X
X

Diário da Região

28/08/2016 - 00h00min

Artigo

Conexões na era da solidão

Artigo

Johnny Torres/Arquivo Kátia Ricardi de Abreu é psicóloga clínica e organizacional e especialista em análise transacional
Kátia Ricardi de Abreu é psicóloga clínica e organizacional e especialista em análise transacional

A tarde de sol tímido convidava a um chá acompanhado de cookies com gotas de chocolate e talvez um pedaço generoso de bolo de laranja. Ela passou algumas horas do seu tempo preparando o ambiente. A toalha bordada, os guardanapos com as cores suaves, acompanhando os tons das rosas que enfeitavam o vaso sobre a mesa redonda do jardim. Com seus passos lentos, sentou-se à varanda na confortável cadeira de ratan e, olhando para o horizonte, pensou em uma amiga ao seu lado, na outra cadeira, também de ratan, para prosear neste bucólico e acolhedor ambiente. Após várias tentativas, esgotou sua agenda em vão. Não havia companhia para este cenário. Todos estavam ocupados, comprometidos ou desinteressados. Na companhia dos pardais inquietos, ela sorveu o chá e se serviu de uma fatia do saboroso bolo. Desapontada, não conseguiu impedir que uma lágrima indiscreta rolasse pela face.

Um grande vazio habita a alma de muitas pessoas nesta sociedade contemporânea. São sete bilhões de seres humanos buscando, cada um a seu modo, esta tal felicidade. A forma egocêntrica de amar coloca o outro a serviço das necessidades. Ao mudar de necessidade, descarta-se o relacionamento com a mesma naturalidade com que é deletado o lixo eletrônico. Nossa sociedade doente revela o embotamento de interesse pelas pessoas não conectadas aos projetos imediatistas, apoiado em uma sensibilidade reprimida, que vai ficando cada vez mais ausente da relação eu-tu. 

Na era da solidão, cada um se diverte com seus contatos virtuais, facilmente desligados e controlados à distância. Um clique e pronto! Fui dormir e não precisei nem mesmo me despedir. Outro clique e pronto! Estou de volta. Para uns sim, para outros não, porque posso escolher para quem eu me revelo. Em qual aplicativo posso navegar sem despertar ciúme das pessoas reais ao meu lado? Em qual ambiente virtual posso preencher meu vazio e fazer conexões que não incomodem a minha consciência e meus valores? Confortável com as escolhas feitas, a vida segue. 

A quantidade e a superficialidade dos relacionamentos estão mais disponíveis porque a qualidade e a profundidade deles necessitam tempo de investimento. Lapidação constante. Reparação. Às vezes, perdão.

Há quem não se deixe seduzir pelas relações ilusórias e transitórias, quem busque a essência e a decência de olhares reais, profundos e conectados na alma. Para estes, a vida pode seguir sem eventuais companhias para um chá com bolo de laranja e um papo consistente. Mas não seguirá sem a esperança de ver a outra cadeira de ratan ocupada um dia por alguém que a mereça. 

 

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Diário da Região. É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Diário da Região poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os critérios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Di´rio Im&ocute;veis

Di´rio Motors

Esqueci minha senha
Informe o e-mail utilizado por você para recuperar sua senha no Diário da Região.

Já sou assinante

Para continuar lendo esta matéria,
faça seu login de acesso:

É assinante mas ainda não possui senha? Clique Aqui!
É assinante mais quer redefinir sua senha? Clique Aqui!

Assine o Diário da Região Digital

Para continuar lendo, faça uma assinatura do Diário da Região e tenha acesso completo ao conteúdo.

Assine agora

Pacote Digital por apenas R$ 16,90 por mês.
OUTROS PACOTES


ou ligue para os telefones: (17) 2139 2010 / 2139 2020

Cadastro Grátis
Diário da Região
Clique no botão ao lado e agilize seu cadastro importando seus dados básicos do facebook
Sexo
Defina seus dados de acesso