X
X

Diário da Região

14/01/2016 - 00h00min

Para todos os ‘cabras’

Da alta gastronomia aos carrinhos de rua, comida nordestina ganha destaque

Para todos os ‘cabras’

Guilherme Baffi Em homenagem ao cangaceiro mais conhecido e temido do Brasil, Lampião é uma das opções nordestinas do Empório Santa Therezinha, no shopping Iguatemi Rio Preto. Ele é composto de carne seca (jabá) acebolada, mandioca (macaxeira) frita, couve refogada e arroz
Em homenagem ao cangaceiro mais conhecido e temido do Brasil, Lampião é uma das opções nordestinas do Empório Santa Therezinha, no shopping Iguatemi Rio Preto. Ele é composto de carne seca (jabá) acebolada, mandioca (macaxeira) frita, couve refogada e arroz

Com o incentivo aos produtos nacionais, principalmente por causa da situação econômica, a gastronomia brasileira está cada vez mais valorizada. Entre os destaques nacionais está a culinária nordestina, encontrada desde as tradicionais Casas do Norte, passando por restaurantes da alta gastronomia e atualmente sendo transportadas por food trucks. Buchada, carne de sol com pirão de coalho, baião de dois, paçoca de carne seca, acarajé, caldo de mocotó, dobradinha e caruru. É vasto o leque de sugestões. Mas é preciso ser cabra-macho para provar uma dessas iguarias.

A gastronomia nordestina é conhecida pelos temperos fortes e pela 'sustança' da comida. Como a maioria dos costumes alimentares do Brasil, a gastronomia nordestina é composta por frutos nativos da caatinga e do agreste aliada a produtos trazidos por estrangeiros. Essa miscelânea de sabores rompeu fronteiras e Estados e hoje conta com representantes à altura. A Casa do Norte Jacobina, no bairro Zé Menino, em Rio Preto, é referência quando o assunto é o Norte. O forte do local é o autêntico mocotó, servido com pimenta e farinha.

 

Caldo de mocotó - Casa do Norte Jacobina - 14012016 De muita ‘sustança’ e tempero, o tradicional caldo de mocotó é o prato mais vendido na Casa do Norte Jacobina

O espaço serve também sarapatel, dobradinha, porção de cudiguim, jabá (carne seca) e javaporco (carne de javali). Além de produtos utilizados na culinária nordestina, como manteiga de garrafa, feijão-de-corda e a autêntica tapioca. De acordo com o proprietário Francisco Gama dos Santos, 45 anos, a maioria dos clientes dele não é nordestina. “Claro que tem um pessoal da minha terra (Bahia) que vem matar a saudade do Nordeste por meio de produtos típicos de lá. Mas a maioria dos meus clientes é daqui ou de outra região, que sentem curiosidade em experimentar os nossos pratos. Fica a gosto do cliente, mas não podem faltar pimenta, coentro e farinha de mandioca no prato de um nordestino.”

No outro lado da cidade, na Vila Aurora, é possível encontrar uma carne de sol feita na manteiga de garrafa com queijo coalho e cebola roxa. O prato que acompanha mandioca frita é vendido no Nhô Botequim. “Com o dólar em alta e a instabilidade financeira, tudo que é local está sendo mais valorizado. A gastronomia nacional é rica e a nordestina também. No caso da carne de sol, eu preparei na geladeira. O processo pode ser feito por todo o mundo”, explica o chef Alexandre Villela.

A referência

O restaurante Mocotó, na Vila Medeiros, em São Paulo, é atualmente um dos principais propagadores da gastronomia nordestina. O que começou como a Casa do Norte Irmãos Almeida, em 1973, se transformou em um bar/restaurante frequentado atualmente por boêmios, artistas e turistas. O espaço é comandado pelo conceituado chef Rodrigo Oliveira.

Além de propagar a gastronomia e a cultura nordestina por meio do restaurante, o Mocotó conta agora com um food truck que vende dadinhos de tapioca com queijo coalho, baião de dois e torresmo, os pratos mais vendidos no estabelecimento. Este food truck, o Mocotó Aqui, estará estacionado de amanhã até domingo no Riopreto Shopping. Ele é uma das atrações da terceira edição do evento Food'n Music, que une a chamada comida de rua a muito rock, blues e MPB.

 

Carne de Sol - Nhô Botequim - 14012016 Carne de Sol feita na manteiga e com queijo coalho, no Nhô Botequim. “Com o dólar em alta e a instabilidade financeira, tudo que é local está sendo mais valorizado”, diz o chef Alexandre Villela
Carne de Sol

Ingredientes

  • 1 capa de filé
  • Sal grosso
  • Assadeira
  • Peneira
  • Filme plástico

Modo de preparo

  • Distribua sal grosso nos dois lados da carne. Coloque a capa de filé sobre a peneira e a assadeira embaixo. Cubra com filme plástico para não pegar cheiro e leve à geladeira. Deixe de 15 a 20 dias. Durante esse período, retire a água que acumular na assadeira. Cozinhe a carne para retirar o excesso de sal e prepare da forma que preferir. 

Fonte: chef Alexandre Villela, o Badaró, do Nhô Botequim

 

 

 

>> Acesse aqui o Diário da Região Digital

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso