relação", avisa. 

Alerta vermelho

Atitudes que mostram que você está agindo como mãe no relacionamento:

  • Ser responsável pela alimentação dele 
  • Controlar o dinheiro dele
  • Controlar as roupas dele
  • Defendê-lo e proteger diante de situações conflituosas como se ele não fosse capaz de resolver
  • Reclama de tudo o que ele faz como se não fosse bom o bastante 

Fonte: Priscilla Marçola, psicóloga, em Rio Preto

Resgate a sedução

Se você perceber que está se comportando como mãe no relacionamento, os especialista dizem que o primeiro passo é identificar o que a faz manter esse vinculo maternal, e quais são as questões internas que acabam fazendo com que esse comportamento maternal tenha mais destaque na relação conjugal. "Diálogo é sempre a melhor opção, pois mesmo que não seja saudável agir assim é a relação que estavam acostumados a ter", orienta a sexóloga Priscila Junqueira.

Para a psicóloga Priscilla Marçola, deve-se cuidar para que esse vínculo não se transforme em algo assexuado. "Se o próprio homem se dá conta de que está numa postura de filho e não de marido, é necessário conversar e apontar atitudes que o incomodam com o intuito de mostrar que ele quer uma mulher ao seu lado e não uma mãe. E, claro, ele deve impedir que a mulher mantenha este comportamento, dando limites quando necessário", explica. 

Segundo a sexóloga Carla Cacerello, se a pessoa consegue perceber que age como mãe já é um grande passo. "Tem mulheres que passam anos em uma relação assim e não percebem, e o homem vai deixando de lado também. Se ela percebe, é bom aos poucos ir mudando a atitude, não ser drástica e repentina, mas pouco a pouco ir mudando a atitude. Tem que ir aos poucos para ele não estranhar muito. Enquanto isso, é ideal ir investindo na sedução", ensina. 

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso